A industrialização brasileira e a dimensão geográfica dos estabelecimentos industriais

Philip Gunn, Telma de Barros Correia

Resumo


Em razão da predominância da produção voltada para a exportação de bens agrícolas, tais como açúcar, café e algodão, a industrialização brasileira no século XIX e na primeira metade do século XX foi parcial, tanto em seu conteúdo quanto em sua extensão geográfica. A expansão da economia do café e a chegada, no final do século XVII, de um novo e centralizado processo de transformação industrial da cana-de-açúcar sustentou a dominância da produção de exportáveis, permitindo o surgimento de um setor industrial têxtil que se expandiu geográfica e economicamente no século XX. A ausência de informação censitária industrial para o período que antecede o ano de 1920 impediu a realização de estudos mais gerais sobre a história industrial brasileira. O presente artigo trata da evolução histórica da indústria brasileira do ponto de vista da dimensão espacial dos estabelecimentos industriais, no que diz respeito às instalações residenciais, de serviços e da mão-de-obra. Desde 1996, um arquivo contendo dados sobre assentamentos industriais com vila operária foi parcialmente elaborado abrangendo mais de 80% do território brasileiro. Esse material permitiu uma descrição geral dos estabelecimentos industriais em cada região do Brasil no período de 1810 até o presente.

 


Palavras-chave


Geografia Industrial; arqueologia industrial; vila operária

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


BLAY, E. A. Eu não tenho onde morar: vilas operárias na cidade de São Paulo. São Paulo: Nobel, 1985.

BURTON, R. F. Viagens aos planaltos do Brasil. 2.ed. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: INL, Fundação Pró-Memória, 1983. t.I. (Coleção Brasiliana, 197)

CORREIA, T. B. Pedra: plano e cotidiano operário no sertão. Campinas: Papirus, 1998.

CRAWFORD, M. Building the Working Man’s Paradise – the design of american company towns. London: Verso, 1995.

EGAS, E. Galeria dos presidentes de S. Paulo período Monarchico 1822-1889. São Paulo: Seção de Obras do Estado de S. Paulo, 1926. p.470.

GARNER, J. (Ed.) The Company Town – Architecture and Society in the Early Industrial Age. Oxford: Oxford University Press, 1992.

GARNER, J. Understanding the Single-Enterprise Town, Champain III. In: Simpósio “A organização do território pelo capital: o caso das vilas operárias e núcleos gerados por empresas”, Universidade de São Paulo (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), São Paulo, setembro 2-3, 2004.

GUNN, P. Os precursores de cidades empresariais na produção de assentamentos por companhias e colônias no século XVII e XVIII. Anais do VII Encontro Nacional Anpur, Recife, 26-30.5.1997.

HIMELFARB, A. The social characteristics o fone-industry towns in Canadá: a background report. Ottawa: Royal Commission on Corporate Concentration, 1976.

LEITE LOPES, J. S. A tecelagem dos conflitos de classe na cidade das Chaminés. São Paulo: Marco Zero, 1988.

LEVENSON, R. Company Towns: a bibliography of American and foreign sources. Monticello, III: Council of Planning Librarians, 1977.

LIBBY, D. C. Trabalho escravo e capital estrangeiro no Brasil: o caso de Morro Velho. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984.

MAGUIRE, R. K. Socio-economic factors pertaining to single-industry resource towns in Canada: a bibliography with selected annotations. Chicago, III: CPL, 1980.

PESAVENTO, S. J. A burguesia gaúcha: dominação do capital e disciplina do trabalho (1889-1930). Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

PORTEOUS, J. D. The single-enterprise community in North America. Monticello, III: Council of Planning Librarians, 1971.

PRAGNELL, H. Industrial Britain – an architectural history. London: Ellipsis, 2000.

RAMALHO, J. R. Estado-patrão e luta operária: o caso da FNM. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. STEIN, S. Origens e evolução da indústria têxtil no Brasil – 1850-1950. Rio de Janeiro: Campus, 1979.

SZMRECSÁNYI, T.; MARANHÃO, R. História de empresas e desenvolvimento econômico. 2.ed. São Paulo: Hucitec, Imprensa Oficial, 2002.

TRINDADE JUNIOR, C. C.; ROCHA, GM. (Ed.) Cidade e empresa na Amazônia – gestão do território e desenvolvimento local. Belém: Para-Tatu, 2002.

TRINDER, B. Industrial Heritage of Britain. Basingstoke: Automobile Association, 1988.

WRITE, A. G. Architecture of the Company Town: a selected bibliography. Monticillo, II: Vance Bibliographies, 1983.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2005v7n1p17

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia