Gestão, uso e conservação de recursos naturais em comunidades rurais do Alto Jequitinhonha

Eduardo Magalhães Ribeiro, Flávia Maria Galizoni, Juliana Sena Calixto, Thiago de Paula Assis, Eduardo Barbosa Ayres, Luiz Henrique Silvestre

Resumo


Este artigo analisa como lavradores de comunidades do Alto Jequitinhonha, Minas Gerais, Sudeste do Brasil, regulam o acesso às dotações naturais para extrair alimentos e utensílios, conservar recursos e perpetuar sua descendência na terra. Essas comunidades dispõem de terras, recursos e bens, e instituem normas e sanções coletivas de regulação do acesso, que variam de uma para outra comunidade, são prescritas e obedecidas. Elas podem ser a base para programas de conservação de florestas, campos e águas, substituindo o interminável conflito que há entre as normas propostas pela legislação e agências públicas e as normas locais.

 


Palavras-chave


agricultura familiar; ambiente; recursos comuns; cerrados; Minas Gerais.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ACHESON, A. Clearcutting Maine: implications for the theory of common property resources. Human Ecology, v.28, n.2, 2000.

ALMEIDA, A. W. B. de. Terras de preto, terras de santo, terras de índio: uso comum e conflito. In: HEBETTE, J.; CASTRO, E. (Org.) Na trilha dos grandes projetos. Belém: NAEA/UFPA, 1989.

AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro: Unesp/SBEE, 2002.

ANDRADE, M. C. Terra e homem no Nordeste. São Paulo: Brasiliense, 1986.

ARANTES NETO, A. A. A Sagrada Família: uma análise estrutural do compadrio. Ca dernos IFCH, Unicamp, n.5, 1975.

ARCHETTI, E. P. La comuna campesina en Rusia. In: CHAYANOV, A. V. La organización de la unidad económica campesina. Buenos Aires: Nueva Visión, 1974.

BARBOSA, M. W. Redescobrindo a família rural. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.1, n.1, junho 1986. BLOCH, M. La historia rural francesa. Barcelona: Editorial Crítica, 1978.

BARBOSA, M. W. Lavoro e tecnica nel Medioevo. Roma: Laterza, 1996.

BARBOSA, M. W. A terra e seus homens. Bauru: Edusc, 2001.

BRANDÃO, C. R. Plantar, colher, comer. Rio de Janeiro: Graal, 1981.

BRANDÃO, C. R. Saber de classe e educação popular. In: BRANDÃO, C. R. O ardil da ordem. Campinas: Papirus, 1986.

BRUSCHINI, M. C. Uma abordagem sociológica da família. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Campinas, v.6, n.1, jan.-jul. 1989.

BUARQUE DE HOLLANDA, S. Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1957.

BURKE, B. E. Hardin revisited: a critical look at perception and the logic of the commons. Human Ecology, v.29, n.4, 2001.

CALIXTO, J. S. A botica da natureza: coleta e processamento de plantas medicinais nas áreas de terras comuns do Alto Jequitinhonha. Lavras: Departamento de Ciências florestais/UFLA. Monografia de graduação, 2002.

CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito. 3.ed. São Paulo: Duas Cidades, 1975.

CARVALHO, H. M. Da aventura à esperança: a experiência auto-gestionária no uso comum da terra. Curitiba, 1984. (Mimeogr.)

CARVALHO FRANCO, M. S. Homens livres na ordem escravocrata.2.ed. São Paulo: Ática, 1974.

CASTRO, E.; PINTON, F. Faces do trópico úmido. Belém: CEJUP; UFPA/NAEA, 1997. CEMIG. EIA-RIMA da UHE de Irapé. Belo Horizonte, 1993. (Mimeogr.)

CORDELL, J. Marginalidade social e apropriação territorial marítima na Bahia.In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. C. C. Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: Nupaub/USP, 2001.

CUNHA, M. C.; ALMEIDA, M. W. Enciclopédia da floresta. S.Paulo: Cia. das Letras, 2002.

DIEGUES, A. C. Repensando e recriando as formas de apropriação comum dos espaços e recursos naturais. In: DIEGUES, A. C. Povos e mares: leituras em sócio-antropologia marítima. São Paulo: Nupaub/USP, 1995.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, 1996.

DURHAM, E. R. A família e a mulher. Cadernos CERU ,São Paulo, n.18, 1ª série, 1983.

EHLE, P. Fundo de pasto no semi-árido. Paulo Afonso: Fonte Viva, 1997.

FEATHERSTONE, M. Localismo, globalismo e identidade cultural. Sociedade e Estado, Revista semestral de sociologia, v.XI, n.1, jan./jun. 1996.

FERNANDES FILHO, J. F. Indústria rural no Brasil e no Nordeste: uma contribuição para o debate sobre desenvolvimento do espaço rural. Uberlândia: UFU, 2001. (Mimeogr.)

FREIRE, A. G. Águas do Jequitinhonha. Lavras, 2001. Dissertação (Mestrado) – UFLA.

FREYRE, G. Casa grande e senzala. 14.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969.

FURTADO, D. B. Posseiros e despossuídos. Belo Horizonte, 1985. Dissertação (Mestrado) – FAE, Universidade Federal de Minas Gerais.

GALIZONI, F. M. A terra construída. S. Paulo, 2000. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2000.

GALIZONI, F. M. Terra, ambiente e herança no alto Jequitinhonha. Revista de Economia e Sociologia Rural, v.40, n.3, jul./set. 2002.

GALIZONI, F. M. Águas da vida. Campinas, 2005. Tese (Doutorado) – IFCH, Universidade Estadual de Campinas.

GARCIA JÚNIOR, A. R. Terra de trabalho: trabalho familiar de pequenos produtores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GASPARI, P. Storia della società contadina in Friuli. Udine: Officine Grafiche Piffarerio, 1976.

GOMES, M. A. O.; SOUZA, A. V. A.; CARVALHO, R. S. Diagnóstico rápido participativo (DRP) como mitigador dos impactos socioeconômicos em empreendimentos agropecuários. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.21, n.202, jan./fev. 2000.

GOMÉZ-POMPA, A.; KAUS, A. Domesticando o mito da natureza selvagem. In: DIEGUES, A. C. (Org.) Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec, 2000.

GRAZIANO, E. A arte de viver na terra – As condições de reprodução camponesa no vale do Jequitinhonha. Iataguaí, 1986. Dissertação (Mestrado) – CPGDA/, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

GUIMARÃES, A. P. Quatro séculos de latifúndio. 4.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

HANNA, S.; FOLKE, K.; MÄLER, K.-G. Property rights and environmental resources. Property rights and the environment: social and ecological issues. Washington: The Beijer Internacional Institute of Ecological Economics, 1995.

HOBSBAWM, E. J.; RANGER, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984

KAUTSKY, K. A questão agrária. Porto: Portucalense, 1972.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LIMA, D. DE M. Equidade, desenvolvimento sustentável e preservação da biodiversidade: algumas questões sobre a parceria ecológica na Amazônia. In: CASTRO, E.; PINTON, F. (Org.) Faces do trópico úmido. Belém: CEJUP; UFPA/NAEA, 1997.

LINHARES, M. Y.; TEIXEIRA DA SILVA, F. C. História da agricultura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1981.

MARTINS, J. S. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1981.

MARTINS, J. S. A chegada do estranho. São Paulo: Hucitec, 1993.

MARTINS, J. S. Fronteira. São Paulo: Hucitec, 1997.

MARX, K. O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

MCKEAN, M. A.; OSTRON, E. Regimes de propriedade comum em florestas: somente uma relíquia do passado? In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. C. C. Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: Nupaub/USP, 2001.

MORAN, E. F. Adaptabilidade humana. São Paulo: Edusp, 1994.

MOURA, M. M. Os herdeiros da terra. São Paulo: Hucitec, 1978.

MOURA, M. M. Os deserdados da terra. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1988.

NORONHA, A. G. B. O tempo de ser, fazer e viver: modo de vida das populações rurais do alto Jequitinhonha. Lavras, 2003. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

O’DWYER, E.C. Terra de quilombo. Rio de Janeiro: ABA, 1995.

OLIVEIRA, E. R. de A marvada pinga: trajetória histórica da produção de aguardente em Salinas, MG. Lavras, 2000. Dissertação (Mestrado) – PPGA/UFLA.

OSTROM, E. Governing the commons. New York: Cambridge University Press, 1990.

OSTROM, E. Private and common property rights. 2000. Disponível em www.indiana.edu/~iascp/information.html. Acessado em 26082003.

POSEY, D. A. Interpretando e utilizando a “realidade” dos conceitos indígenas: o que é preciso aprender dos nativos? In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. C. C. Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: Nupaub/USP, 2001.

POSEY, D. A. Manejo de florestas secundárias. In: RIBEIRO, B. Suma etnológica brasileira. 2.ed. Petrópolis: Vozes/Finep, 1987. v.1: Etnobiologia.

POZZO, O. V. C. Regimes de propriedade e recursos naturais: a tragédia da privatização dos recursos comuns no norte de Minas Gerais. Rio de Janeiro, 2002. Tese (Doutorado) – PPGDA, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

QUEIROZ, M. V. Messianismo e conflito social. 2.ed. São Paulo: Ática, 1977.

REIS, T. A. Levantamento etnobotânico numa comunidade do alto Jequitinhonha. Lavras: Departamento de Ciências Florestais/UFLA. Monografia de graduação, 2000.

RIBEIRO, E. M. Lembranças da Terra: histórias do Mucuri e Jequitinhonha. Contagem: Cedefes, 1996.

RIBEIRO, E. M. As fronteiras da mata. Cadernos do CEAS, Salvador, 1997.

RIBEIRO, E. M.; GALIZONI, F. M. Sistemas agrários e reprodução familiar: o caso dos lavradores do alto Jequitinhonha, Minas Gerais. In: GAMA, H.; COSTA, H. População e meio ambiente. São Paulo: Senac, 2000.

RIBEIRO, E. M.; SIMÃO, A. A. Migrações no nordeste mineiro na primeira metade do século XX: deslocamentos populacionais no Jequitinhonha e Mucuri.In: V CONGRESSO DE CIÊNCIA HUMANAS, LETRAS E ARTES. Ouro Preto, 2001.

RIBEIRO, E. M.; GALIZONI, F. M. Água, população rural e políticas de gestão: o caso do vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. Ambiente e Sociedade, Campinas, v.1, jan./jul. 2003.

RUNGE, C. F. Common property and collective action in economic development. In: Common property resource manegement. Washington: National Academy Press, 1986.

SABOURIN, E.; MARINOZI, G. Recomposição da agricultura familiar e coordenação dos produtores para gestão de bens comuns no nordeste.Política e Trabalho,17, set. 2001.

SAINT-HILAIRE, A. DE. Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte; São Paulo: Itatiaia; Edusp, 1975.

SANTOS FILHO, L. Uma comunidade rural no Brasil antigo.São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1957.

SANTOS, G. R. Dos. (Org) Trabalho, cultura e sociedade no Norte/Nordeste de Minas Gerais. Montes Claros: Best Comunicação e Marketing, 1997.

SILVA, M. A. M. Quando as adorinhas são forçadas a voar. São Paulo: CEM, 1988.

SILVEIRA, A. A. DA.Memórias corográficas.Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1922. 2v.

SLICHER VAN BATH, B. História agrária da Europa Ocidental.Lisboa: Presença, 1984.

SOARES, L. E. Campesinato: ideologia e política. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

STRALLEN, C. J. VAN. A capitalização do campo e as políticas de saúde. Belo Horizonte, 1980. (Mimeogr.)

TETTEROO, F. S. (ofm) Memória histórica e geográfica do município de Jequitinhonha. Teófilo Otoni: Tipografia São Francisco, 1919.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

TRAWICK, P. B. Successfully governig the commons: principles of social organization in an andean irrigation system. Human Ecology, v.29, n.1, 2001.

WOLF, E. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

WOORTMANN, E. F. O sítio camponês. Anuário Antropológico/81. Rio de Janeiro; Fortaleza: Tempo Brasileiro; Edições UFC, 1983.

WOORTMANN, E. F Da complementariedade à dependência: espaço, tempo e gênero em comunidades ‘pesqueiras’ do Nordeste. Revista Brasileira de Ciências Sociais, ano 7, n.18, fev. 1992.

WOORTMANN, E. F.; WOORTMANN, K. O trabalho da terra. Brasília: Editora UnB, 1997.

YU, C. M. Sistema faxinal: uma forma de organização camponesa em desagregação no Centro-Sul do Paraná. Londrina: Iapar, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2005v7n2p77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia