Planejamento territorial e projeto nacional: os desafios da fragmentação

Carlos B. Vainer

Resumo


A história recente do planejamento territorial no Brasil poderia ser narrada como uma trajetória continuada, embora não linear, de desconstituição – política, intelectual e institucional. Este processo é resultado e fator de aceleração do processo de fragmentação territorial que desafia todos os que se preocupam com a necessidade de um projeto nacional digno desta abrangência. O presente trabalho busca identificar e analisar os principais vetores do processo de fragmentação, a saber: grandes projetos de investimento (GPIs), neo-localismo competitivo e o velho regionalismo, com suas redes de clientela-patronagem. Em seguida, são examinados rapidamente os referentes teórico-conceituais dos GPIs e, em particular, do neo-localismo competitivo, que constitui hoje a principal receita distribuída aos países periféricos e dependentes por agências multilaterais e consultores internacionais. Ao final, busca-se explorar em que medida estariam emergindo no processo social contemporâneo tendências e forças capazes de neutralizarem os vetores da fragmentação e conduzirem um projeto nacional, no qual, necessariamente, o planejamento territorial deverá ocupar lugar central.

 


Palavras-chave


projeto nacional; planejamento territorial; neo-localismo; grandes projetos de investimento.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ARAÚJO, T. B. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan, 2000.

ASWORTH, G. J.; VOOGD, H. Selling the city: marketing approaches in public sector urban planning. London/New York: Belhaven Press, 1990.

BIELSCHOWSKI, R. A. “Cinquenta Anos de Pensamento na CEPAL”. In: BIELSCHOWSKI, R. A. (Ed.). Cinqüenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000, v.1, p.13-68.

BORJA, J.; CASTELLS, M. Local y global: la gestión de las ciudades en la era de la información. Madrid: United Nations for Human Settlements/Taurus, 1997.

BOUDEVILLE, J. Espaços econômicos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1973.

BOUINOT, J.; BERMILS, B. La gestion stratégique des villes. Entre compétition et coopération. Paris: Armand Collin, 1995.

BOURDIEU, P.; WACQUANT, L. “Sobre as artimanhas da razão imperialista”. In: Estudos Afro-asiáticos. Rio de Janeiro, v.24, n.1, p. 15-33, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-546x2002000100002

BRANDÃO, C. A. Localismos, mitologias e banalizações na discussão do processo de desenvolvimento. Campinas, SP, 2005, mimeografo.

BROWNE, G. O Banco Mundial e a reforma das instituições públicas municipais no Brasil: o Projeto de Desenvolvimento Urbano–PRODUR, BA. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2006 (versão preliminar de tese de doutorado).

CARVALHO, O. Desenvolvimento regional: um problema político. Confronto de duas experiências. Rio de Janeiro: Campus, 1979.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura: A Sociedade em rede. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001, 3 vols.

CASTELLS, M. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

CASTELLS, M. The world has changed: can planning change? Austin, Texas: ACSP Annual Meeting, 1990, mimeo (Keynote Speech).

CPDOC. “Novas interventorias e departamentos administrativos”. In: OLIVEIRA, L. L. (Coord). “A Era Vargas – 1º tempo – dos anos 20 a 1945”. CPDOC, 1996. Disponivel em http://www. cpdoc.fgv.br/nav_historia/htm/anos37-45/ev_poladm_ interventorias.htm

DINIZ, C. C. A dinâmica regional recente de economia brasileira e suas perspectivas. Brasília: IPEA, 1995.

EGLER, C. A. G. Crise e questão regional no Brasil. Campinas: Unicamp, 1993.

GTDN/GRUPO DE TRABALHO PARA O DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE. Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1959.

GUIMARÃES NETO, L.. Introdução à formação econômica do Nordeste: da articulação comercial à integração produtiva. Recife: Massangana, 1989.

HARDT, M.; NEGRI, A. I. Império. Rio de Janeiro: Editora Record, 2001.

LACORTE, A. C. Gestão de recursos hídricos e planejamento territorial :as experiências brasileiras no gerenciamento de bacias hidrográficas. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 1994.

LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. Rio de Janeiro: Alfa-Ômega, 1975.

LIMA JUNIOR, P. N. Planejamento Estratégico: deslocamentos espaciais e atribuições de sentido na teoria do planejamento urbano. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2003.

LOPES, L. Memórias do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Centro de Memória da Eletricidade, 1991.

MINTZBERG, H. The rise and the fall of strategic planning. Toronto: The Free Press, 1994.

MOLOTCH, H., “The City as a Growth Machine”. Disponível em: http://nw-ar.com/face/molotch. html Acesso em 30/05/2006 .

MYRDAL, G. Teoria Econômica e Regiões Subdesenvolvidas. Rio de Janeiro: ISEB, 1960.

OHMAE, K. Fim do Estado-Nação: a ascensão das economias regionais. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

OLIVEIRA, F. Elegia para uma re(li)gião: SUDENE, nordeste, planejamento e conflitos de classes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

PORTER, M. E. “The competitive advantage of the inner city”. In: HarvardBusiness Review, n.3, May-June/95, p.55-71.

PORTER, M. E. The competitive advantage of nations. New York/London: The Free Press, 1990.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. I Plano Nacional de Desenvolvimento (I PND) – 1972-1974: Diário Oficial, 17/12/1971.

PORTER, M. E. Metas e bases para a ação do Governo. Departamento de Imprensa Nacional, 1970

SCHWARZ, R. As Ideias Fora do Lugar. In: SCHWARZ, R. Ao Vencedor as batatas. Forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1981, p.13-28.

SWYNGEDOUW, E. “Neither global nor local: ‘glocalization’ and the politics of scale”. In: KEWIN, R. C. (Ed.) Spaces of globalization: reasserting the power of the local.New York / London: The Guilford Press, 1997 (p.137-66).

TORRES, H. da G. Indústrias sujas e intensivas em recursos naturais: importância crescente no cenário industrial brasileiro. In: MARTINE, G. (Org) População, meio ambiente e desenvolvimento: verdades e contradições. Campinas: Editora da Unicamp, 1993, p.4367.

VAINER, C. B. “A violência como fator migratório: Silêncios teóricos e evidências históricas”. Travessia – A Revista do Migrante; Ano IX; n.25; maio/agosto 1996, p.5-9.

VAINER, C. B. Impactos sociais e ambientais de barragens: quem deve pagar a conta? Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ. 2005, mimeografo.

VAINER, C. B. “Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano”. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2002, 3a edição.

VAINER, C. B.; ARAÚJO, F. Grandes projetos hidrelétricos e desenvolvimento regional. Rio de Janeiro: CEDI, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2007v9n1p9

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia