Amazônia: disputas materiais e simbólicas

Suyá Quintslr

Resumo


O estágio atual de degradação da Amazônia fez emergir, em âmbito internacional, um debate sobre seu futuro e sobre as ações que contribuem para a destruição ou para a conservação da floresta. Diversos grupos travam uma luta simbólica neste debate, através da qual buscam legitimação para seus projetos e para suas formas de utilização dos recursos. Neste trabalho, buscou-se construir um quadro analítico em que fossem contempladas as diversas matrizes discursivas empregadas na discussão acerca dos rumos da Amazônia brasileira, levando em consideração as propostas de diferentes atores e elaborações teóricas sobre os conceitos de desenvolvimento, preservação e sustentabilidade. Foram identificadas, desta forma, quatro matrizes discursivas: o discurso desenvolvimentista, o discurso da mercantilização da natureza, o discurso preservacionista e o discurso socioambiental.

 


Palavras-chave


Amazônia; sustentabilidade; conflito ambiental; políticas públicas.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ACSELRAD, H. Meio Ambiente e Justiça – estratégias argumentativas e ação coletiva. Disponível em: http://209.85.215.104/search?q=cache:a1L3Kwudrb8J:homologa.ambiente.sp.gov.br/EA/adm/admarqs/henriacselrad.pdf+meio+ambiente+e+justi%C3%A7a+estrat%C3%A9gias+argumentativas+e+a%C3%A7%C3%A3o+coletiva&hl=pt-PT&ct=clnk&cd=1&gl=br. s/d.

ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Fundação Henrich Boll, 2004. pp. 13-35.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. O Método nas Ciências Sociais. In ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O Método nas Ciências Naturais e Sociais. São Paulo: Pioneira, 2004.

BECKER, B. K, 2001. Revisão das Políticas de ocupação da Amazônia: é possível identificar modelos para projetar cenários? Estudos Avançados, 12, pp. 135-59.

BECKER, B. K, 2005. Geopolítica da Amazônia. Estudos Avançados, 19 (53), pp. 71-86.

BOURDIEU, P. Espaço Social e Espaço Simbólico. In: Razões Práticas: Sobre a Teoria da Ação. Tradução Mariza Corrêa. Campinas, SP: Papirus, 1996. pp. 13-33.

BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, J. C.; PASSERON, J. C. Ofício de Sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRESSER-PEREIRA, L. C., 2007. O Processo Histórico do Desenvolvimento Econômico. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/. Acesso em: 25/08/2007.

BRUYNE, P. de; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. de. Dinâmica da pesquisa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

CASTRO, E., 2005. Dinâmica socioeconômica e desmatamento na Amazônia. Novos Cadernos NAEA, v.8 (2), pp. 5-39.

COMPAGNON, D. “Administrar democraticamente a biodiversidade graças às ONGs?” In: A Ecologia Política das Grandes ONGs Transnacionais Conservacionistas. São Paulo. Ed. NUPAUB. 2008, pp.35-60.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo, Ed. Hucxitec. 1996. 160 p.

FEARNSIDE, P. M., 2008. Amazon Forest maintenance as a source of environmental services. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v.80 n.1, Rio de Janeiro, mar. 2008.

FERNANDEZ, F. A. dos S. O Poema Imperfeito – Crônicas de Biologia, Conservação da Natureza, e seus Heróis. Curitiba, Ed. da Universidade Federal do Paraná/ Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2000. 260 p.

GONÇALVES, C. W. P. Amazônia, Amazônias. 2a edição. São Paulo: Contexto, 2005. 178 p.

HARDIN, G., 1968. The Tragedy of the Commons. Science, 162, pp. 1243-48.

LEFF, E. Cálculo Econômico, Políticas Ambientais e Planejamento do Desenvolvimento: a difícil valorização do ambiente. In: Ecologia, Capital e Cultura: racionalidade ambiental, democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Edifurb, Blumenau, 2000.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. São Paulo (4ª ed.): Cortez, 2007.

MARTÍNEZ ALIER, J. De la economía ecológica al ecologismo popular. Barcelona. Icaria Editorial, 1994. 362 p.

MELLO, N. A. Políticas Territoriais na Amazônia. São Paulo: Annalumbre, 2006. 410 p.

NEPSTAD, D.; CAPOBIANCO, J. P.; BARROS, A. C.; CARVALHO, G.; MOUTINHO, P.; LOPES, U.; LEFEBVRE, P. Avança Brasil: Os Custos Ambientais para a Amazônia. Belém: Gráfica e editora Alves, 2000. 24p.

PORTILHO, F. A emergência internacional do discurso político sobre consumo e meio ambiente. In: Sustentabilidade Ambiental, Consumo e Cidadania. São Paulo: Cortez, 2005, pp. 39-65.

SOARES-FILHO, B. S.; NEPSTAD D. C.; CURRAN, L.; CERQUEIRA G. C.; GARCIA, R. A.; RAMOS C. A.; VOLL, E.; MACDONALD, A.; LEFEBVRE, P.; SCHLESINGER, P.; MCGRATH, D. 2005. Cenários de Desmatamento para a Amazônia. Estudos Avançados, 19 (54), pp. 137-52.

THOMAS, K. O Homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais: 1500-1800. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

VIANA, 2007. Bolsa-Floresta. Disponível em: http//vortexmidia.com.br/sds2008. Acesso em: outubro/2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2009v11n1p57

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia