Eixo Monumental de Brasília: a obsessão da integração

Brasilmar Ferreira Nunes

Resumo


Procuramos no presente texto fazer uma análise do impacto do novo museu e da biblioteca pública, construídos no Eixo Monumental de Brasília, que complementam parte da proposta original de Lucio Costa de um corredor cultural para atender algumas funções de cidade-capital. A análise é de cunho intraurbano, visto que procura captar as implicações destes novos artefatos na vida cotidiana dos moradores do Distrito Federal (DF) e no uso que se abre para uma subárea até então relativamente ociosa dentro do Plano Piloto. Nossa hipótese é de que a sua construção, na medida em que amplia e diversifica o seu uso, torna o espaço acessível a outros grupos sociais e produz alterações na apropriação do Plano Piloto pela população do DF como um todo, consolidando cada vez mais a cidade projetada. A nova acessibilidade ao espaço provocada pelos seus novos elementos constitutivos nos permitirá decodificar a dinâmica e o processo de apropriação deste território. Para tanto, faremos um estudo etnográfico a fim de percebera expansão da influência de outros grupos no espaço até então restrito do Eixo Monumental, num esforço de retomada crítica do conceito de segregação socioespacial.

 


Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


CATTEDRA, R.; MEMOLI, M. La réappropriation du patrimoine symbolique du centre historique de Naples. In: BIDOU-ZACHARIASEN, C. (org.). Retours em Ville. Paris: Descartes, 2003.

CORREIO BRAZILIENSE. Lucio Costa: o legado do humanista. 13.06.2008.

COSTA, L. Brasília revisitada. Diário Oficial do DF , 14.10.1987.

COSTA, L. Brasília: a cidade que inventei (Relatório do Plano Piloto de Brasília). Brasília: Codeplan/GDF, 1991.

COUTINHO, E. O espaço da arquitetura. Recife: UFPE, 1970.

FORQUET, F.; MURAND, L. Les équipements du pouvoir: villes, territoires et équipements collectifs. Paris: Union Générale d’Editions, 1973.

GIDDENS,A. Aestruturade classes das sociedades avançadas.Rio de Janeiro: Zahar,1976.

HOLANDA, F. O espaço de exceção. Brasília: EDUnB, 2002.

HOLANDA, F. Arquitetura sociológica. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v.9, n.1, Anpur, 2007.

HOLANDA, F . De vidro e concreto: relações espaço interno x espaço externo na arquitetura de Oscar Niemeyer. Brasília, 2007. (Mimeo.)

HOLSTON, J. A cidade modernista: uma crítica de Brasília e de suas utopias. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.

KOHLSDORF, M. E. A apreensão da forma da cidade. Brasília: EDUnB, 1996.

LEFEBVRE, H. Direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LYNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MARTORELLI, I. B. A visibilidade das exposições da FUNARTE em Brasília: o projeto Atos Visuais como exemplo. Brasília: CEAD, 2008.

MICOUD, A. L’écologie urbaine comme utopie contemporaine. Paris, Quaderni, n.43, 2001.

OSTROWETSKY, S. L’imaginaire bâtisseur: les villes nouvelles em France. Paris: Librairie dês Meridiens, 1983.

PANERAI, P. Análise urbana. Brasília: EDUnB, 2006.

SENNET, R. Les tyrannies de l´intimité. Paris: Ed. du Seuil, 1979.

SILVA, I. E. M. Brasília, a cidade do silêncio. Brasília, 2003. Tese (Doutorado) – Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília.

SILVEIRA, C. B. Projetos urbanos-culturais na cidade do Rio de Janeiro: experiências recentes nas áreas da Lapa e da Praça Tiradentes. In: JEUDY, H. P.; JACQUES, P. B. (org.). Corpos e cenários urbanos. Bahia: EDUFBA; PPG-AU/FAUFBA, 2006.

WIRTH, L. O urbanismo como modo de vida. In: VELHO, O. (org.) O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2009v11n2p139

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia