Preservação ambiental no contexto urbano: cidade e natureza na Ilha de Santa Catarina

Almir Francisco Reis

Resumo


A Ilha de Santa Catarina, onde se situa a maior parte do município de Florianópolis, no sul do Brasil, tem cerca de 42% de seu território enquadrado como Área de Preservação Permanente, índice extremamente elevado, talvez único no país. Estas áreas constituem barreiras ao processo de ocupação, caracterizando de modo marcante o tecido descontínuo da cidade, apesar da intensidade das transformações por que vêm passando, a partir do desenvolvimento urbano-turístico. O presente trabalho, tendo por base aportes colocados pelo paradigma ambiental e a busca por uma cidade articulada por uma rede de espaços livres públicos densa e carregada de urbanidade, faz uma leitura histórica desse processo. Analisa os impactos sobre ecossistemas costeiros e reflete sobre possibilidades e limitações das áreas de preservação ambiental no contexto urbano.

 


Palavras-chave


preservação ambiental; crescimento urbano-turístico; projeto urbano; Ilha de Santa Catarina; Florianópolis.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


CABRAL, O. R. Os Açorianos. Contribuição ao estudo do povoamento e evolução econômica e social de Santa Catarina. In: FONTES, H. S. (Org.) Anais do Primeiro Congresso de História Catarinense, volume II. Florianópolis: Imprensa Oficial, 1950.

CAMPOS, N. J. Terras Comunais na Ilha de Santa Catarina. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Cataria/Fundação Catarinense de Cultura Edições, 1991.

CARUSO, M. M. L. O Desmatamento da Ilha de Santa Catarina de 1500 aos Dias Atuais. Florianópolis: Editora da UFSC, 1990, 2ª edição.

IPUF. INSTITUTO DE PLANEJAMENTO URBANO DE FLORIANÓPOLIS. Plano Diretor dos Balneários e do Interior da Ilha de Santa Catarina. Florianópolis: IPUF/PMF, 1985.

CRUZ, O. A Ilha de Santa Catarina e o Continente Próximo. Um estudo de Geomorfologia Costeira. Florianópolis: Editora da UFSC, 1998.

HOUGH, M. Naturaleza y ciudad: planificacion urbana y processos ecológicos. Barcelona: G. Gili, 1998.

KLEIN, R. M.; COURA NETO, A. B. Mapeamento Temático do Município de Florianópolis. Florianópolis, Ministério da Fazenda/IBGE/PMF, 1991.

McHARG, I. L. Proyectar con la naturaleza. Barcelona: Gustavo Gili, 2000.

PIAZZA, W. F. A Epopeia Açórico-Madeirense (1747-1756). Florianópolis: Editora da UFSC/Lunardelli, 1992.

REIS, A. F. Permanências e Transformações no Espaço Costeiro: Formas e Processos de Crescimento Urbano-Turístico na Ilha de Santa Catarina. São Paulo, 2002. Tese de Doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – Universidade de São Paulo.

SOLA-MORALES, M. Las Formas de Crecimiento Urbano. Barcelona: Edicions UPC, 1993. SPIRN, A. W. O Jardim de granito: a natureza no desenho da cidade. São Paulo: EDUSP, 1995. VERA, J. F. et alli. Análisis territorial del turismo. Barcelona: Ariel, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2010v12n1p45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia