Desenhando territórios: a cartografia de Cândido Mendes e o “Nordeste” brasileiro do século XIX

George Alexandre Ferreira Dantas, Angela Lúcia Ferreira, Yuri Simonini

Resumo


Em meados do século XIX, a articulação sistematizada do território da nação brasileira foi formulada como ponto-chave para a estruturação da economia e da sociedade modernas. Esse intento ultrapassava as antigas demandas de controle geopolítico e encontrou nas estiagens prolongadas nas “províncias do norte” um sério problema. Falar de nova estrutura territorial pressupõe indagar: que conhecimentos e informações iconográficas sobre o território em reorganização tinham aqueles que adentraram no “Brasil desconhecido”? Discutir pertinências e limites do uso das fontes cartográficas como documentos que permitam compreender as ações sistematizadas sobre o território nordestino é o objetivo deste artigo. Para tanto, privilegiar-se-á o “Atlas do Império do Brazil”, organizado por Cândido Mendes de Almeida, em 1868, com ênfase nas províncias mais atingidas pelas secas: CE, RN, PE e PB. O Atlas é lido assim dentro da trama de relações da formação da cultura técnica moderna no Brasil e, mais especificamente, dos processos que levariam à definição da região Nordeste.

 


Palavras-chave


atlas; Cândido Mendes; cultura técnica; Império; reconfiguração territorial; Nordeste/Brasil.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ALMEIDA, C. M. Atlas do Império do Brazil: comprehendendo as respectivas divisões administrativas, ecclesiasticas, eleitoraes e judiciárias. Dedicado a sua Magestade o Imperador Senhor D. Pedro II, destinado a Instrucção Publica no Império com especialidade a dos alumnos do Imperial Collegio de Pedro II. Rio de Janeiro: Typographia do Instituto Philomatico, 1868.

ARCHELA, R. S. Evolução Histórica da Cartografia no Brasil: instituições, formação profissional e técnicas cartográficas. Revista Brasileira de Cartografia, n.59, v.3, p.213-23, dez. 2007. Disponível em: http://www.rbc.ufrj.br/_2007/59_3_02.htm . Acesso em: 19 dez. 2010.

AVELAR JR., O. V. Política de combate a seca no Nordeste: uma ideologia para o planejamento regional. Tese, 1994 (Doutoramento em História) – São Paulo, FFLCH/USP, 1994.

BORGES, M. E. L. “Atlas Histórico: com eles também se escrevem a memória nacional”. In: DUTRA, E. F.; MOLLIER, J.Y. Política, Nação e edição: o lugar dos impressos na construção da vida pública. São Paulo: Annablume, 2007.

CARVALHO, J. M. A construção da Ordem: a elite política imperial. Brasília: Universidade de Brasília, 1981.

DELSON, R. M. Novas vilas para o Brasil-Colônia: planejamento espacial e social no século XVIII. Brasília: Alvi-Ciord, 1997. [ed. orig. 1979]

DIAS, M. O. L. S. “A interiorização da metrópole [1972]”. In: DIAS, M. O. L. S. A interiorização da metrópole e outros estudos. 2 ed. São Paulo: Alameda, 2009, p.7-37.

FERREIRA, A. L; DANTAS, G. A. F.; FARIAS, H. T. M. Pensar e agir sobre o território das secas: Planejamento e cultura técnica no Brasil (1870-1920). Vivência, Natal, v. 34, p. 41-62, 2008.

FERREIRA, A. L; DANTAS, G. A. F.; FARIAS, H. T. M. Adentrando Sertões: considerações sobre a delimitação do território das secas. Scripta Nova: Revista Electrónica De Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v. 10, p. 1-15, 2006. Disponível em http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-218-62.htm .

HARDMAN, F. F. A vingança da Hileia: Euclides da Cunha, a Amazônia e a literatura moderna. São Paulo: Unesp, 2009.

HARLEY, B. Mapas, saber e poder. Confins, n.5, p.1-24, 24 abr. 2009. Disponível em: http://confins.revues.org/5724 . Acesso em: 20 dez. 2010.

VARGAS, H. M.; LOIS, C. Viejos temas, nuevas preguntas: la agenda de la historia de la cartografía iberoamericana hoy. In: VARGAS, H. M.; LOIS, C. (Coord.). Historias de la cartografia iberoamericana: nuevos caminos, viejos problemas. Cidade do México: UNAM, 2009.

MATTOS, S. R. Para formar os brasileiros. O Compêndio da História do Brasil de Abreu e Lima e a expansão para dentro do Império do Brasil. Tese, 2007 (Programa de Pós Graduação em História Social) – São Paulo, FFLCH/USP, 2007.

MORAES, A. R. O Sertão: Um ‘Outro’ Geográfico. Terra Brasilis, Rio de Janeiro-RJ, ano III-IV, n. 4-5, p.11-23, 2003.

MORAES, A. R. Território e História no Brasil. São Paulo: Annablume, 2005.

PECHMAN, R. M. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

REIS, N. G. Contribuição ao estudo da evolução urbana do Brasil (1500/1720). 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Pini, 2000 [orig. 1968].

SÜSSEKIND, F. O Brasil não é longe daqui: o narrador, a viagem. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

TEIXEIRA NETO, A. Cartografia, território e poder: dimensão técnica e política na utilização dos mapas. Boletim Goiano de Geografia, Goiana, n.2, v.26, p.49-69, jul./ dez.2006. Disponível em:

http://www.revistas.ufg.br/index.php/bgg/article/viewArticle/4141 . Acesso em 20 dez. 2010.

ZOTTI, S. A. O ensino secundário no Império Brasileiro: considerações sobre a função social e o currículo do colégio D. Pedro II. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.18, p. 29-44, jun. 2005. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/revis/ revis18/art04_18.pdf . Acesso em 3 jan. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2011v13n2p87

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia