Construção social e tecnologias civis (1964 -1986): contribuição para um debate sobre política habitacional no Brasil

Ana Paula Koury

Resumo


O debate sobre habitação que precedeu a criação do Banco Nacional de Habitação (BNH) resultou das propostas inovadoras apresentadas no Seminário de Habitação e Reforma Urbana (1963). O Banco, criado após o golpe de 1964, adota uma política conservadora que não atinge as classes de menor renda e contribui para a expansão urbana periférica de baixa densidade, sem os equipamentos necessários ao desenvolvimento de novos setores residenciais. A crítica ao modelo adotado foi responsável pela elaboração de novas diretrizes da política habitacional, a partir da Constituição de 1988. Por outro lado, as propostas de produção das unidades habitacionais, utilizando tecnologias civis e apresentadas num momento de esperança de sucesso da política habitacional, constituem um conjunto de experiências que não tiveram êxito naquela época e que podem adquirir outro significado no atual cenário de desenvolvimento.

 


Palavras-chave


política habitacional no Brasil; organização social; sistemas construtivos; inovações na construção; reforma urbana; Banco Nacional de Habitação.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ANDRADE, E. S. J.; SILVA, M. L. P. Aspectos históricos da política habitacional no Brasil: A atualidade dos relatórios do grupo de trabalho para a reformulação do SFH (GTR-SFH) e do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), 1986. XI Seminário de História da Cidade e do Urbanismo VITÓRIA, 2010. Anais... Vitória: UFES, out. 2010.

BOLAFFI, G. A casa das ilusões perdidas: aspectos socioeconômicos do plano nacional de habitação. Cadernos Cebrap, n. 27, 1977.

BONDUKI, N. Habitação e autogestão: construindo territórios da utopia. São Paulo: Fase, 1992.

BRITTO, A.; GUIMARÃES, A. P.; SERRAN, J. R. Habitação popular: inventário da ação governamental. São Paulo: FINEP, Projeto, 1985.

CERÁVOLO, A. L.; Paulo de Camargo e Almeida: arquitetura total na trajetória de um arquiteto brasileiro. Dissertação (Mestrado). Escola de Engenharia, Universidade de São Paulo. São Carlos, 2000.

FERRO, S. Arquitetura nova. Teoria e prática, São Paulo, USP, n. 1, 1967.

FERRO, S. O canteiro e o desenho. São Paulo: Projeto Editores Associados, 1979.

FRAPIER, C. Conceiving the Industrialization of Construction in France in the 1950s. In: CARVAIS, R. et al. Nuts & Bolts of Construction History. Paris: Picard, 2012. p. 337- 343, v. 2.

HALL, P. Cidades do amanhã. São Paulo: Perspectiva, 2007.

IAB. Pré-fabricação. Arquitetura, Rio de Janeiro, IAB, n. 40, out. 1965.

KOWARICK, L. Espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LATORRACA, G. (org.) João Filgueiras Lima, Lelé. São Paulo: Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi. Lisboa: Editorial Blau, 1999.

LEFÈVRE, R. Um acampamento de obra: uma utopia. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1981.

LOPES, J. M. O anão caolho. Novos estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 76, Nov. 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002006000300011

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Plano Nacional de Habitação. Versão para debates. Brasília: Ministério das Cidades/ Secretaria Nacional de Habitação. Primeira impressão: maio 2010.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003. (1ª ed. 1972)

OLIVEIRA, F. O vício da virtude: autoconstrução e acumulação capitalista no Brasil. Novos estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 74, Mar. 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002006000100005.

SERRAN, J. R. O IAB e a política habitacional brasileira (1954-1975). São Paulo: Schema, 1976.

SHrU. SHrU. Arquitetura. Rio de Janeiro: IAB, n. 15, set.1963.

VALLADARES, L. P. (org.). Repensando a habitação no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

VASCONCELOS, A. C. O concreto no Brasil: pré-fabricação, monumentos, fundações. São Paulo: Studio Nobel, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2013v15n1p167

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia