Grandes projetos, grandes eventos, turistificação do território: da produção cultural à mercantilização e espetacularização da cidade e da cultura urbana

Milton Esteves Junior, Orlando Vinicius Rangel Nunes, Rafael de Melo Passos

Resumo


Este artigo critica o planejamento urbano e a produção do território fundados no incentivo aos processos de espetacularização, patrimonialização, cenarização e museificação do território, que costumam destituir os Valores do patrimônio do circuito da vida pública ao valorizarem os bens patrimoniais e as atividades culturais por matizes e objetivos exclusivamente econômicos. Além disso, o city marketing elege e cristaliza os ícones territoriais, banalizando-os através de propagandas massivas. Esses fatores se verificam por meio de diversas consequências, como a redução das relações afetivas entre habitantes e seus entornos e o esvaziamento dos valores simbólicos e afetivos dos lugares. Trata-se de atacar os grandes projetos, os grandes eventos e o turismo predatório, atrelados à hegemonia do capital econômico, e de defender o potencial do ambiente no desempenho de papéis fundamentais à participação social efetiva na produção, na manutenção e no desfrute dos benefícios do patrimônio, do território e de suas territorialidades.

 


Palavras-chave


patrimônio; ícones territoriais; city marketing; urbanismo; turismo predatório; topofilia.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ADORNO, T. W. Indústria cultural e sociedade. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARANTES, O. Urbanismo em fim de linha e outros estudos sobre o colapso da modernização arquitetônica. 2. ed. rev. São Paulo: EDUSP, 2001.

BARRETO, M. Turismo e legado cultural: as possibilidades do planejamento. Campinas: Papirus, 2000.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

BULLETIN IS. In: Internationale Situationniste – 1958-1969. Amsterdã: Van Gennep, 1970.

CALDEIRA, T. P. R. Enclaves fortificados: uma nova segregação urbana. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 47, p. 155-176, mar. 1997.

CHOAY, F. A alegoria do património. Lisboa: Edições 70, 2008.

CRUZ, R. C. A. “Patrimonialização do patrimônio”: ensaio sobre a relação entre turismo, “patrimônio cultural” e produção do espaço. GEOUSP - espaço e tempo, São Paulo, n. 31, p. 95-104, 2012. Disponível em: < http://citrus.uspnet.usp.br/geousp/ojs-2.2.4/index.php/geousp/article/viewFile/537/281 >. Acesso em: 10 mar. 2014.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. 1. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. 5 v.

ESTEVES JR., M. Movemo-nos à deriva e somos devorados pelo espetáculo: revisando o olhar marginal e as propostas situacionistas sobre sociedade, arte e cidade. 1997. Tese (Doutorado em História da Arquitetura e História da Cidade) – Universitat Politècnica de Catalunya, Barcelona, 1997.

ESTEVES JR., M. Da realidade do planejamento fragmentista à utopia do Urbanismo Unitário: o medo e o cuidado dos urbanistas na hora da projetação urbana. In: ESTEVES JR., M.; MONTOYA U. U. (Org.). Panoramas urbanos: reflexões sobre a cidade. Salvador: EDUFBA, 2003, p. 21-40.

FERNANDES, A. Cidades e cultura: rompimento e promessa. In: JEUDY, H. P.; JACQUES, P. B (Org.). Corpos e cenários urbanos: territórios urbanos e politicas culturais. Salvador: EDUFBA; PPG-AU/FAUFBA, 2006. p. 51-64.

FOUCAULT, M. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Ed. Unesp, 1990.

GUATTARI, F. As três ecologias. 17.. ed. Campinas: Papirus, 2006.

JACQUES, P. B. Patrimônio cultural urbano: espetáculo contemporâneo? RUA, Salvador, v. 6, n. 1, p. 32-39, 2003.

JAMESON, F. Globalização e estratégia política. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 61, p. 3-19, nov. 2001.

JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2007.

JEUDY, H. P. Introduction. In: JEUDY, H. P. (Org.). Patrimoines en folie. Paris: Maison des Sciences de l’Homme, 1990. p. 1-10.

JEUDY, H. P. Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.

MENESES, U. T. B. Os “usos culturais” da cultura: contribuição para uma abordagem crítica das práticas e políticas culturais. In: YÁZIGI, E.; CARLOS, A. F. A.; CRUZ, R. C. A. Turismo, espaço, paisagem e cultura. São Paulo: Hucitec, 1996, p. 88-99.

MUSEIFICAÇÃO dos centros urbanos: debate com Manuel Delgado e Raquel Rolnik. Produção de Universidade de São Paulo. São Paulo: IPTV, 2008. Disponível em: < http://iptv.usp.br/portal/skins/default/imgsIPTV/video.action;jsessionid=8A7C22B5445C992D7EC5D385D15C0972?idItem=2627 >. Acesso em: 10 mar. 2014.

PEIXOTO, P. Os meios rurais e a descoberta do património. 1998. Comunicação apresentada na atividade “conversas à volta das estrelas”, campo europeu do património, Souto Bom, Tondela. Disponível em: < http://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/ficheiros/

pdf >. Acesso em: 10 mar. 2014.

RIEGL, A. El culto moderno a los monumentos. Madrid: Visor, 1987.

TUAN, Y. F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Diefel, 1980.

UNESCO. Convenção para a proteção do patrimônio mundial, cultural e natural. Paris: UNESCO, 1972. Disponível em: < http://whc.unesco.org/archive/convention-pt.pdf >. Acesso em: 10 mar. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2014v16n1p125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia