Polos e áreas de influência: uma proposta de regionalização econômica para o estado do Paraná

Daiane Marani Gotardo, Jefferson Andronio Ramundo Staduto

Resumo


As diferenças entre as regiões paranaenses levam à produção de vários estudos regionais. Tais estudos geralmente são realizados considerando a divisão do espaço estabelecida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a qual baseia-se em aspectos sociais, naturais e de articulação espacial. O presente estudo propõe uma regionalização em termos estritamente econômicos para o Paraná, que permita a coerência das análises, ações, medidas e usos dos instrumentos de política econômica sugeridos pelos planejadores regionais, bem como para uso nas estratégias empresarias. Essa regionalização é dimensionada a partir da identificação de polos econômicos e as áreas por eles polarizadas, e é operacionalizada pelo Modelo Gravitacional. Como resultado, pode-se delimitar regiões econômicas para o Paraná, com contornos e características diferentes das regiões estabelecidas pelo IBGE.


Palavras-chave


economia regional; regionalização econômica; mesopolos; polarização.

Texto completo:

PDF

Referências


AGARWAL, S.; HAUSWALD, R. Distance and Private Information in Lending. The Review of Financial Studies, v. 00, n.0, 2010.

BANDEIRA, P. S. A “região Sul” e as estratégias estaduais de desenvolvimento. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n. 82, p. 17-28, maio/ago., 1994.

BENKO, G. L. A ciência regional. Bahia-Blanca: Universidad Nacional del Sur, 1999.

BOUDEVILLE, J. R. Aménagement du territoire et polarisation. Revue économique, 1974, vol. 25, n° 2, pp. 321-323.

CAPELLO, R. Regional economics in its 1950s: recent theoretical directions and future challenges. The Annals of Regional Science, vol. 42, n 04, p.747-767, 2008.

CAVALCANTE, L. R. M. T. Produção teórica em economia regional: uma proposta de sistematização. Revista brasileira de estudos regionais e urbanos. Agosto, 2007.

CLEMENTE, A. Economia regional e urbana. São Paulo: Atlas, 1994.

CROCCO, M. A. et al. Metodologia de identificação de aglomerações produtivas locais. Nova Economia, v. 16, n. 2, p. 211-241, 2006.

DINIZ, A. M. A.; BATELLA, W. B. O Estado de Minas Gerais e suas regiões: um resgate histórico das principais propostas oficiais de regionalização. Revista Sociedade & Natureza, v. 17, n. 33, 2006.

DUARTE, A. C. O conceito de totalidade aplicado à identificação de uma região. Revista Brasileira de Geografia, v. 50, n. 2, p. 99-106, 1988.

DUBEY, V. The definition of regional economics. Tradução Rosamaria Roedel dos Santos. Journal of Regional Science, 5 (2): 25-9, 1964.

FERREIRA, C. M. de C. Métodos de regionalização. In: HADDAD, P. R. (Org.). Economia Regional: teorias e métodos de análise. Fortaleza, ETENE, 1989a.

_______. Espaço, regiões e economia regional. In: HADDAD, P. R. (Org.). Economia Regional: teorias e métodos de análise. Fortaleza, ETENE, 1989b.

GARCIA, R. A. A Regionalização Econômico-Demográfica dos Polos Econômicos Brasileiros. Anais: Encontros Nacionais da ANPUR, v. 12, 2007.

GOOGLE MAPS. Matriz de distâncias do Google. Disponível em: < https://developers.google.com/maps/documentation/distancematrix/#Introduction>. Acesso em: 26 de Dez. de 2014.

HADDAD, P. R. (org.). Economia regional: teoria e métodos de análise. Fortaleza: BNB/ETENE, 1989.

HENDERSON, J. V.; KUNCORO, A.; TURNER, M. Industrial development in cities. The Journal of Political Economy, v. 103, n. 5, p. 1067-1090, 1995.

HILHORST, J. G. M. Planejamento Regional: enfoque sobre sistemas. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

HIRSCHMAN, A. O. Interregional and International transmission of economic growth. In: The strategy of economic development. New Haven, Yala University Press, 1958, p.183-201.

HOFFMANN, R. Estatística para economistas. 4 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

HOOVER, E. M.; FISHER, J. L. Estudo sobre crescimento econômico regional. In: SCHWARTZMAN, J. (Org.). Economia Regional: textos escolhidos. Belo Horizonte: Cedeplar, 1977.

IBGE. Divisão Regional do Brasil em mesorregiões e Microrregiões Geográficas. Volume 1. Rio de Janeiro: IBGE, 1990.

_______. Regiões de Influência das Cidades 2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

IPARDES. Leituras paranaenses: mesorregiões geográficas paranaenses. Curitiba: IPARDES, 2004.

_______. Os vários Paranás: identificação de espacialidades socioeconômicas-institucionais como subsídio a políticas de desenvolvimento regional. Curitiba: IPARDES, 2006.

_______. Perfil avançado dos municípios. Disponível em: . Acesso em: 02 de junho de 2015.

IPEA/IBGE/NESUR (IE-UNICAMP). Caracterização e tendência da rede urbana do Brasil. Volumes 3. Campinas: UNICAMP, 2000.

ISARD, W. Methods of Regional Analysis: an Introduction to Regional Science. Massachusetts: MIT, 1962.

LEMOS, Maurício B. Duas técnicas de análise regional elaboradas a partir de categorias espaciais: a regionalização e o método estrutural-diferencial. Tese de Professor Titular, Departamento de Ciências Econômicas. Belo Horizonte: UFMG, 1991.

LEMOS, M. B. O problema da regionalização, dificuldades teóricas e uma metodologia alternativa. In: LEVINAS, C; CARLEIAL, L. Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil. São Paulo: Anpur/Hucitec, 1993.

LEMOS, M. B.; DINIZ, C. C.; GUERRA, L. P. Polos econômicos do Nordeste e suas áreas de influência: uma aplicação do Modelo Gravitacional utilizando Sistema de Informações Geográficas (SIG). Revista Econômica do Nordeste, v. 30, p. 568-584, 1999.

LEMOS, M. B.; DINIZ, C. C.; GUERRA, L. P. A nova configuração regional brasileira e sua geografia econômica. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 33, n. 4, p. 665-700, 2003.

LIMA, M. H. P. et al. Divisão territorial brasileira. IBGE, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 de nov. de 2015.

LOPES, A. S. Desenvolvimento regional: problemática, teoria, modelos. 3 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.

PAELINCK, J. A teoria do desenvolvimento regional polarizado. In: SCHWARTZMAN, J. (Org.). Economia Regional: textos escolhidos. Belo Horizonte: Cedeplar, 1977.

RAIHER, A. P.; FERRERA DE LIMA, J. Potencial de atração e desigualdades: um perfil da polarização e da periferização da economia regional paranaense. In: RAIHER, A. P. (Org.). Economia paranaense: crescimento e desigualdades regionais. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2012.

RICHARDSON, H. W. Economia Regional: Teoria da localização, estrutura urbana e crescimento regional. 2 ed. São Paulo: Zahar editores, 1981.

SUZIGAN, W. et al. Clusters ou sistemas locais de produção: mapeamento, tipologia sugestões de políticas. Revista de Economia Política. São Paulo, v. 24, n. 4, p. 543-562, 2004.

SWEENEY, D. J.; WILLIAMS, T. A.; ANDERSON, D. R. Estatística aplicada à administração e economia. 3 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

SIMÕES, R.; AMARAL, P. V. Interiorização e novas centralidades urbanas: uma visão prospectiva para o Brasil. Economia, v. 12, n. 3, p. 553-579, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2017v19n1p106

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia