Geographical proximity and technological intensity in manufacturing: evidence from the periphery of the São Paulo-Brasília axis at the beginning of the 21st century | Proximidade geográfica e intensidade tecnológica na indústria: evidências da periferia do eixo São Paulo-Brasília no início do século XXI

Fernando Campos Mesquita, Daniel Pereira Sampaio

Resumo


This article analyzes manufacturing dynamics along the periphery of the São Paulo-Brasília axis from a perspective that studies the extent to which technological intensity has been influenced by being distant from the core. The aim is to investigate geographical proximity as a limiting factor in the ongoing process of manufacturing deconcentration in Brazil. To measure this phenomenon, the São Paulo-Brasília axis was divided into three peripheral regions: nearby, middle and distant. Subsequently, data related to the industrial workforce, the level of average real salaries, and qualifications of the workforce were used to analyze each of the subdivisions during 2002, 2008, 2014. Results demonstrate that even within a context of investments in transport infrastructure and new possibilities created by advances in communication technologies, the heterogeneities of manufacturing became more intense. The regions geographically closer to the Metropolitan Region of São Paulo demonstrate a higher technological qualification of its industrial structure, while those furthest away are primarily composed of labor-intensive natural resource industries.

Palavras-chave


geographical proximity; industrial deconcentration; technological intensity of the manufacturing industry

Referências


AUDRETSCH, B.; FELDMAN, P. Innovative Clusters and the Industry Life Cycle. Review of Industrial Organization. n. 11. p. 253-273, abr. 1996. https://doi.org/10.1007/bf00157670

AZZONI, C. R. Indústria e reversão da polarização no Brasil. São Paulo: IPE/USP, 1986.

BALDONI, L. A estratégia empreendedora da Unicamp para a consolidação do Parque Científico e Tecnológico. 2015. 140 f. Dissertation (Master in Geography) – Instituto de Geociências, Universidade Estatual de Campinas, Campinas, 2015. Available at: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=000955298 . Accessed on: 15th Dec. 2016.

BECKER, B. K. Crescimento econômico e estrutura espacial do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, v. 34, n. 4, p. 101-115, abr./jun. 1972.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: INPES/IPEA. 1988.

BRANDÃO, C. A. Capital Comercial, Geopolítica e Agroindústria. 1989. Dissertation (Master in Economy) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1989.

BRANDÃO, C. A. Território & desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o global. Campinas:

Ed. Unicamp, 2007.

CANNABRAVA FILHO, P. Ademar de Barros: trajetória e realizações. São Paulo: Terceiro Nome, 2004.

CANO, W. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil (1930-1970). São Paulo: Ed. UNESP, 2007.

CANO, W. Desconcentração produtiva regional do Brasil (1970-2005). São Paulo: Ed. UNESP, 2008.

CASTILHO, D. Estado e rede de transportes em Goiás-Brasil (1889-1950). Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografia y ciencias sociales, v. 16, n. 418, nov. 2012. Available at: https://goo.gl/OdgbOC . Accessed on: 13th Dec. 2016.

CASTRO, A. C.; FONSECA, M. G. D. A dinâmica agroindustrial do Centro-Oeste. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 1995. CMEF. Histórico da construção. Avaiable at: http://goo.gl/gHjy6h . Accessed on: 12th March 2016.

DINIZ, C. C. Dinâmica regional da indústria no Brasil: início de desconcentração, risco de reconcentração. 1991. Thesis (Open competition for Lecturer) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1991.

DINIZ, C. C. Impactos territoriais da reestruturação produtiva. In: RIBEIRO, L. C. Q. (Org.). O futuro das metrópoles: desigualdades e governabilidade. Rio de Janeiro: Revan, 2000.

p. 21-60.

DINIZ, C. C; GONÇALVES, E. Conhecimento e Desenvolvimento Regional. In: DINIZ, C. C.; LEMOS, M. B. (Org.). Economia e Território. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005. p. 131-170.

EGLER. C. A. G. O que fazer com a geografia econômica neste final de século? Textos Laget, n. 5, 1994. Available at: https://goo.gl/WGX3xe . Accessed on: 12th Dec. 2016.

FIGUEIRA, S.; BELIK, W.; VICENTE, A. K. Escala e concentração das usinas de açúcar e álcool e empresas do setor no Estado de São Paulo. In: CONGRESSO DA SOBER, 52., 2014, Goiânia. Anais... Goiânia: SOBER, 2014. p. 1-16.

FURTADO, A. T. Desconcentração Industrial. In: PATARRA, N. (Org.). Desconcentração Industrial. São Paulo: Fundação SEADE, 1986. p. 1-47.

FURTADO, A. T.; CARVALHO, R. Q. Padrões de intensidade tecnológica da indústria brasileira: um estudo comparativo com os países centrais. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 70-84, mar. 2005. https://doi.org/10.1590/s0102-88392005000100006

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2007.

GARCIA, R. et al. Interações Universidade-Empresa e a Influência Das Características Dos Grupos De Pesquisa Acadêmicos. Revista de Economia Contemporânea, v. 18, n. 1, p. 125-146, abr. 2014. https://doi.org/10.1590/141598481816

GUIMARÃES, E. N. Infra-estrutura pública e movimento de capitais: a inserção do Triângulo Mineiro na divisão inter-regional do trabalho. 1990. Dissertation (Master) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1990.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Divisão Regional. Available at: https://goo.gl/S2JSCl . Accessed on: 12th Dec. 2016.

IBGE. Mapas. Avaiable at: https://goo.gl/HxRD7h . Accessed on: 18th Dec. 2016.

LASTRES, H. M. M. et al. Globalização e inovação localizada. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Globalização e inovação localizada: Experiências de Sistemas Locais no Mercosul. Brasília: MCT-CNPq-IBICT, 1999.

LENCIONI, S. Reestruturação Urbano-Industrial no Estado de São Paulo: a região da metrópole desconcentrada. Espaços & Debates, v. 38, p. 54–61, 1994.

MARTINS, J. S. O cativeiro da terra. São Paulo: Hucitec, 1986.

MESQUITA, F. C. O processo de desconcentração industrial no eixo de desenvolvimento São Paulo-Brasília e a dinâmica do setor de alimentos e bebidas em Uberlândia (MG). 2011. 202 f. Dissertation (Master in Geography) – Instituto de Geociências, Universidade Estatual de Campinas, Campinas, 2011. Available at: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000796941 . Accessed on: 15th Dec. 2016.

NEGRI, B. Concentração e desconcentração industrial em São Paulo, 1880-1990. Campinas: Ed. Unicamp, 1996.

PACHECO, C. A. A Fragmentação da Nação. Campinas: Ed. Instituto de Economia, 1998.

PINTO, A. Natureza e implicações da “heterogeneidade estrutural” na América Latina. In: BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento da CEPAL. v. 2. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2000. p. 567-588.

PORCILE, G.; YAMILA, E.; CATELA, A. S. Heterogeneidade estrutural na produtividade das firmas brasileiras: uma análise para o período 2000-2008. Estudos Econômicos, n. 8, p. 1-22, dez. 2012. Available at: http://goo.gl/13k17c . Accessed on: 15th Dec. 2016.

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas principais problemas [1951]. In: BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento da CEPAL. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 1. p. 69-136.

RODRÍGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SABOIA, J. A continuidade do processo de desconcentração regional da indústria brasileira nos anos 2000. Nova Economia, v. 23, n. 2, p. 219-278, maio/ago. 2013. https://doi.org/10.1590/s0103-63512013000200001

SAMPAIO, D. P. Desindustrialização e estruturas produtivas regionais no Brasil. 2015. 263 f. Thesis (Doctorate in Economic Development) – Instituto de Economia, Universidade Estatual de Campinas, Campinas, 2015. Available at: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000949414 . Accessed on: 15th Dec. 2016.

SAMPAIO, S. S. Indústria e território em São Paulo: a estruturação do multicomplexo territorial industrial paulista : 1950-2005. São Paulo: Alínea Editora, 2009.

SCOTT, A. J. Geography and Economy: Three Lectures. Oxford: Clarendon Press, 2006.

SILVEIRA, M. R. A Importância Geoeconômica das Estradas de Ferro no Brasil. 2003. 454 f. Thesis (Doctorate in Geography) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Presidente Prudente, 2003. Available at: http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/101439/silveira_mr_dr_prud.pdf?sequence=1 . Accessed on: 15th Dec. 2016.

SONN, J. W.; STORPER, M. The Increasing Importance of Geographical Proximity in Technological Innovation: An Analysis of U.S. Patent Citations, 1975-1977. Environment and Planning A, v. 40, n. 5, p. 1020-1039, maio 2008. https://doi.org/10.1068/a3930

STORPER, M. The Regional World: Territorial Development in a Global Economy. New York; London: Guilford Press, 1997.

STORPER, M. Globalization, Location and Trade. In: CLARK, C.; FELDMAN, M.; GERTLER, M. Handbook of economic geography. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 146-167.

STORPER, M. Keys to the City: How economics, institutions, social interactions, and politics shape development. Princeton: Princeton University Press, 2013.

STORPER, M.; VENABLES, A. J. Buzz: face-to-face contact and the urban economy. Journal of Economic Geography, v. 4, n. 4, p. 351-370, ago. 2004. https://doi.org/10.1093/jnlecg/lbh027

SUZIGAN, W. et al. A dimensão regional das atividades de CT&I no Estado de São Paulo. In: LANDI, F. R. (Org.). Indicadores de CT&I em São Paulo – 2004. São Paulo: Fapesp, 2005. p. 9-44. Available at: . Accessed on: 15th Dec. 2016.

TAVARES, M. C. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro: ensaios sobre a economia brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2017v19n2p342

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                               


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia