Notas sobre o desenvolvimento regional a partir da construção de hidrelétricas na Bacia do Uruguai | Notes on Regional Development involving Hydroelectric Plants in the Uruguay Basin

Humberto José da Rocha

Resumo


O desenvolvimento tem a energia como ponto nevrálgico. Ao privilegiar a matriz hídrica, o Brasil assume a construção de usinas hidrelétricas no âmbito de projetos de grande escala (PGEs). As adjetivações sustentável ou endógeno oferecidas ao termo desenvolvimento acompanham esses projetos, que não precisam ser tomados como promotores do desenvolvimento ou impactantes ambientais em si mesmos. Este trabalho elenca elementos que devem ser considerados na análise da promoção do desenvolvimento a partir de PGEs, distinguindo conceitos como crescimento econômico e desenvolvimento humano, assinalando o paradoxo endógeno e exógeno do desenvolvimento e, por fim, enfatizando o conceito de inovação territorial, com base em elementos políticos como densidade institucional, democracia, capital social e empoderamento das comunidades. Empiricamente, a discussão se localiza na bacia hidrográfica do Uruguai, Sul do Brasil, onde, desde a década de 1960, decidiu-se pela exploração sistemática da hidroeletricidade. Como tese central, o artigo defende que, ignorada a conjunção entre os conceitos de natureza teórica e as realidades empíricas das principais hidrelétricas da região, o desenvolvimento dos projetos de grande escala representa um eufemismo que suplanta territórios e desintegra localidades em nome de lucros desterritorializados que deixam sequelas territoriais.

Palavras-chave


Desenvolvimento Regional, Espaço, Tempo, Hidrelétricas, Política.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


BAQUERO, R.V.A. Empoderamento: Instrumento de emancipação social? Uma discussão conceitual, Revista Debates, Porto Alegre, v. 6, n. 1, jan.-abr. 2012, pp.173-187. http://dx.doi.org/10.22456/1982-5269.26722

BAQUERO, M.; MORAIS, J.; VASCONCELOS, C. Construindo capital social em contextos de assimetria de poder: uma análise dos atingidos por hidrelétricas no Brasil. In: BAQUERO, Marcello; PASE, H.. (Orgs.). Desenvolvimento hidrelétrico: qualidade de vida e capital social no sul do brasil. Porto Alegre: UFRGS, 2013.Pp. 57-107.

BARON, Sadi et all. Compensação financeira x produção agrícola renunciada: comparação entre compensação financeira da UHE Itapiranga para o município de Mondaí (SC) e a produção agrícola renunciada pela formação do reservatório da UHE. In: Encontro Latino Americano de Ciências Sociais e Barragens, 3, 2010, Belém – PA. Anais III Encontro Latinoamericano de Ciências Sociais e Barragens. Belém-PA: Data Memory - LMR Alencar Ltda., v. 1, 2010, Pp. 2-28.

BECK, U. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: GIDDENS, A.; LASH, S.; BECK, U. Modernização reflexiva: Política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Editora da Unesp, 2012. Pp. 11-87.

BECKER, D.F. A economia política do (des)envolvimento regional contemporâneo. In: BECKER, D.F.; WITTMANN, M.L. (Orgs.). Desenvolvimento regional: abordagens interdisciplinares. 2. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008. Pp. 37-66.

BECKER, D.F. A contradição em processo: o local e o global na dinâmica do desenvolvimento regional. In: BECKER, D.F.; WITTMANN, M.L. (Orgs.). Desenvolvimento regional: abordagens interdisciplinares. 2. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008ª. Pp. 67-115.

BERMANN, C.. “A energia hidrelétrica não é limpa, nem barata”. Disponível em: . Acesso em: 01 Ago. 2010.

BOBBIO, N.. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2000.

BOISIER, S.. Desarrollo (local): ¿De qué estamos hablando? In: BECKER, D. F.; BANDEIRA, P. S. (Orgs.). Desenvolvimento local-regional: Determinantes e desafios contemporâneos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000. Pp. 151-185.

BRASIL, Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução n° 237 de 19 de dezembro de 1997. Estabelece procedimentos e critérios utilizados no Licenciamento Ambiental.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, 2009.

BRASIL. Ministério Público Federal. Nota Técnica n° 39: Trabalho Sobre Área de Influência. – Brasília: MPF/4ª CCR; Escola Superior do Ministério Público da União, 2007.

CHRISTOFOLETTI, A.. Análise de Sistemas em Geografia. São Paulo: HUCITEC: EDUSP, 1979.

FERNÁNDEZ, V.R.. Densidad institucional, innovación colectiva y desarrollo de las cadenas de valor local: un triángulo estratégico en la evolución de los enfoques regionalistas durante los 90s. In: Redes, vol. 9, n. 1. Santa Cruz do Sul, EDUNISC, jan./abr. 2004. Pp. 7-¬35. http://dx.doi.org/10.17058/redes.v9i1.10969

FONSECA, W.; BITAR, O.Y.. Critérios para delimitação de áreas de influência em estudos de impacto ambiental. In: I Congresso Brasileiro de Avaliação de Impacto Ambiental e II Conferência da Rede da Língua Portuguesa da Avaliação de Impactos, 1, 2012, São Paulo. Anais. São Paulo: ABAI, 2012. 14 p.

FURTADO, C.. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Círculo do Livro, 1974.

GOHN, M. G.. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade, mai-ago, 2004, v. 13, n. 2, pp. 20-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000200003

LEITÃO, Miriam. Você decide. In: PROCHNOW, Miriam. (Org). Barra Grande: a hidrelétrica que não viu a floresta. Rio do Sul-SC: APREMAVI, 2005. P. 42-44.

MORAES, J. L. A.. Capital social: potencialidades dos fatores locais e políticas públicas de desenvolvimento local-regional. In: BECKER, D.F.; WITTMANN, M.L. (Orgs.). Desenvolvimento regional: abordagens interdisciplinares. 2. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008. Pp. 263-281.

MORIN, E.; KERN, A.. Terra-Pátria. 5.ed. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, E.. Os sete saberes necessário à educação do futuro. 3.ed. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2001.

OLIVEIRA, G.; SILVA, M.K. As disputas sociais envolvendo os atingidos pela UHE Campos Novos. In: ROCHA, H.J.; PASE, H.; LOCATELLI, C. (Orgs.). Políticas públicas e hidrelétricas no sul do Brasil. Pelotas: UFPEL, 2014. pp. 129-145.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Atlas do IDHM do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 13 Jan. 2017.

PROCHNOW, Miriam. Entendendo o caso. In: PROCHNOW, Miriam. (Org.). Barra Grande: a hidrelétrica que não viu a floresta. Rio do Sul: APREMAVI, 2005. pp. 6-8.

PUTNAM, R.D.. Comunidade e democracia: A experiência da Itália moderna. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

RAMBO, A.G.; et al. O Índice de Condições De Vida (ICV): construindo metodologias de análise e avaliação de dinâmicas territoriais do desenvolvimento rural. Revista em Gestão, Inovação e Sustentabilidade, Brasília, v. 1, n. 1, p. 68-94, dez. 2015.

RIBEIRO, G.L. ¿Cuánto más grande mejor? Proyectos de gran escala: una forma de producción vinculada a la expansión de sistemas económicos. Buenos Aires, Desarrollo Económico, n° 105, Vol. 27, pp. 3-27, abr-jun 1987,. Doi: 10.2307/3466748

ROCHA, H. J.. Panorama histórico do setor elétrico no sul do Brasil: a bacia hidrográfica do Rio Uruguai. In: ROCHA, H.J; LOCATELLI, C.; PASE, H.L.. (Org.). Políticas públicas e hidrelétricas no sul do Brasil. 1ed. v. 1. Pelotas: Editora da UFPel, 2014. Pp. 31-49.

ROCHA, H. J.. O controle do espaço-tempo nos processos de instalação de hidrelétricas. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP (Impresso), v. 26, n. 1, pp. 259-280, 2014a.

ROCHA, H. J.. Relações de poder na instalação de hidrelétricas. Passo Fundo: EDIUPF, 2013.

ROCHA, H. J.. Integração desintegradora: a trajetória de projetos hidrelétricos desde a IIRSA até as comunidades locais. Revista Mural Internacional, v. 3, pp. 30-36, 2012. http://dx.doi.org/10.12957/rmi.2012.5910

ROSSATO, A.. A recepção de rádio e televisão por jovens do movimento dos atingidos por barragens: as representações da classe popular. (Dissertação de Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria: UFSM, 2008.

SANTOS, M.. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2004.

SEN, A.. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

VAINER, C.B.; ARAÚJO, F.G.B. de. Grandes projetos hidrelétricos e desenvolvimento regional. Rio de Janeiro, CEDI, 1992.

VAINER, C. B. Planejamento territorial e projeto nacional: os desafios da fragmentação. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v.9, n.1, pp. 09-23, maio. 2007. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2007v9n1p9

VIGNATTI, M.A.P.. Modificações territoriais induzidas pelas usinas hidrelétricas do rio Uruguai, no Oeste Catarinense. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2018v20n2p368

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia