A justiça ambiental e os novos direitos constitucionais: a função socioambiental dos territórios quilombolas do Parque Estadual da Pedra Branca

Agni Hévea dos Santos

Resumo


A face construída e materializada no imaginário social de que a zona oeste carioca seria um “balcão de negócios” esconde a pluralidade do tecido social existente do espaço, bem como a insustentabilidade de promover um arranjo social e político permeado pelo racismo ambiental. Os territórios quilombolas existentes nos limites do Parque Estadual da Pedra Branca, tutelados pelos marcos jurídicos constitucionais (artigo 68 do ADCT/1988 e o decreto 4887/2003), possuem premente legitimidade social e ecossistêmica de exercerem suas sustentáveis práticas socioculturais legitimadas na acepção de justiça ambiental. A análise das funções socioambientais exercidas pelos grupos quilombolas é essencial para caracterizar tanto a legitimidade ou oportunismo da categoria social adotada pelos grupos tradicionais na busca pela função social da propriedade urbana, como as funções ecológicas, econômicas, fitossanitárias, políticas, etc. que enredam cada arquétipo cultural perpetuado, a despeito das pressões locais dos megaeventos e incorporações imobiliárias carentes de uma cosmografia sustentável.


Palavras-chave


direito à cidade; planejamento urbano participativo; direito ambiental; inclusão urbana; território quilombola; autodeterminação quilombola; racismo ambiental; justiça ambiental.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ABREU, M. A. Reencontrando a antiga cidade de São Sebastião. Mapas conjecturais do Rio de Janeiro do século XVI. Cidades (Presidente Prudente), vol. 2, n.º 4, p. 189-220, 2005.

ABREU, M; MATTOS, H. Quilombos contemporains In: afrodescendances, cultures et citoyeneté.1 ed.Quebec : Presse del’Université Laval, 2012, v.1, p. 7-22.

_________.“Remanescentes das Comunidades dos Quilombos”: memória do cativeiro, patrimônio cultural e direito à reparação_Anais XXVI Simpósio ANPUH, São Paulo, 2011.

ACSELRAD, H. Ambientalização das lutas sociais - o caso do movimento por justiça ambiental, Estudos Avançados, vol.24 no.68 São Paulo, 2010.

ALMEIDA, A.W.B. Terras de Quilombos, Terras Indígenas, “Babaçuais Livres”, “Castanhais do Povo”, Faxinais e Fundos de Pasto: Terras tradicionalmente ocupadas. Manaus, UFAM. 2006.

ANDRADE, A.M; TATTO,N. Comunidades quilombolas-Vale Ribeira(SP)Inventário de referências culturais, 2013. Disponível em: http://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/publicações/pdf-publicacao-final_inventario.pdf. Acesso em 10.06.2015.

ANDRADE, M. C. As Raízes do separatismo no Brasil. Recife: Edit. Universitária UFPE, 1997.

BARROSO, L. R. Curso de Direito Constitucional Conteporâneo – os conceitos fundamentais e a constução do novo modelo, editora saraiva - 5ª edição, Rio de Janeiro, 2015, 576 p.

BECKER, B.; EGLER, C., A New Regional Power in the Rorld Economy, Cambridge University Press, Cambridge, 1992.

BOYER, V. Passado português, presente negro e invisibilidade ameríndia: o caso de Mazagão Velho, Amapá. Religião & Sociedade, vol.28 no.2 Rio de Janeiro, 2008.

_______As interpretações de “ identidade étnica”, definições legais, discursos acadêmicos e apropriações locais In: VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA, 2015.

BULLARD, R. D. Confronting Environmental Racism in the Twenty-First Century, v4, global dialogue, 2002.

_______Environmental justice: strategies for building healthy and sustainable communities. In: II WORLD SOCIAL FORUM, Feb. 2002, Porto Alegre.

CAETANO, A. Grupo de Estudos da baixada de Jacarepaguá, In: http://ihja.blogspot.com.br/2010/11/os-escravos-do-camorim.html, 2010. Acesso em 14.12.2015.

CACEREZ, E. R. Do Caminho à Trilha. As perspectivas do lazer e do habitar na Transcarioca, artigo publicado no NIPP-UFF, 2015. P. 29.

CALLEGARI, C. Bananas de Vargem Grande se tornam Maravilha Gastronômica do Rio, 2016. Disponível em: http://oglobo.globo.com/rio/bairros/bananas-de-vargemgrande-se-tornam-maravilha-gastronomica-do-rio-18436324. Acesso em 16.01.2016.

CASTELLS, M. O Poder da Identidade, São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CORRÊA, A. M. O Sertão Carioca. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. (reimpressão departamento de imprensa oficial. Secretaria municipal adm.) v.167. p. 312 1933.

CORREA, A. V. Liberdade e igualdade: fundamentos da democracia nas teorias de Hans Kelsen, Norberto Bobbio e Jürgen Habermas, Âmbito Jurídico, 2004. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link= Revista_artigos_leitura&artigo_id=10672

COSTA, Sandro. Participação Popular na elaboração do Plano Diretor. Disponível em http://www.infonet.com.br/sandrocosta/ler.asp?id=121145. Acesso em 15.06.2015.COSTA-FILHO, A. Quilombos e povos tradicionais, Sociologia e Antropologia/UFMG, 2011.

EMATER, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro, Disponível em: http://www.emater.rj.gov.br/, 2016. Acesso em 17.01.2016.

ENGEMANN, C. Consumo de recursos florestais e produção de açúcar no período colonial: o caso do engenho do Camorim,RJ. In: As marcas do Homem na floresta: História ambiental de um trecho urbano de Mata Atlântica (OLIVEIRA, R.R,).Rio de Janeiro, PUC-Rio, p33, 2005.

FRIDMAN, F. Donos do Rio em nome do Rei: uma história fundiária da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.: Garamont, 1999.

GODOY, R. Servidores do Incra criticam lentidão e retrocesso no processo de reconhecimento de áreas quilombolas, 2013. Em: http://reporterbrasil.org.br/2013/09/servidores-do-incra-criticam-lentidao-e-retrocesso-no-processo-de-reconhecimento-de-areas-quilombolas/ Acesso 14.12.16.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo, Ed. Loyola, 12ª ed, p. 257-276, 2003.

INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Disponível em: http://www.incra.gov.br/ Acesso em nov/ 2017.

INEA – Instituto Estadual do Ambiente. Disponível em http://www.inea.rj.gov.br/unidades/pqpedra_branca.asp. Acesso em 20.06.2012.

JOHNSTON, R.J. et al Diccionario de Geografía Humana,Madrid–Allianza Editorial,1987.

JUSTIÇA GLOBAL BRASIL, http://justicaglobal.redelivre.org.br/2014/03/27/com-agroecologia-e-identidade-cultural-alto-camorim-resiste-ao-avanco-da-especulacao-imobiliaria, 2014, Acesso12/15.

LEROY, J. Conflitos ambientais na Amazônia brasileira. Disponível em: < http://www.koinonia.orgbr/tpdigital/detalhes.asp?cod_artigo=79&cod_boletim=4&tipo=Artigo>. Acesso dez / 2017.

LEUZINGER, M. D. Legalidade dos procedimentos de criação de unidades de conservação de proteção integral e domínio público habitadas por populações tradicionais. In: MEDAUAR, LOPES, A. C.; QUINTANS, M. T. D. Judiciário e Constituição Federal de 1988: interpretações sobre o direito à propriedade privada face à reforma agrária e ao direito ao território quilombola. In: Revista IDeAS – Interfaces em Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v.4,n.1, p.225-264, jun.2010.

MATOS, I. R. Moeda colonial IN: O tempo Saquarema. São Paulo, HUCITEC, 1987.

MATTOS, H. e RIOS, A. L. Memórias do Cativeiro. Família, Trabalho e Cidadania no Pós Abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 29

MITIDIERI F. L. Populações tradicionais e meio ambiente: espaços territoriais especialmente protegidos com dupla afetação. In: Edilson Vitorelli. (Org.). Temas Aprofundados do Ministério Público Federal - 2a ed.: 2ed.Salvador: Juspodivm, 2013, v. 1, p. 263-293.

MONTEZUMA, R. e OLIVEIRA. R. R. Os ecossistemas da Baixada de Jacarepaguá e o PEU das Vargens, arquitextos, 116.03, ano 10, jan. 2010.

MOREIRA, Egon Bockman. Processo Administrativo: Princípios Constitucionais e a Lei 9784/99. 2ª Ed. São Paulo: Malheiros, 2003.

NAME, L.; MONTEZUMA, R. C; GOPMES, E. S. Legislação urbanística e produção de riscos: o caso da PEU das Vargens (Rio de Janeiro), territorium 18, 2011.

O’DWYER, E. C., Os quilombos e a prática profissional dos antropólogos. In: O’DWYER, E. C., (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

OLIVEIRA, R. Mata Atlântica, paleoterritórios e História Ambiental. Ambiente & Sociedade, Campinas v. X, n. 2, p. 11-23, jul.-dez. 2007.

PEREIRA, C. M. S. Instituições de Direito Civil – Vol. IV – Direitos Reais. 18a ed., Rio de Janeiro: Editora Forense, 2004. 87p.

PIETRO, M. S. Z. Direito Administrativo, São Paulo, Atlas.Descrição Física: xlii, 1038 p, 2008.

RUBIM, M. Moradores de antigas comunidades quilombolas ainda lutam por sua preservação, Disponível em http://oglobo.globo.com/rio/bairros/moradores-de-antigas-comunidades-quilombolas-ainda-lutam-por-sua-preservacao-16028345. Acesso em 14.12.2015.

SANTOS, A. H. A transformação da paisagem de uma floresta urbana no Maciço da Pedra Branca/RJ: a serrapilheira como ferramenta de análise, dissertação, 119p., 2009.

SANTILLI, J, Os “novos” direitos socioambientais, Direito e Justiça –reflexões sociojurídicas, ano VI nº9, 2006.

SAQUET, M. A. Abordagens e Concepções de Território. Expressão Popular, São Paulo, 2007.

SARMENTO, D. Garantia do Direito à Posse dos Remanescentes de Quilombos antes da Desapropriação, de 9/10/2006. Disponível: http://www.cpisp.org.br/acoes/upload/arquivos/ AGarantiadoDireitoaPosse_DanielSarmento.pdf, em 12/04/2015.

__________Territórios Quilombolas e Constituição: A ADI 3.239 e a Constitucionalidade do Dec. 4.887/03,2008. http://ccr6.pgr.mpf.gov.br/documentos-publicacoes/docs_artigos/Acesso em 11/15 Territórios_Quilombolas_e_Contituicao_Dr._Daniel_Sarmento.pdf. Acesso em: 13.03.2015.

SILVA, H. B. I. Instrumentos de Planejamento e Gestão Territorial e a questão do uso e cobertura do solo no entorno do Parque Estadual da Pedra Branca-RJ, tese, UFF, 2015.

SOARES, L. A. A. O enfoque sociológico e da teoria econômica no ordenamento territorial. In: ALMEIDA, F. G.; SOARES, L. A. A. Ordenamento Territorial: coletânea de textos com diferentes abordagens no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

SOUZA, M. J. L. de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná. GOMES, Paulo. CORRÊA, Roberto. (orgs). Geografia: conceitos e temas. 8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

TEPEDINO, G. Notas sobre a função social do contrato. In: TEPEDINO, G; FACHIN L. E. O Direito e o tempo:embates jurídicos e utopias contemporâneas. RJ :Renovar, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2018v20n3p457

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia