Memória do trabalho e memória ambiental: as indústrias de curtume do Vale do Rio dos Sinos/RS | Labor memory and environmental memory: the tannery industries of Rio dos Sinos/RS

Margarete Fagundes Nunes, Ana Luiza Carvalho da Rocha, João Alcione Sganderla Figueiredo

Resumo


O artigo apresenta uma discussão sobre paisagem urbana, memória do trabalho e memória ambiental no Vale do Rio dos Sinos - RS, Brasil, por meio de uma coleção de texto e imagem organizada em torno das trajetórias sociais de sujeitos que estiveram ou ainda estão vinculados à indústria do couro na região. Este material compõe o acervo de coleções etnográficas de pesquisas desenvolvidas desde 2012, visando compreender as trajetórias sociais desses sujeitos, “narradores do trabalho”, no contexto da região metropolitana e das suas dinâmicas: os deslocamentos populacionais, a ocupação urbana, os conflitos ambientais, a percepção das transformações do mundo do trabalho, a relação do trabalho industrial com a paisagem e as águas urbanas. Trata-se de uma pesquisa antropológica que se apoia na etnografia da duração e apresenta as trajetórias desses sujeitos no contexto das indústrias de curtume, além das relações da memória do trabalho com a paisagem urbana da região e a edificação de uma memória ambiental.


Palavras-chave


memória ambiental, memória do trabalho, etnografia da duração, águas urbanas, paisagem urbana

Referências


ALIMONDA, H. La colonialidad de la naturaleza. Una aproximación a la Ecología Política Latinoamericana. In: ALIMONDA, H. (coord.). La Naturaleza Colonizada: ecologia política e míneria en America Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2011.

ALIMONDA, H. PEREZ, C. T. (org). Ecología política latinoamericana: pensamiento crítico, diferencia latinoamericana y rearticulación epistémica. Buenos Aires: Facundo Martín, CICCUS; México : Universidad Autónoma Metropolitana, CLACSO, 2017.

BACHELARD, G. A dialética da duração. São Paulo: Ática, 1994.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DEVOS, R. V. A questão ambiental sob a ótica da antropologia dos grupos urbanos, nas ilhas do Parque estadual Delta do Jacuí, Bairro Arquipélago, Porto Alegre, RS. 2007. 275 p. Tese Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

DEVOS, R.V. A crise ambiental sob a perspectiva da memória e dos itinerários no mundo urbano contemporâneo. Ambiente & Sociedade, v. XII., n.2, p. 293-306, jul-dez, 2009.

DEVOS, R.V., SOARES, A.P.M. e ROCHA, A.L.C., Habitantes do Arroio – memória ambiental das águas urbanas. In: Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 22, p. 51-64, 2010.

ECKERT, C. As variações “paisageiras” na cidade e os jogos da memória. In: SILVEIRA, F.L.A.; CANCELA, C.D. Paisagem e Cultura. Belém: EUFPA, 2009.

ECKERT, C.; ROCHA, A. O tempo e a cidade. Porto Alegre: UFRGS, 2005.

ECKERT, C.; ROCHA, A.L.C. Etnografia da Duração: antropologia das memórias coletivas em coleções etnográficas. Porto Alegre: Marcavisual, 2013.

FIGUEIREDO, J. A. S.; LENZ, C. A.; NUNES, M. F. Aproximación de las Teorías del Riesgo en Estudio de Caso en el Sur de Brasil. Ambiente & Sociedade (Online), v. 17, n.1, p. 133-150, 2014.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GRUZINSKI, Serge. A guerra das imagens: de Cristóvão Colombo a Blade Runner (1492-2019). São Paulo: Companhia. das Letras, 2006.

HALBWACHS, M. A Memória coletiva.São Paulo: Vértice/Revista dos Tribunais, 1990.

KAYSER, Arno. Os primórdios do Comitesinos. Para pensar a ecologia em dias tão confusos. Blog do autor, nov., 2005. Disponível em: https://arnokayser.wordpress.com/2011/06/27/os-primordios-do-comitesinos/

LEITE LOPES, J. S. Sobre processos de ambientalização dos conflitos e sobre dilemas da participação. In: Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 12,n. 25, p. 31-64, jun. 2006.

MARTINEZ ALIER, J. El ecologismo de los pobres. Conflitos ambientales y linguajes de valoración. Barcelon: Icaria/FLACSO-Ecologia, 2005.

NUNES, M. F.; FIGUEIREDO, J. A. S.; ROCHA, A. L. C. Sinos River Hydrographic Basin: urban occupation, industrialization and environmental memory. In: Brazilian Journal of Biology. São Carlos, v. 75, n. 4, supl. 2, p. 3-9, dez. 2015.

NUNES, M. F.; ROCHA, A. L. C.; MAGALHÃES, M. L.; KUHN JUNIOR, N. Era um hino de fábrica apitando: a memória do trabalho negro na cidade de Novo Hamburgo (RS), Brasil, Etnográfica[online], Lisboa, v. 17, n. 2, p.269-291, 2013.

PEREIRA, J M. D. Um modelo teórico para explicar a transferência de capital entre regiões desigualmente desenvolvidas aplicado ao caso da indústria de calçados. Revista Ensaios da Fundação de Economia e Estatística, Porto Alegre, 23 (2): p. 923-948, 2002.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. CLACSO – Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Buenos Aires: CLACSO, 2005. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em: jan. 2018.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. Campinas, SP: Papirus, v.I, 1994.

ROCHA, A.L.C. A poeira do tempo e as cidades tropicais, um ensaio interpretativo do patrimônio e as dinâmicas da cultura em sociedades complexas. In: SILVEIRA, F.L.A.; CANCELA, C.D. Paisagem e Cultura. Belém: EUFPA, 2009.

ROCHA, A.L.C.; NUNES, M.F.; FIGUEIREDO, J.A.S. Paisagens e Territorialidades da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos: uma etnografia do trabalho e da memória ambiental. In: RODRIGUES, M.A.S.; KAYSER, A.C.; PEDDE, (orgs.) Rio dos Sinos e Qualidade Ambiental. Porto Alegre: Evangraf, 2016.

SANSOT, P. Variations Paysagères. Paris: Klincksieck Esthétique, 1983.

SCHEMES, C.; CASTILHOS, D.; MAGALHAES, M. Luiz Rau creek and the city of Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul. In: Brazilian Journal Biology. São Carlos,v. 75, n. 4,supl. 2,p. 10-15, dez. 2015.

SILVEIRA, F.L.A. A paisagem como fenômeno complexo, reflexões sobre um tema interdisciplinar. In: SILVEIRA, F.L.A.; CANCELA, C.D. Paisagem e Cultura. Belém: EUFPA, 2009.

SIMMEL, G. A Filosofia da Paisagem. Covilhã: Lusosofia Press, 2009.

SVAMPA, M. Modelos de desarrollo, cuestion ambiental y giro eco-territorial. In: ALIMONDA, Hector (coord). La naturaleza colonizada. Ecologia política y mineria en America Latina. Buenos Aires, Ediciones Ciccus/CLACSO, 2011. p.181-215.

SVAMPA, M. Consenso de los commodities, giro ecoterritorial y pensamiento crítico en América Latina. In: Revista Observatorio Social de América Latina-OSAL. Movimientos socioambientales en América Latina,Buenos Aires, Ano XIII, n.32, p. 15-38, nov. 2012.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1982.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2019v21n1p173

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia