A reconfiguração espacial do segmento de call center no Brasil vista a partir da instalação de centrais de teleatividades na Paraíba|The space reconfiguration of the call center segment in Brazil seen from the implementation of the teleactivity centers in Paraíba

Roberto Véras de Oliveira, Ana Carmen Navarro de Moraes

Resumo


Este artigo tem como objetivo principal analisar, sobretudo a partir de dados estatísticos da Relação Anual de Informações Sociais - RAIS e de fontes documentais, o processo de reconfiguração territorial verificado no Brasil na última década no segmento de call center. Inicialmente com alto grau de concentração no Sudeste do país, principalmente em São Paulo, observamos uma tendência recente de crescimento da participação relativa do Nordeste no emprego nacional no setor. Detemo-nos em particular sobre o expressivo crescimento da participação relativa da Paraíba no âmbito regional, quando, a partir de 2012, três grandes empresas de call center se instalaram no estado.


Palavras-chave


Call Center; Reconfiguração territorial; Tecnologia da informação e comunicação; Nordeste; Paraíba.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ALMEIDA, M. C. Em outro ponto da rede. Desenvolvimento geográfico desigual e o “vai-e-vem” do capital nas operações de Contact Center. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

ANTUNES, R.; BRAGA, R. (orgs.). Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009.

BRAGA, R. A política do precariado – do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo; USP, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, 2012.

BRIDI, M.; MOTIM, B.L. Trabalho e trabalhadores na indústria de informática. Contemporânea, 4(2): 351-380, 2014.

CASTELLS, M. The rise of the network society, the Information age: economy, society and culture. London: MacMillan, 1996.

CASTRO, B. Afogados em contratos: o impacto da flexibilização do trabalho nas trajetórias dos profissionais de TI. Tese de Doutorado, Unicamp, 2013.

HOLMAN, D.; BATT, R.; HOLTGREWE, U. The global call center report: International perspectives on management and employment [Electronic version]. Ithaca, NY: Authors, 2007.

HUALDE, A. e MICHELI, J. The evolution of call centres and the implications for service quality and workforce management in Mexico In: HERNÁNDEZ, R. A.; HUALDE, A.; MULDER, N.; SAUVÉ, P. (orgs). Innovation and internationalization of Latin American services. Santiago, Chile: United Nations; Colegio de la Frontera Norte A. C., 2016.

HUWS, U. Fixo, volátil ou dividido – O trabalho, a identidade e a divisão espacial do trabalho no século XXI. Revista Pegada. Presidente Prudente-SP, v. 7, n. 2, p. 27-42, nov. 2006.

KOVÁCS, I. As metamorfoses do emprego, ilusões e problemas da sociedade da informação. Lisboa, Celta, 2002.

KOVÁCS I.; CASTILHO, J. Trabajo, qualificaciones y aprendizaje a lo largo de la vida: ilusiones y problemas de la sociedad de la información. Sociología del Trabajo, 34(1): 3-25, 1998.

KUMAR, K. From post-industrial to post-modern society: new theories of the contemporary world. Oxford: Blackwell, 1995.

IBGE. O setor de tecnologia da informação e comunicação no Brasil: 2003-2006.Estudos e Pesquisas, Informação Econômica. Rio de Janeiro, nº 11, 2009.

MICHELI, J. Los call centers y los nuevos trabajos del siglo XXI. CONfines de Relaciones Internacionales y Ciencia Política, vol. 3, núm. 5, enero-mayo, 2007, pp. 49-58.

MOSSI, T.W. e ROSENFIELD, C. L. O que é ser flexível na nova configuração do trabalho? os quadros superiores de TI e a flexibilidade na gestão da empresa, na organização do trabalho e nas relações de trabalho. Revista ABET, 10(2): 80-95, 2011.

OECD. Measuring the information economy. Paris: OECD, 2002. Disponível em: http://www.oecd.org/dataoecd/16/14/1835738.pdf. Acesso em: Setembro de 2017.

OLIVEIRA, S. M. Reestruturação das Telecomunicações no Brasil: uma (re)visão das estratégias de gestão da produção e das relações de trabalho na cadeia produtiva. Estudo de caso da telefonia fixa em São Paulo - 1990-2003. Tese (Doutorado em sociologia). São Paulo, FFLCH/USP, 2004.

PORCARO, R.M. Economia da Informação: mercado de trabalho e competências. In Economia da Informação e Internet. Cadernos Temáticos do Observatório, Brasília: Softex, 2013. Disponível em: https://www.softex.br/wp-content/uploads/2013/07/Cadernos-tematicos-do-observatorio-economia-da-informacao-e-internet1.pdf. Acesso em Agosto de 2017.

ROSENFIELD, C. L. e ALVES, D. A. Autonomia e trabalho informacional: o teletrabalho. Revista Dados, v. 54, n. 1, p. 207-233, 2011.

SASSEN, S. As cidades na economia mundial. São Paulo: Studio Nobel. 1998.

SOFTEX. Economia da Informação e Internet (Cadernos Temáticos do Observatório), Brasília: Softex, 2013. https://www.softex.br/wp-content/uploads/2013/07/Cadernos-tematicos-do-observatorio-economia-da-informacao-e-internet1.pdf. Acesso em Agosto de 2017.

STEFANUTO, G.N. O programa Softex e a indústria de software no Brasil. Tese de Doutorado, Unicamp. Campinas, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2019v21n2p371

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia