Corrida científica e tecnológica e reestruturação produtiva: impactos geoeconômicos e geopolíticos | The science and technology race and productive re-structuring: geoeconomic and geopolitical impacts

Clélio Campolina Diniz

Resumo


O crescimento acelerado da economia chinesa e de outros países asiáticos vem ampliando a participação daquele bloco na produção e no comércio internacional de manufaturas. Esse processo altera a geografia econômica e a ordem global, provocando forte desafio ao capitalismo ocidental, que se encontra em crise estrutural e busca recuperar sua posição relativa. A competição entre os dois blocos é condicionada por uma acelerada corrida cientifica e tecnológica. Ao contrário, o Brasil vem passando por rápido processo de desindustrialização e de redução dos investimentos em P&D, o que poderá comprometer, também, a desconcentração produtiva em curso. A difícil recuperação industrial e a preservação do processo de desconcentração regional exigem a montagem de uma nova e afirmativa política industrial, com visão de longo prazo e ênfase em ciência e tecnologia. Ela deverá também garantir a consolidação dos projetos em andamento e dedicar especial atenção ao aproveitamento das potencialidades regionais com vistas a ampliar as tendências de desconcentração territorial.


Palavras-chave


scimento chinês, expansão asiática, crise global, corrida tecnológica, desindustrialização brasileira, política industrial, política científica e tecnológica, desenvolvimento regional.

Referências


AMSDEN, A. H. Asia’s next giant: South Korea and late industrialization. Oxford: Oxford University Press, 1989.

ARORA, A.; ATHREYE, S. The Software industry and India’s economic development.

Information economics and policy. Vol. 14, issue 2, pg. 253-273, june 2002.

ARRIGHI, G. [2007] Adam Smith em Pequim: origens e fundamentos do século XXI. Rio de Janeiro: Boitempo Editorial, 2011.

AZZONI, C. R. Indústria e reversão da polarização no Brasil.São Paulo: IPE-USP, 1986.

BARBOSA, R.M et al. A indústria, o PSI, o BNDES e algumas propostas. Rio de Janeiro:

BNDES, 2017. (Texto para discussão 114)

BASU, K. An economist in the real world: the art of policymaking in India. MIT Press, 2015.

BECK, U. The Metamorphosis of the World. Cambridge: Polity Press, 2016.

BRESSER-PEREIRA, L.C.; MARCONI, N. Existe doença holandesa no Brasil? In:

BRESSER-PEREIRA, L. C. (Org.). Doença Holandesa e Indústria. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. pp. 207-230.

CANUTO, O.; DE NEGRI, F. Does Brazil´s Sector Structure Explain its Productivity Anemia? Huffington Post. 20 June, 2017. (Disponível em: http://www.huffingtonpost.com/entry/does- brazils-sector-structure-explain-its-productivity_us_594854ebe4b0f7875b83e535 acessado em 31/07/2017).

CASTRO, A. B. de; SOUZA, F. E. P. de. A Economia Brasileira em Marcha Forçada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

CLINGINGSMITH, D. Industrialization, Bilingualism, and Linguistic Heterogeneity in Mid-20th Century India. Case Western Reserve University, unpublished paper, 2008.

COUTINHO, L.; KUPFER, D. As múltiplas oportunidades de desenvolvimento e o futuro da indústria brasileira. In: DE TONI, J. (Org.) Dez anos de Política Industrial: Balanço e perspectivas. Brasília: ABDI, 2015.

DE NEGRI, F. Inovação e produtividade: por uma renovada agenda de políticas públicas.

Brasília: IPEA, 2016.

DINIZ, C.C. Os riscos e as incertezas do gnosticismo científico e tecnológico contemporâneo, in D´INCAO, M. A. (organizadora) Domínio das Tecnologias, São Paulo, Letras a margem, 2015.

D´INCAO, M.A. (organizadora). Domínio das Tecnologias, São Paulo, Metras a margem, 2015

DINIZ, C. C.; CROCCO, M. A. Reestruturação econômica e impacto regional: o novo mapa da indústria brasileira. Nova Economia, v. 6, n. 1, p. 77-103, 1996.

DUNFORD, Ml. Chinese economic development and its social and institutional foundations. In: DUNFORD, M.; LIU, W. (Orgs.) The Geographical Transformation of China. New York: Routledge, 2015.

ESPECIAL INOVAÇÃO, São Paulo, Valor Econômico, novembro 2016.

FREEMAN, C; LOUÇÃ, F. As time goes by: from the industrial revolutions to the information revolution. Oxford: Oxford University Press, 2001.

FULIN, C. The Road to China's Prosperity: in the Next Three Decades. China Intercontinental Press, 2010.

IEDI, Carta 797, São Paulo, 2017.

KNIIVILÄ, M. Industrial development and economic growth: Implications for poverty reduction and income inequality. In: UNITED NATIONS. DEPARTMENT OF ECONOMIC; UNITED NATIONS. COMMISSION ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT. Industrial Development for the 21st Century: Sustainable Development Perspectives. United Nations Publications, p. 295- 333, 2007.

KUPFER, D. Modernização em ondas. Valor Econômico, 22 Junho 2017. (Disponível em: http://www.valor.com.br/opiniao/5013182/modernizacao-em-ondas acessado em 21/08/2017)

LAPLANE, M. A INDÚSTRIA AINDA É O MOTOR DO CRESCIMENTO? Teoria e evidências, in ABDI, dez anos de política industrial: balanço e pespectivas, Brasília, ABDI, 2015

LIU, W. Governance, politics and culture. In: DUNFORD, M.; LIU, W. (Orgs.) The Geographical Transformation of China. New York: Routledge, 2015.

LIU, W.; DUNFORD, M. Inclusive globalization: unpacking China’s belt and road iniciative.

Area Development and Policy, v.1.n 1-3, November 2016, p.324-340.

MACKINSEY DIGITAL. Industry 4.0, how to navigate digitization of the manufacturing sector.

MARKUSEN, A.; HALL, P.; CAMPBELL, S.; DEITRICK, S. The Rise of the Gunbelt: The Military Remapping of Industrial America. Oxford University Press, 1991

MARTINS, H. Experimentum Humanum: civilização tecnológica e condição humana, Belo Horizonte, Boitempo, 2013

MIRRA, E. e SALEMO, M. ABDI: a que veio, a que ficou, in ABDI, dez anos de política industrial: balanço e perspectivas, 2004-2014, Brasília, ABDI, 2015.

MORCEIRO, P. C. Vazamento de demanda setorial e competitividade da indústria de transformação brasileira. Working Papers, Department of Economics 2016_12, University of São Paulo (FEA-USP), 2016.

NSTC (National Science and Technology Council), National Network for Manufacturing Innovation: A preliminary Design, January, 2013.

NNMI (National Network for Manufacturing Innovation Program), Annual Report, February, 2016.

OECD. The next production revolution: implications for governments and business. Paris: OECD, 2017.

QIAOJUAN, X; AIXIU, Z. China´s science, technology and education, Beijng, China Intercontinental Press, 2010.

RHODES, C. Manufacturing: international comparisons. House of Commons Library, jan 2018. (Briefing Paper N. 05809)

SARTI, F.; HIRATUKA, C. Desempenho recente da indústria brasileira no contexto de mudanças estruturais domésticas e globais. Campinas: UNICAMP, 2017. (Texto para discussão 290)

STREECK, W. How will capitalism end?: essays on a falling system. New York: Verso, 2016.

SCHLOSSSTEIN, S. Asia's new little dragons: the dynamic emergence of Indonesia, Thailand, and Malaysia. Chicago: Contemporary Books, 1991.

UNCTAD. Trade and Development Report, 2016: Structural transformation for inclusive and sustained growth. Sales No. E. 16.II.D.5. New York and Geneva: United Nations Publication. 2016.

UNIDO. Industrial development report 2016: The role of technology and innovation in inclusive and sustainable industrial development. Viena: UNIDO, 2015

WALLERSTEIN, I. et al. Does capitalism have a future? Oxford: Oxford UP, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2019v21n2p241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia