Uma ponte para a urbanidade

Frederico de Holanda

Resumo


Este trabalho explora procedimentos analíticos quantitativos para caracterizar três tipos de atributos morfológicos da capital brasileira. Primeiro, o Plano Piloto não é central em face do sistema urbano maior ao qual de fato pertence e, contrariando os pressupostos colocados por Lúcio Costa no memorial do projeto de Brasília, ele já nasceu excêntrico. Segundo, trata-se de um sistema extremamente disperso, o que é caracterizado aqui por meio de duas medidas alternativas de compacidade. Terceiro, há uma fortíssima segregação socioespacial, caracterizada pelas fracas correlações obtidas entre localização de empregos, localização de habitações, e acessibilidade física: não apenas a grande maioria dos empregos também é excêntrica (pois mais de 70% deles estão no Plano Piloto), como a grande maioria dos moradores concentra-se nas partes mais segregadas da cidade. Ao final do trabalho, especula-se medidas que implicam maior urbanidade para a Capital Federal.

 


Palavras-chave


Brasília; centralidade; compacidade; segregação social; sintaxe espacial; desenho urbano; urbanidade.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


BERTAUD, A.; MALPEZZI, S. The spatial distribution of population in 35 world cities: the role of markets, planning, and topography, 1999. (Mimeo.)

CODEPLAN. Plano estrutural de organização territorial do DF (PEOT). Brasília: Convênio Seplan/GDF, 1977.

CODEPLAN. Atlas do Distrito Federal. Brasília: Codeplan, 1984a. v.3.

CODEPLAN. Caracterização do território e da população do Distrito Federal. Brasília: Codeplan, 1984b. 9 v.

CODEPLAN. Pesquisa domiciliar transporte. Brasília: Codeplan, 1991.

COSTA, L. Brasília revisitada. Brasília: Diário Oficial do Distrito Federal – Decreto Nº 10.829 de 14 de outubro de 1987.

COSTA, L. Lúcio Costa: registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995.

DALTON, N. Axman. London: University College, s.d.

DER/DF. Estatística de tráfego. Brasília: DER/DF, 1997.

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. SPACE SYNTAX II INTERNATIONAL SYMPOSIUM. 1999. Brasília. Proceedings. Brasília: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, 1999.

GOROVITZ, M. Brasília, uma questão de escala. São Paulo: Projeto Editores, 1985.

GUSMÃO, C. As faces da arquitetura na cidade contemporânea – o caso de Maceió – AL. Brasília, 2001. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília.

HILLIER, B.; HANSON, J. The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

HOLANDA, F. de. “Class footprints in the landscape”. SPACE SYNTAX – II INTERNATIONAL SYMPOSIUM. 1999. Brasília. Proceedings. Brasília: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, 1999, p. 6.1 – 6.9.

HOLANDA, F. de. O espaço de exceção. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

IBGE. Sinopse preliminar do Censo Demográfico de 2000. Página da Internet: www. ibge.gov.br.

JENKS, M.; BURGESS, R. Compact cities: sustainable urban forms for developing countries. London: Spon Press, 2000.

LOUREIRO, C.; AMORIM, L. O mascate, o bispo, o juiz e os outros: sobre a gênese morfológica do Recife. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Recife, n.3, p.19-38, nov. 2000.

MACHADO, L. Z.; MAGALHÃES, T. Q. Imagens do espaço: imagens de vida. In: PAVIANI, A. (Org.) Brasília, ideologia e realidade. São Paulo: Projeto Editores, 1985.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Cadastro de estabelecimentos empregadores – Base estatística e cadastral. Brasília: MTE, 1999. (CD-Rom.)

MOTA, A. M. P.; HOLANDA, F. de; SOARES, L. R. S. de B.; GARCIA, P. M. Brasília nasceu excêntrica? VI SEMINÁRIO DE HISTÓRIA DA CIDADE E DO URBANISMO. 2000. Natal. Anais… Natal: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, UFRGN, 2000. (CD-Rom.)

PEPONIS, J. et al. The spatial core of urban culture. Ekistics, v.56, n.334/5, p.43-55, jan.-abril 1989.

PEPONIS, J. et al. Espaço, cultura e desenho urbano. Arquitetura e Urbanismo, ano 8, n.41, p.78-83, abr.-maio 1992.

PEPONIS, J.; WINEMAN, J.; BAFNA, S. SPACE SYNTAX III INTERNATIONAL SYMPOSIUM. 2001. Ann Arbor. Proceedings. Ann Arbor: A. Alfred Taubman College of Architecture and Urban Planning, 2001.

RIGATTI, D. Do espaço projetado ao espaço vivido: modelos de morfologia urbana no Conjunto Rubem Berta. São Paulo, 1997. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

SILVA, A. S. da; HOLANDA, F. de; BRITTO, L. M. B. L. de; MOURA, L. H. F.; FERREIRA, R. B. W-3, Brasília: A luta do dragão do consumo contra a santa sociabilidade. IX ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. Rio de Janeiro. 2001. Anais… Rio de Janeiro: Ippur/UFRJ, 2001. p.624-635. SPACE SYNTAX LABORATORY.

SPACE SYNTAX FIRST INTERNATIONAL SYMPOSIUM. London: Space Syntax Laboratory, 1997.

TRIGUEIRO, E. et al. Disneyfication now? Assessing spatial correlates for heritage preservation in Natal (Brazil). SPACE SYNTAX III INTERNATIONAL SYMPOSIUM. Ann Arbor. 2001. Proceedings. Ann Arbor: A. Alfred Taubman College of Architecture and Urban Planning, 2001. p.66.1-66.7.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2001n5p59

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia