Macrometrópole paulista: estrutura sócio-ocupacional e tipologia dos municípios – Mudanças na primeira década dos anos 2000 | São Paulo macro-metropolis: socio-occupational structure and typology of its municipalities – Changes in the first decade of the 2000th years

Palavras-chave: Macrometrópole paulista, Urbanização, Dinâmica Urbano-Regional, Estrutura ocupacional, Dinâmica socioespacial

Resumo

O texto propõe a análise da estruturação da macrometrópole paulista e dos efeitos das desigualdades socioespaciais presentes em sua dinâmica urbano-regional. Essa região, definida pela Emplasa em 2012, reúne 174 municípios, que compreendem cinco regiões metropolitanas, duas aglomerações urbanas e uma microrregião. A fundamentação teórica do estudo parte do conceito de cidade-região, proposto e discutido por autores como Soja, Sassen, Scott, Lencioni e outros. Entendendo a cidade-região como produto de processos de reestruturação produtiva, reconversão econômica e especialização de uma rede de cidades intensamente articuladas, propomos as seguintes questões: é pertinente, do ponto de vista teórico, o conceito de cidade-região para o estudo da macrometrópole paulista? Quais são as formas de organização econômica e social ali presentes e quais as suas dinâmicas atuais? Quais espacialidades emergem nessa macrorregião em transformação?

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Pasternak, Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, SP, Brasil
Graduada em Arquitetura pela Universidade Mackenzie (1966), mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (1975), doutora em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, livre docente pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2001). É coordenadora do Observatório das Metrópoles São Paulo. Professora titular do Departamento de História da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.
Lúcia Maria Bógus, Pontifícia Universidade Católica, Departamento de Sociologia, SP, Brasil

Graduada em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1970), mestre em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e doutora em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (1988). Coordena o Observatório das Metrópoles São Paulo. Pesquisadora 1A CNPq, Professora titular do Departamento de Sociologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

BLALOCK, H.M. (1981) Estadística Social México, Fondo de Cultura Economica

BOGUS, L.M.M e PASTERNAK, S. (2015) São Paulo: transformações da ordem urbana. Rio de Janeiro, Letra Capital.

BOURDIEU, P ( 1989) O poder simbólico Lisboa, Difel .

CARLOS, A.F.S. (1999) Novas contradições do espaço. In CARLOS, A.F.S e SEABRA, O. de L (org) O espaço no fim do século: a nova raridade São Paulo, Editora Contexto.

CHILDE, G. (1960) O que aconteceu na história. Rio de Janeiro, Zahar.

CARDOSO, a e PRETECEILLE, E (2017)- Classes médias no Brasil: do que se trata? Qual o seu tamanho? Como vem mudando? Dados- Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, vol 60, nº 4, p 997-1023.

CUNHA, J.M. et al (2013) Dinâmica demográfica, migração e projeção populacional da Macrometrópole Paulista. Relatório de pesquisa de apoio à elaboração do Plano de Ação da Macrometrópole Paulista (PAM), Emplasa.

DE MATTOS, C (2005) Crescimento metropolitano na América Latina In CAMPLOINA, C et al ( org) Economia e território. Belo Horizonte, Editora da UFMG, p 341-364.

DINIZ, A; MENDONÇA, J e ANDREADE, L (2018) As regiões metropolitanas brasileiras e a estrutura social em uma década de mudanças 2000-2010 GOT (Geografia e Ordenamento do Território, revista eletrônica), p143-176, dezembro.

Governo do Estado de São Paulo. Secretaria da Casa Civil & Emplasa (2014) Plano de Ação da Macrometropole Paulista 2013-2040: cenários e desafios da macrometropole, vol 3 São Paulo, Emplasa.

LEFEBVRE, H. (1970) La révolution urbaine. Paris, Gallimard.

LENCIONI, S. (2004) A emergência de um fato urbano de caráter metropolitanos em São Paulo. A particularidade de seu conteúdo socioespacial, seus limites regionais e sua interpretação teórica. X Encontro Nacional da ANPUR, ST-2.

LENCIONI,S. (2011) A metamorfose de São Paulo: o anúncio de um novo mundo de aglomeração urbana. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba.

LENCIONI, S (2015) Urbanização difusa e a constituição de megarregiões. O caso de São Paulo- Rio de Janeiro. E-metropolis ( Revista Eletrônica de Estudos Urbanos e Regionais), p 7-15.

LIMONAD, E. (2007) Nunca fomos tão metropolitanos In REIS , N.G. e TANAKA, M. (org) Estudos sobre dispersão urbana. São Paulo, Via das Artes/ FAPESP.

MAGALHÃES, F.N.L. (2008) Transformações socioespaciais na cidade –região em formação: a economia politica do novo arranjo espacial metropolitanos. Dissertação apresentada ao programa de Pós Graduação em Geografia do Instituto de Geociências da UFMG.

MOLLENKOFF, J CATELLS, M ( 1991) Dual City New York, The Russel Foundation.

NUNNALLY, J.C. (1967) Psychometrc Theory . New York, McGraw –Hill Book Company.

PAIVA, R. A. (2016). Sobre a relação indústria e urbanização. Revista e-metropolis nº27, ano 7, dezembro de 2016.

PRETECEILL, E. e ROBEIRO, L.C.Q. (1998) Estrutura social e segregação urbana: um estudo comparativo Rio de Janeiro e Paris. Caxambu, XXII Encontro Anual da ANPOCS.

RIBEIRO, LCQ e LAGO,L (2000) O espaço social das grandes metrópoles Belo Horizonte. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, p111-127.

REIS FILHO, N.G. (1968) Contribuição ao estudo da evolução urbana no Brasil (1500-1720). São Paulo, Pioneira/EDUSP.

RIBEIRO,L.C.Q.; RIBEIRO. M.G. (2013) Análise social do território: metodologia para o estudo da estrutura urbana brasileira. Rio de Janeiro. Letra Capital/Observatório das Metrópoles.

RIBEIRO, M. G. (2016) Estrutura social e desigualdade de renda: uma comparação entre municípios metropolitanos e os não metropolitanos do Brasil entre 2000 e 2010. Revista Brasileira de Estudos de População, vol 33, nº 2, p 237-256.

RUMMEL, R (1970) Applied Factor Analysis. Evansrton, Northwestern University Press.

SASSEM, S ( 2008) Towards new urban forms In Peter Hall, Thilo Sarrazin, Saskia Sassen et al Cities in Schossplatz. Berlin, Hertie School of Governance.

SCOTT, A.; AGNEW, J.; SOJA, E. e STORPER, M. (2001) Cidade –regiões globais. Espaço e Debates 41, ano XVII, p1-25.

SILVA, K.A.A.;ORTEGA,G.M. e CUNHA, J.M. P. (2015) Novas formas urbanas: a perspectiva demográfica sobre a formação da Macrometrópole Paulista. Trabalho apresentado à XVI ENANPUR, Sessão temática . Belo Horizonte.

SOJA, e (2000) Postmetropolis. Critical studies of cities and regions. Oxford, UK, Blackwell Publishers.

SOJA, e ( 2013) Para além de potmetropolis Revista UFMG nº 20, 137-167.

TAVARES, J (2018) Formação da macrometrópole no Brasil: construção teórica e conceitual de uma região de planejamento EURE vol 44, Nº 133, p 115-134.

WACQUANT, L ( 2001)Os condenados da cidade. Rio de Janeiro, Revan Fase.

Publicado
2019-04-11
Seção
Artigos