Frontiers and economic institutions in Brazil: an approach focused on the new institutional economics

André Cutrim Carvalho

Resumo


The present article seeks to discuss the meaning (s) of frontiers in Brazil and the role of institutions in the process of economic development through the new institutional economics. Any pattern of collective behavior characterizes an institution, and as such determines the “rules of the game”. The frontier represents a socio-economic relationship of production because the structure of society in building a frontier is dominated (in)directly by capital. In Brazil, the movement to occupy land on the frontier does not usually occur through contingent smallholders, but rather through a mixture of different social segments, such as: migrants, “landless” males, farmers and entrepreneurs, all seeking land to occupy, to produce and to speculate. The main conclusion is that a developed institutional system may help to promote economic development by structuring the surrounding environment and stimulating the process of cooperation, innovation and learning in the frontier regions of Brazil.


Palavras-chave


frontier; institutions; new institutional economics; capital; Brazil.

Texto completo:

PDF

Referências


ACRUCHE, H. A Fronteira no Mundo Atlântico: abordagens sobre o rio da prata colonial. Revista do Programa de Pós-Graduação em História. Histórias, histórias, UNB, Brasília, vol. 2, n. 2, 2014.

AIDAR, A. C. K; PEROSA JÚNIOR, R. M. Espaços e limites da empresa capitalista na agricultura. Revista de Economia Política. São Paulo: v. 1, n. 2, 1981.

AITON, A. S. Latin American Frontiers. In: D. Weber & J. Rausch, Where Cultures Meet. Frontiers in Latin American History, Jaguar Books in Latin America n.6, Wilmington, 1994.

ALSTON, L. J.; LIBECAP, G. D.; and MUELLER, B. Titles, Conflict, and Land Use: The Development of Property Rights and Land Reform on the Brazilian Amazon Frontier, University of Michigan Press, 1999.

AVILA, A. L. Da história da fronteira à história do Oeste: fragmentação e crise na Western history norte-americana no século XX. História Unisinos, 13(1): 78-83, Janeiro/Abril, 2009.

BECKER, B. K. Síntese do processo de ocupação da Amazônia: lições do passado e desafio do presente. In: BRASIL. Ministério do Meio Ambiente (Org.). Causas e dinâmica do desmatamento na Amazônia. Brasília, MMA, 2001.

BOLTON, H. E. The epic of a greater America. American Historical Review, 35(3):448-474, 1932.

BOLTON, H. E. La mission como instituición de la frontera en el septentrión de Nueva España. In: BARNABEU, S.; SOLANO, F. de. (Orgs.). Estudios (nuevos y viejos) sobre la frontera. Madri: Consejo Superior de Investigaciones Cientificas, p. 45-60, 1991.

BOLTON, H. E. The Spanish borderlands: A chronicle of the Old Southwest and Florida. Albuquerque, University of New Mexico, 320 p., 1996 [1921].

BUARQUE DE HOLANDA, S. Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro, Olympio, 1957.

CAMPOS, R. A Lanterna na Popa: Memórias. Rio de Janeiro, Topbooks, 1994.

CARVALHO, D. F. Globalização, Federalismo Regional e o Desempenho Macroeconômico da Amazônia nos Anos 90. In: Ensaios Selecionados sobre a Economia da Amazônia nos Anos 90, vol. I, Belém: UNAMA, p. 11-48, 2005.

CARVALHO, D. F. Economia política do desenvolvimento econômico, formação do Estado, padrões de industrialização e crises e ciclos econômicos do capitalismo contemporâneo. Belém: ICSA/UFPA, 796p., 2015.

DA SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação, UFSC, 4 ed.Ver.Atual. Florianópolis, 2005.

FOWERAKER, J. A Luta pela Terra: a economia política da fronteira pioneira no Brasil de 1930 aos dias atuais. Trad. Maria Júlia Goldwasser. Rio de Janeiro: Zahar, 315p., 1982.

FURTADO, C. M. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1974.

GRAZIANO DA SILVA, J. A porteira já está fechando? In: A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Ed. Zahar, Rio de Janeiro, p. 115-125, 1981.

HÉBETTE, J.; MARIN, R. E. A. A. Colonização e Fronteira: articulação no nível econômico e no nível ideológico. In: Cruzando Fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia, Vol. I. Belém, EDUFPA, 2004.

HENNESSY, C. A. M. The Frontier in Latin American History. London, Edward Arnold, 1978.

HOFSTADER, R.; LIPSET, S. M. Turner and the Sociology of the Frontier. New York: Basic Books, 1968.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991.

LATTIMORE, O. Studies in Frontier History; Collected Papers 1928-1958, Oxford University Press, Londres, 1962.

LENHARO, A. A terra para quem nela não trabalha. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 6, nº 12, mar./ago, 1986.

LENIN, V. I. Capitalismo e Agricultura nos Estados Unidos da América. Novos dados sobre as leis de desenvolvimento do capitalismo na agricultura. SP: Brasil Debates, 1980.

MARTINS, J. de S. Capitalismo e Tradicionalismo: Estudos sobre as contrações da sociedade agrária no Brasil. São Paulo, Livraria Pioneira, 1975.

MARTINS, J. de S. O Cativeiro da Terra. São Paulo, Ciências Humanas, 1979.

MARTINS, J. de S. Expropriação e Violência: A questão política no campo. São Paulo, Hucitec, 1980.

MARTINS, J. de S. Fronteira: a degradação do Outro nos confins do Humano. São Paulo, Contexto, 2009.

MARX, K. O Capital. São Paulo, Ciências Humanas, Livro 1, Capítulo VI, 1978.

MARX, K. O Capital: Crítica da Economia Política. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. Livro 1, Vol. 2, 1984.

MELLO, J. M. C. de. O Capitalismo Tardio: Contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. São Paulo, Brasiliense, 1982.

MÉSZAROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição/Itván Mészarós; tradução Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. 1ª ed. revista. São Paulo: Boitempo, 2011.

MOOG, V. Bandeirantes e Pioneiros. Paralelo Entre Duas Culturas. 9ªed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1969.

MORSE, R. M. The Bandeirantes: the historical role of the brazilian pathfinders. New York: Alfred A. Knopf Books, 1965.

NAKANO, Y. A Destruição da Renda da Terra e da Taxa de Lucro na Agricultura. Revista de Economia Política. Vol. 1, nº3, jul./set./1981.

NORTH, D. C. Institutions, Institutional Change and Economic Performance. Cambridge and New York: Cambridge University Press, 1990.

PRZEWORSKI, A. Sobre o desenho do Estado: uma perspectiva agent x principal. In: Reforma do Estado e administração pública gerencial. Luiz Carlos Bresser Pereira e Peter Kevin Spink (Orgs.). Rio de Janeiro: FGV, 1998.

RICARDO, C. Marcha para o Oeste. São Paulo, José Olympio, 1942.

SANDRONI, P. Dicionário de economia do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SILVA, L. O. A fronteira e outros mitos. Tese de Livre-Docência, Unicamp, Campinas, 2001.

TURNER, F. J. The Frontier In American History. New York, Henry Holt and Company, 1920.

TURNER, F. J. Frontier and Section, Selected Essays of Frederick Jackson Turner. Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1961.

VARGAS, G. As Diretrizes da Nova Política do Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio, 1943.

VELHO, O. G. Frentes de Expansão e Estrutura Agrária: um estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. Rio de Janeiro, Zahar, 1972.

VELHO, O. G. Capitalismo Autoritário e Campesinato: um estudo comparativo a partir da fronteira em movimento. São Paulo, Difel, 1976.

WILLIAMSON, O. E. The Economic Institutions of Capitalism: Firms, Markets, Relational Contracting. New York, The Free Press, 1985.

WILLIAMSON, O. E. The Mechanisms of Governance. Oxford University Press, 1996.

WILLIAMSON, O. E. The new institutional economics: taking stock, looking ahead. Journal of Economic Literature, vol. 38: 595-613, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2017v19n1p125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia