Avanços e limites na historiografia da legislação urbanística no Brasil

Sarah Feldman

Resumo


Este trabalho tem por objetivo analisar a produção recente no campo da história da legislação urbanística no Brasil, procurando detectar avanços e limites para a reflexão sobre desenvolvimento urbano e práticas urbanísticas. O texto organiza-se em três eixos analíticos. Em primeiro lugar, procura-se situar os trabalhos no processo de disseminação de estudos da história urbana no Brasil, vinculando-os ao movimento de ampliação do território da história que ocorre na Europa e nos Estados Unidos, a partir dos anos 60, com a chamada História Nova. Em segundo, baseado em um panorama da produção recente, são detectadas as vertentes dominantes e emergentes nos trabalhos sobre legislação. Em terceiro, são discutidos dois aspectos que se configuram como lacunas na historiografia da legislação: o lugar ocupado pelas normas, a partir do momento em que idéias e práticas urbanísticas têm um espaço institucionalizado na administração pública; e o lugar dos pressupostos modernistas na legislação brasileira, visto que o movimento modernista formula a proposta de um novo sistema legal para o urbanismo.

 


Palavras-chave


legislação urbanística; história; movimento moderno.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ANDRADE, F. de P. D. de. Subsídios para o estudo da influência da legislação na ordenação e na arquitetura das cidades brasileiras. São Paulo, 1966. Tese (Doutorado) – EPUSP.

AYMONINO, C. La vivienda racional. Barcelona: Gustavo Gili, 1973.

BORGES, V. P. O que é história. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

BOURGEOIS, V. “La organización de la vivienda minima”. In: AYMONINO, C. La vivienda racional. Barcelona: Gustavo Gili, 1973.

BRESCIANI, M. S. “Permanência e ruptura no estudo das cidades”. In: FERNANDES, A., FILGUEIRAS GOMES, M. A. Cidade e História. Salvador: UFBA/Anpur, 1992.

BURKE, P. A Escola dos Annales 1929-1989: A revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

BURKE, P. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 1992.

CAMPOS, C. “Urbanismo equitativo: o debate da taxa de melhoria e suas ressonâncias em São Paulo (1920-1945)”. Anais do IV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Rio de Janeiro: Prourb, vol. I., p. 205-214, 1996.

CAMPOS, C. “Em nome da cidade: introdução e apropriação do urbanismo nos debates da Câmara paulistana na década de 20”. Anais do IV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Campinas: Faupuccamp, cd-rom, 1998.

DECCA, E. de et al. “Depoimentos: cidade e história”. Revista Espaço e Debates. São Paulo, Neru, n. 34, 1991.

DELSON, R. M. Novas vilas para o Brasil-Colônia. Planejamento espacial e social no século XVIII. Brasília: Editora Alva, 1997.

FELDMAN, S. Segregações espaciais urbanas: A territorialização da prostituição feminina em São Paulo. São Paulo, 1989. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

FELDMAN, S. Planejamento e zoneamento. São Paulo, 1947-1972. São Paulo, 1996. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

FELDMAN, S. “A americanização do setor de urbanismo da administração municipal de São Paulo”. Anais do IV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Rio de Janeiro: Prourb. vol. I., p. 225-234, 1996.

FELDMAN, S. “O zoneamento ocupa o lugar do plano: São Paulo, 1947-1972”. Anais do 7º Encontro Nacional da Anpur. Recife: MDU/UFPE, p. 667-684, 1997.

FELDMAN, S. “Anhaia Mello e a Comissão do plano: o plano para além da esfera técnica”. Anais do IV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Campinas: Faupuccamp, cd-rom, 1998.

FILGUEIRAS GOMES, M. A., FERNANDES, A. “A Pesquisa recente em história urbana no Brasil: percursos e questões”. In: PADILHA, N. (Org.). Cidade e urbanismo. História, teorias e práticas. Salvador: MAU/UFBA, 1998.

FRIDMAN, F., RAMOS, C. A. “A História da Propriedade da Terra no Brasil”. In: FERNANDES, A.; FILGUEIRAS G. M. A. (Orgs.). Cidade & história. Salvador: UFBA/Anpur, 1992.

FRIDMAN, F. “Os donos da terra carioca”. Espaço e Debates. São Paulo, Ano XIV, n. 37, 1994.

GRAHAM, L. S. Civil service reform in Brazil – principles versus practice. Austin & London: University of Texas Press, 1968.

GROPIUS, W. “Los fundamentos sociológicos de la vivienda minima (para la población obrera de la ciudad)”. In: AYMONINO, C. La vivienda racional. Barcelona: Gustavo Gili, 1973.

GROSTEIN, M. D. O papel da ‘Irregularidade’ na estruturação do espaço urbano no município de São Paulo. 1900-1987. São Paulo, 1987. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

HANDLIN, O., BURCHARD, J. The historian and the city. The MIT Press, 1963, ed.1966.

JANINE, R. et al. “Nova história e seus velhos dilemas”. Revista USP, São Paulo, n. 23, set-nov, 1994.

LE CORBUSIER, JEANNERET, P. “Analisis de los elementos fundamentales en el problema de la vivienda minima”. In: AYMONINO, C. La vivienda racional. Barcelona: Gustavo Gili, 1973.

LE CORBUSIER. “A Carta de Atenas”. São Paulo: Edusp/Hucitec, 1941, ed.1993.

LE GOFF, J. A história nova. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1993.

LIRA, J. T. C. de. “O germe da lei urbana e a higiene da casa (e) do operário”. Anais do IV Encontro Nacional da Anpur. Salvador, 1991.

MARINS, P. C. G. “Habitação e vizinhança: limites da privacidade no surgimento das metrópoles brasileiras”. In: SEVCENKO, N. (Org.). História da vida privada no Brasil-3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MAY, E. “La vivienda para el minimo nivel de vida”. In: AYMONINO, C. La vivienda racional. Barcelona: Gustavo Gili, 1973.

NERY JUNIOR, J. M. “Discursos de Anhaia Mello e de Prestes Maia sobre o zoneamento: coerências e contradições entre postulados teóricos e políticas no urbanismo paulistano”. Anais do V Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Campinas: Faupuccamp, cd-rom, 1998.

MEDINA, L. “A legislação de uso e ocupação do solo do Recife como instrumento de desenho urbano”. Anais do VII Encontro Nacional da Anpur. Recife, MDU/UFPE, 1997.

O’DONNELL, G. “A (in)efetividade da lei na América Latina”. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 51, Julho, 1998.

REIS FILHO, N. G. Contribuição ao estudo da evolução urbana no Brasil: 1500-1720.São Paulo: Livraria Pioneira, 1968.

REZENDE, V. F. “A evolução dos instrumentos de controle do espaço urbano na Cidade do Rio de Janeiro. É possível planejar o futuro através da Legislação?”. Anais do IV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Rio de Janeiro: Prourb, vol. II, 1996.

ROLNIK, R. A cidade e a lei. São Paulo: Studio Nobel/Fapesp,1995.

SCHMIDT, H. “Ordenanzas edificatorias y vivienda minima”. In: AYMONINO, C. La vivienda racional. Barcelona: Gustavo Gili, 1973.

SIMÕES, J. G. O setor de obras públicas e as origens do urbanismo na Cidade de São Paulo. São Paulo, 1990. Dissertação (Mestrado) – Fundação Getúlio Vargas.

SOMEKH, N. A cidade vertical e o urbanismo modernizador. São Paulo: Studio Nobel/ Fapesp, 1996.

SOUZA, M. A. A identidade da metrópole. São Paulo. Editora Hucitec/Edusp, 1994.

SUTCLIFFE, A. The history of urban and regional planning – an annotated bibliography. London: Mansell,1981.

VEYNE, P. Como se escreve a história. Lisboa: Edições 70, 1971.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2001n4p33

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia