Segregação dinâmica urbana: modelagem e mensuração

Vinicius de Moraes Netto, Romulo Krafta

Resumo


A presente pesquisa oferece uma abordagem alternativa para a visão da segregação como processo de afastamento entre classes sociais pela produção de zonas de habitação segregadas. As rotinas sociais, formadas pela montagem dos percursos e atividades típicas das classes em função de diferentes lógicas e padrões de apropriação, estruturarão redes sociais distintas dentro de um mesmo sistema urbano. A segregação assim é observada na incompatibilidade ou pouca sobreposição das redes sociais constituídas pelas ações dos indivíduos sobre o espaço urbano, conformando-se como fenômeno dinâmico. Esta visão da segregação não como áreas segregadas mas como ação e apropriação dos espaços da cidade possibilita mensurar quanto há de segregação em uma cidade. O modelo mostra a dinâmica das classes sobre o espaço urbano, e o conseqüente panorama da segregação social, visualizado na sobreposição das redes (como um mapa dinâmico da segregação), resultando na propriedade do Nível de Segregação Urbana.

 


Palavras-chave


segregação social; redes sociais; dinâmica das classes; modelagem.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


GIDDENS, A. New Rules of Sociological Method. New York: Basic Books, 1976.

HARVEY, D. Social Justice and the City. Londres, Baltimore: John Hopkins University Press; 1973.

HARVEY, D. “Social Justice, Postmodernism and the City”. International Journal of Urban and Regional Research, 16, 1992.

HILLIER , B., HANSON, J. The Social Logic of Space. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

HILLIER, B., PENN, A., HANSON, J., GRAJEWSKI, T., XU, J. “Natural Movement: or Configuration and Attraction on Urban Pedestrian Movement”. Environment and Planning B, v.20, 1993.

KRAFTA, R. “Modelling Intraurban Configurational development”. Environment and Planning B, v.21, 1996.

KRAFTA, R. “Urban Convergence: Morphology and Attraction”. In: TIMMERMANS, H. (Ed.). Decision Support Systems in Urban Planning. Londres: E&FN Spon, 1997.

LEE, C. M., CULHANE, D. P. “A Perimeter-Based Clustering Index for Measuring Spatial Segregation: a Cognitive GIS Approach”. Environment and Planning B, v.25, p.327-43, 1998.

LEFEBVRE, H. La Production de l’Espace. Paris: Anthropos, 1974

SOJA, E. The Political Organization of Space. Washington, DC: Association of American Geographers, 1971.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Nobel/FAPESP/Lincoln Institute, 1998.

WHEATON, W. C. “Urban Spatial Development with Durable but Replaceable Capital”. Journal of Urban Economics, 12 (53-67), 1981.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.1999n1p133

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia