Construção social da moradia de risco: a experiência de Juiz de Fora (MG)

Maria Auxiliadora Ramos Vargas

Resumo


A problemática da moradia de risco tem ganhado ênfase no debate contemporâneo sobre políticas públicas urbanas. As diversas iniciativas observadas se enquadram, de maneira geral, na perspectiva objetivista do risco, que traz como principal decorrência a demanda pela mensuração e quantificação do fenômeno. Resulta daí uma visão técnica do risco que se apresenta dominante, e que promove não só a noção de que as situações precárias envolvendo grupos específicos são decorrentes de decisões imprevidentes, como também intervenções de remoção que afetam as condições de vida desses grupos. Problematizando esse argumento, a literatura sociológica da construção social do risco sustenta que este é objeto de uma elaboração socialmente diferenciada. Utilizando-se da análise das trajetórias de moradia de famílias removidas de áreas condenadas tecnicamente no município de Juiz de Fora (MG), este artigo aponta discursos e práticas que conformam a resistência da população à noção técnica dominante do risco.

 


Palavras-chave


construção social do risco; desigualdade ambiental; periferia urbana.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


AA.VV. História oral e história de vida. Rio de Janeiro, Dados, Revista de Ciências Sociais, v.27, n.1, 1984.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som – um manual prático. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

BOURDIEU, P. Efeitos de lugar. In: BOURDIEU, P. (Coord.). A miséria do mundo. 3.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1999. p.159-66.

BOURDIEU, P. Sobre o poder simbólico. In: BOURDIEU, P. O poder simbólico. 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BOURDIEU, P. Espaço social e espaço simbólico. In: BOURDIEU, P. Razões práticas. Sobre a teoria da ação. São Paulo: Brasiliense, 1997. p.13-33.

CARDOSO, A. L. A construção social do risco ambiental em uma favela do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ippur/UFRJ, 2005. (Mimeo.)

CARDOSO, A. L. A utopia em construção: modernidade, ecologia e urbanização. In: PIQUET, R.; RIBEIRO, A. C. T. (Orgs.) Brasil, território da desigualdade: descaminhos da modernização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar/Fundação Universitária José Bonifácio, 1991. p.111-20.

CARDOSO, A. L. Balanço da política municipal de habitação 2001-2003.São Paulo: Instituto Polis/PUC-SP, 2004. 4p. (Observatório dos Direitos do Cidadão: acompanhamento e análise das políticas públicas da cidade de São Paulo, 21).

CARDOSO, A. L. Irregularidade urbanística: questionando algumas hipóteses. Cadernos Ippur, ano XVII, n.1, p.35-50, jan./jul., 2003.

CASTIEL, L. D. Lidando com o risco na era midiática. In: MINAYO, M.C. de S.; MIRANDA, A. C. DE (Orgs.). Saúde e ambiente sustentável: estreitando nós. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002. p.113-33.

DOUGLAS, M. Pureza e perigo. Trad. Mônica S. L. Barros & Zilda Pinto Zakia. São Paulo: Perspectiva, 1976.

FOUCAULT, M. Verdade e poder. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2004. p.1-14.

GOMES, N. P. M.; PEREIRA, E. de A.P. Mundo encaixado: significação da cultura popular. Belo Horizonte/Juiz de Fora: Mazza/UFJF, 1992.

GRIZENDI, L. T. Condições de moradia e risco: representações sociais de técnicos e moradores da periferia de Juiz de Fora. Rio de Janeiro, 2003. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

GUIVANT, J. S. Reflexividade na sociedade de risco: conflitos entre leigos e peritos sobre os agrotóxicos. In: HERCULANO, S. C.; PORTO, M. F. de; FREITAS, C. M. Qualidade de vida e riscos ambientais. Niterói: EdUFF, 2000. p.281-99.

HARVEY, D. A justiça social e a cidade. São Paulo: Hucitec, 1980.

JAMUR, M. Representações da pobreza na imprensa carioca. Relatório de pesquisa apresentado ao CNPq, 1994.

LIEBER, R. R.; ROMANO-LIEBER, N. S. O conceito de risco: Janus reinventado. In: MINAYO, M. C. DE S.; MIRANDA, A. C. DE (Orgs.). Saúde e ambiente sustentável: estreitando nós. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002. p.69-111.

MARICATO, E. Metrópole periférica, desigualdade social e meio ambiente. In: DINIZ, N.; SILVA, M.; VIANA, G. (Orgs.). O desafio da sustentabilidade: um debate sócio-ambiental no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001. p.215-32. (Coleção Pensamento Petista.)

MINAYO, M. C. DE S.; MIRANDA, A. C. DE(Orgs.). Saúde e ambiente sustentável: estreitando nós. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002. POLÍTICA NACIONAL DE DEFESA CIVIL. Brasília: Ministério do Planejamento e Orçamento/Secretaria Especial de Políticas Regionais/Departamento de Defesa Civil, 1996.

TORRES, H. DA G. Desigualdade ambiental na cidade de São Paulo. Campinas, 1997. Tese (Doutorado) – Universidade de Campinas.

TORRES, H. DA G. A demografia do risco ambiental. In: TORRES, H.; COSTA, H. (Orgs.) População e meio ambiente: debates e desafios. São Paulo: Editora Senac, 1999. p.53-73.

TURNER, J. C. Una nueva visión del déficit de vivienda. In: LEWIS, D. El crecimiento de las ciudades. Barcelona: Gustavo Gilli, 1971. p.140-51.

VARGAS, M. A. R. Defesa Civil: um olhar crítico. Juiz de Fora, Libertas, v.2, n.1, p.7998, jan./jun. 2002.

VALENCIO, N. F. L. DA S.; CAMPOS, P. F. C.; TRIVELIN, L. M.Gestão de desastres no Brasil: considerações sociais acerca das políticas de emergência ante os perigos hidrometeorológicos. In: VALENCIO, N.F.L. da S.; MARTINS, R.C. (Orgs.) Uso e gestão dos recursos hídricos no Brasil: desafios teóricos e político-institucionais. São Carlos: RiMa, 2003. v.2, p.223-38.

YAZBEK, M. C. Classes subalternas e assistência social. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2006v8n1p59

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia