A convivência com os riscos relacionados às barragens no semi-árido nordestino: conflitos entre representações e práticas sociais

Norma Felicidade Lopes da Silva Valencio, Juliano Costa Gonçalves

Resumo


O objetivo deste artigo é, numa perspectiva crítica, focalizar a racionalidade e as práticas sociopolíticas características do gerenciamento de riscos relacionados às barragens no Nordeste do Brasil. O texto procura mostrar que a barragem pode constituir um outro desastre, ao mesmo tempo em que não impede que secas e cheias ocorram, aumentando, conseqüentemente, a vulnerabilidade da população.

 


Palavras-chave


barragens; grandes projetos; água; desastres; semi-árido; Nordeste.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ANDRADE, M. C. Territorialidades, desterritorialidades, novas territorialidades: os li mites do poder nacional e do poder local. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A.; SILVEIRA, M. L. (Orgs.). Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Editora Hucitec/Anpur, 1994. p.213-20.

BARTOLOMÉ, L. J. Esquemas de reassentamento populacional como processos sociais: questões conceituais e metodológicas. In: BARTOLOMÉ, L. J. Barragens, desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Édile Serviços Gráficos e Editora, 2000.

BECK, U. A. Reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: GIDDENS, A.; BECK, U.; LASH, S. (Orgs): Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Ed. Unesp, 1997. p.11-71.

BONETI, L.W. O silêncio das águas: políticas públicas, meio ambiente e exclusão social. Ijuí-, RS: Editora Unijuí, 1998. BOURDIEU, P. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRAGA, R. Dicionário geográfico e histórico do Ceará. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1967.

BRASÍLIA. Ministério da Integração Nacional. Prevenção e minimização dos riscos de acidentes com barragens. Brasília, 2006. Disponível em http://www.integracao.gov.br/ infraestruturahidrica/index.asp?area=SIH%20-%20Situa%E7%E3o%20de%20 Barragens. Acessado em 8.7.2006.

CÉSAR, C. O pioneirismo na luta pelo desenvolvimento do Nordeste. Fortaleza: DNOCS Especial, Editado pela Divisão de Comunicação Social, dez. 1997.

DNOCS. O Nordeste. Fortaleza: DNOCS, s.d. p.13-35.

DOMBROWSKY, W. R. (1998). Again and again: is a disaster what we call a ‘disaster’? In: QUARANTELLI, E. L. (ed). What is a disaster? Perspectives on the question. London/New York: Routlegde, 1998. p.19-30.

DOUGLAS, M. Risk and blame: essays in cultural theory. New York, Routledge: 1994.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

GIULIETTI, A. M. et al. Rumo ao amplo conhecimento da biodiversidade do semi-árido brasileiro, 2006. Disponível em http://www.uefs.br/ppbio/cd/portugues/introducao.htm/Acessado em 16.8.2006

GONÇALVES, J. C. Propriedade e desapropriação:aconstrução de usinas hidroelétricas e seu impacto sobre o mercado de terras. São Carlos, 1999. Monografia (Graduação) – Universidade Federal de São Carlos.

IRWIN, A. Sociology and the environment: a critical introduction to society, nature and knowlegde. Cambridge and Malden: Polity Press and Blackwell Publishers Ltd., 2001.

MARTINS, H. Para uma sociologia das calamidades revista e ampliada. Lisboa, Episteme, ano II, p.31-67, set. 1999/fev. 2000.

MCCULLY, P. Silenced rivers: the ecology and politics of large dams. London/New Jersey: Zed Books and International Rivers Network, 1996.

MENESCAL, R. et al. Acidentes e incidentes com barragens no Estado do Ceará. In: MENESCAL, RA segurança de barragens e a gestão de recursos hídricos no Brasil. 2.ed. Brasília: Proagua, 2005a. p.55-77.

MENESCAL, RUma metodologia para avaliação do potencial de risco em barragens do semiárido. In: MENESCAL, RA segurança de barragens e a gestão de recursos hídricos no Brasil. 2.ed. Brasília: Proagua, 2005b. p.137-54.

MONTE, F. S. S. Uso e controle das águas no processo de modernização do Estado do Ceará: ocaso da barragem do Castanhão.Rio de Janeiro: 2005. Tese (Doutorado) – Ippur da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PINHEIRO, L. C. M. Notas sobre as secas. Fortaleza, Boletim do DNOCS, n.6, v.20, p.56-133, nov. 1959.

QUARANTELLI, E. L. Introdution. In: QUARANTELLI, E. L. (ed.). What is a disaster? Perspectives on the question. London/New York: Routlegde, 1998. p.1-8.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Editora Hucitec, 1998.

VAINER, C. B. Grandes projetos e organização territorial: os avatares do planejamento regional. In: MARGULIS, S. (Ed.) Meio ambiente: aspectos técnicos e econômicos. Brasília: Ipea, 1990. p.179-211.

VALENCIO, N. F. L. S. Grandes Projetos Hídricos no Nordeste: implicações para a agricultura do semi-árido. Natal: Ed. UFRN, 1995.

VALENCIO, N. F. L. S. Dimensões psicossociais e político-institucionais do desastre de Camará (PB): limitações da resposta da Defesa Civil frente ao rompimento de barragens. ENCONTRO CIÊNCIAS SOCIAIS E BARRAGENS. Rio de Janeiro: Anais Ippur/UFRJ, 2005. 20p. (CD).

VALENCIO, N. F. L. S. et al. Grandes Projetos Hídricos no Estado de São Paulo: análise comparativa dos padrões de desenvolvimento das áreas de influência direta dos reservatórios de Barra Bonita e Jurumirim. São Carlos: UFSCar, 1998. (Relatório de pesquisa.)

VALENCIO, N. F. L. S.; GONÇALVES, J. C. Da confiança à fatalidade: colapso de barragens como limite ao paradigma da modernização? João Pessoa, Política e Trabalho, v.25, p.203-22, out. 2006.

VIOTTI, C. B. Barragens e energia hidroelétrica na América Latina. São Paulo: Édile Serviços Gráficos e Editora, 2000. p.101-11.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara & Koogan, 1982.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2006v8n1p79

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia