Lutas por terra e território, desterritorialização e território como forma social | Land and territory struggles, deterritorialization and territory as a social form

André Dumans Guedes

Resumo


A proliferação e a consolidação das chamadas “lutas por território” levadas adiante por povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais têm se destacado recentemente como um dos fenômenos mais debatidos e examinados no mundo rural brasileiro. Considerando isso, buscamos aqui analisar alguns dos modos por meio dos quais a noção de “território” e categorias correlatas vêm sendo utilizadas nos debates atuais. Inicialmente, apresentamos a forma como alguns autores têm pensado recentemente a distinção entre as demandas por “terra” (geralmente associadas a grupos caracterizados como “camponeses”) e as demandas por “território”. Em seguida, discutimos criticamente o modo como o conceito de “desterritorialização” faz-se presente nos debates em que o “território” está associado a estratégias de defesa de certos grupos diante do avanço de fronteiras econômicas. Por fim, destacamos a relevância analítica de se considerar a noção de “território” como referida a uma forma institucional e a determinados projetos políticos.


Palavras-chave


lutas por território; lutas por terra; desterritorialização; indígenas; povos e comunidades tradicionais

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ACSELRAD, H. Mapeamentos, identidades e territórios. In: ACSELRAD, H. (Org.). Cartografia social e dinâmicas territoriais. Marcos para o debate. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2010. p. 9-45.

ALBERT, B. O ouro canibal e a queda do céu: uma crítica xamânica da economia política da natureza. In: ALBERT, B.; RAMOS, A. Pacificando o branco. São Paulo: UNESP, 1992. p. 239-274.

ALMEIDA, A. W. B. Amazônia: a dimensão política dos ‘conhecimentos tradicionais. In: ALMEIDA, A. W. B (Org.). Conhecimento tradicional e biodiversidade: normas vigentes e propostas. Manaus: PPG-UEA; Fundação Ford; Fundação Universidade do Amazonas, 2008. p. 11-39.

ALMEIDA, A. W. B.. A reconfiguração das agroestratégias: novo capítulo da guerra ecológica. SAUER, S.; ALMEIDA, W. Terras e territórios na Amazônia: demandas, desafios e perspectivas. Brasília: Ed. UnB, 2011. p. 27-43.

ALMEIDA, M. Narrativas agrárias e a morte do campesinato. Ruris – Revista do Centro de Estudos Rurais, Campinas, v. 1, n. 2, p. 157-186, set. 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2016.

ARRUTI, J. M. A emergência dos “remanescentes”: notas para o diálogo entre indígenas e quilombolas. Mana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 7-38, out. 1997. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93131997000200001

BARTOLOMÉ, M. As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Mana, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 39-68, abr. 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132006000100002

CUNHA, M. C.; ALMEIDA, M. Populações tradicionais e conservação ambiental. In: CUNHA, M. C. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac Naif, 2009. p. 277-298. DES CHENE, M. Locating the Past. In: GUPTA, A.; FERGUSON, J. (Org.). Anthropological locations: boundaries and grouns of a field science. Berkeley: University of California Press, 1997. p. 66-85.

DIEGUES, A. C. O Mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, 1996. ENGLUND, H; LEACH, J. Ethnography and the Meta-Narratives of Modernity. Current Anthropology, Chicago, v. 41, n. 2, p. 225-248, abr. 2000.

FELTRAN, G. Fronteiras de tensão. Política e violência nas periferias de São Paulo. São Paulo: Ed. Unesp, 2010.

FIGURELLI, M. Decompondo Registros: Conflitos de Terra em Pernambuco. 2007. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

GOLDMAN, M.; OSSOWICKI, T. M. Ethnicity. In: ROBERTSON, R.; SCHOLTE, J. (Org.). Encyclopedia of Globalization. New York: Routledge, 2006. p. 403-407.

GOMES, F. Roceiros, mocambeiros e as fronteiras da emancipação no Maranhão. In: GOMES, O.; GOMES, F. (Org.). Quase Cidadãos: Histórias e Antropologias da Pós-Emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. p. 146-168.

GUEDES, A. D. O Trecho, as Mães e os Papéis. Etnografia de Movimentos e Durações no Norte de Goiás. Rio de Janeiro: Garamond; ANPOCS, 2013a.

GUEDES, A. D. Lutas por terra e lutas por território nas Ciências Sociais brasileiras: fronteiras, conflitos e movimentos In: ACSELRAD, H. (Org.) Cartografia social, terra e território. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2013b. p. 41-79.

GUEDES, A. D. Fever, movement, passion and dead cities in Northern Goiás. Virtual Brazilian Anthropology (Vibrant), Brasília, v. 11, n. 1, p. 56-95, jun. 2014. Disponível em:

www.vibrant.org.br/downloads/v11n1_guedes.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2016.

GUEDES, A. D.; PEREIRA, J. C. M.; MELLO, M. M. Conflitos, visibilidades e territórios. A participação social da perspectiva dos povos e comunidades tradicionais. In: LOPES, J. S. L.;

HEREDIA, B. (Org.). Movimentos Sociais e Esfera Pública – o mundo da participação: burocracias, confrontos, aprendizados inesperados. Rio de Janeiro: Colégio Brasileiro de Altos Estudos, 2014. v. 1. p. 89-118.

HAESBAERT, R. O Mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HALE, C. Does multiculturalism menace? Governance, cultural rights and the politics of identity in Guatemala. Journal of Latin American Studies, Cambridge, v. 34, n. 3, p. 485-524, ago. 2002.

HALE, C. Neoliberal Multiculturalism: the remaking of cultural rights and racial dominance in Central America. Political and Legal Anthropological Review, v. 28, n. 1, p. 10-28, maio 2005.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Boitempo, 2005.

HOFFMAN, M. B. Mapeamentos participativos e atores transnacionais: a formação de identidades políticas para além do Estado e dos grupos étnicos. In: ACSELRAD, H. (Org.). Cartografia social e dinâmicas territoriais. Marcos para o debate. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2010. p. 47-78.

KENT, M. Práticas territoriais indígenas entre a flexibilidade e a fixação. Mana, Rio de Janeiro, v. 17 n. 3, p. 549-582, dez. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132011000300003

LIMA, A. C. A “identificação” como categoria histórica. In: OLIVEIRA FILHO, J. P. (Org.). Indigenismo e Territorialização. Poderes, Rotinas e Saberes Coloniais no Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Contracapa, 1998. p. 221-268.

LITTLE, P. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília: UnB, 2002. (Antropologia, 322).

MARX, K; ENGELS, F. O manifesto comunista. São Paulo: Boitempo Editorial, 1998.

OFFEN, K. The territorial turn: making black communities in Pacific Colômbia. Journal of Latin American Geography, v. 2, n.1, p. 43-73, dez. 2002.

OLIVEIRA, A. U. Os posseiros voltam a assumir o protagonismo da luta camponesa pela terra no Brasil. In: COMISSÃO PASTORAL DA TERRA (Org.). Conflitos no Campo no Brasil 2010. Goiânia: Comissão Pastoral da Terra, 2011. p. 55-62.

OLIVEIRA FILHO, J. P. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, abr. 1998. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93131998000100003

PALACIOS, G. Campesinato e escravidão no Brasil. Agricultores livres e pobres na Capitania Geral de Pernambuco (1700-1817). Brasília: Ed. UnB, 2004.

PINA CABRAL, J. A pessoa e o dilema brasileiro: uma perspectiva anticesurista. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 78, p. 95-111, jul. 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101- 33002007000200010

SAUER, S; ALMEIDA, W. Conclusão. In: SAUER, S.; ALMEIDA, W. Terras e territórios na Amazônia: demandas, desafios e perspectivas. Brasília: Ed. UnB, 2011. p. 398-425.

SCHWEICKARDT, K. As diferentes faces do Estado na Amazônia: etnografia dos processos de criação e implantação da RESEX Médio Juruá e da RDS Uacari no Médio Rio Juruá. 2010. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

SIDER, G. Lumbee Indian Cultural Nationalism and Ethnogenesis. Dialectical Anthropology, v. 1, n. 2, p. 161-172, 1976.

SIGAUD, L. Efeitos sociais de grandes projetos hidrelétricos: as barragens de Sobradinho e Machadinho. Rio de Janeiro: PPGAS/UFRJ, 1986 (Comunicação, 9).

SIGAUD, L. A forma acampamento: notas a partir da versão pernambucana. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 58, p. 73-92, 2000.

SIGAUD, L. Ocupações de terra, Estado e movimentos sociais no Brasil. Cuadernos de Antropologia Social, Buenos Aires, n. 20, p. 11-23, dez. 2004.

STAVENHAGEN, R. Indigenous peoples: lands, territory, autonomy and self-determination. In: ROSSET, P.; PATEL, R.; COURVILLE, M. Promised Land: Competing Visions of Agrarian Reform. Oakland, CA: Food First Books, 2006. p. 208-211.

VAINER, C. O conceito de atingido. Uma revisão do debate e diretrizes. Rio de Janeiro: Mimeo, 2003.

VELHO, O. O Cativeiro da Besta Fera. In: VELHO, O. Mais Realistas que o Rei. Ocidentalismo, Religião e Modernidades Alternativas. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007. p. 103-132.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2016v18n1p23

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia