Recife, a noiva da revolução: entre os circuitos espaciais da inclusão/exclusão e a resistência urbana contemporânea | Recife, the bride of the revolution: between the spatial circuits of inclusion/exclusion and contemporary urban resistance

Alexandre Sabino do Nascimento

Resumo


Para alcançar o conclamado direito à cidade são necessárias políticas urbanas de estruturação e planejamento verdadeiramente democráticas e que atuem, sobretudo, na regulação do uso e ocupação do solo. Tais políticas só são possíveis por meio de uma práxis urbana fundamentada em instrumentos de democracia direta. Neste artigo, analisamos o caráter protagonista e revolucionário do Recife na história brasileira, ligando-o às contradições sociais e à evolução dessa cidade como uma das mais desiguais do país. O Recife é, atualmente, palco de uma produção do espaço associada a inovações e a projetos urbanos que produzem circuitos espaciais de inclusão/exclusão, com destaque para o Projeto Novo Recife. Todo esse conjunto de elementos recrudesce o caráter segregativo da cidade e também dá margem para o surgimento de movimentos sociais com estratégias e táticas voltadas para a construção de uma nova prática social, marcada por tentativas de educação para a práxis urbana e por atos de ocupação do espaço público, como pode ser visto, por exemplo, nas atividades culturais e políticas realizadas na região do Cais Estelita. Esse cais, além de ser o local onde se insere o Projeto Novo Recife, é cenário de experiências revolucionárias relacionadas à questão urbana.

 


Palavras-chave


cidades rebeldes; circuitos espaciais da inclusão/ exclusão; movimentos sociais; metrópole; reestruturação urbana; Recife; direito à cidade.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


BARBOSA, D. T. Novos recifes, velhos negócios: política da paisagem no processo contemporâneo de transformações da bacia do Pina – Recife/PE: uma análise do Projeto Novo Recife. 2014. 245 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

CASTELLS, M. Cidade, democracia e socialismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BITOUN, J. et al. Região Metropolitana do Recife no Contexto de Pernambuco no Censo 2010. Recife: Observatório das Metrópoles, 2010.

COMPANS, R. Empreendedorismo urbano: entre o discurso e a prática. São Paulo: Unesp, 2005.

CORRÊA, R. L. Inovações espaciais urbanas: algumas reflexões. Revista Cidades, Presidente Prudente, v. 7, n. 11, p. 149-159, 2010.

DIREITOS URBANOS. Perguntas Frequentes – Projeto Novo Recife. v 1.3. Direitos Urbanos, Recife, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2015.

DIREITOS URBANOS. . O que a luta pelo direito à cidade tem a ver com o Ocupe Estelita? Direitos Urbanos, Recife, 27 maio 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2015.

FILGUEIRAS, M. Produção cultural do Movimento Ocupe Estelita ganha fôlego no Recife e já é chamada de ‘novo mangue beat’. O Globo, Rio de Janeiro, 4 dez. 2014. Disponível em: . Acesso: 5 dez. 2014.

FREITAS, A. Recife tem maior variação no preço do metro quadrado de imóveis, diz Fipe. Diário de Pernambuco, Recife, 5 mar. 2012, n.p. Disponível em: . Acesso: 5 ago. 2015.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional municipal no Brasil. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro; Ministério das Cidades, 2013. 78 p.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005

HARVEY, D. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

HARVEY, D. Os limites do Capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

HARVEY, D. A crise da urbanização planetária. Blog da Boitempo. São Paulo, 10 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2015.

HOBSBAWM, Eric J. A era do capital: 1848-1875. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

LACERDA, N. Fragmentação e integração: movimentos de reestruturação espacial das metrópoles brasileiras. In: RIBEIRO, A., LIMONAD, E.; GUSMÃO, P. (Org.). Desafios do planejamento. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012. p. 21-42

LEAL, S. M. R. Empresarialismo competitivo e produção imobiliária no processo de organização do espaço metropolitano do Recife. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL, 10., 2006, Salvador. Anais do X Colóquio Internacional sobre Poder Local: Desenvolvimento e Gestão Social do Território. Salvador: NEPOL/UFBA, 2006.

LEAL, S. M. R. Papel dos agentes econômicos na governança das metrópoles brasileiras: Inovações e Impactos Territoriais dos Grandes Empreendimentos Imobiliários. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 14., 2011, Rio de Janeiro. Anais do XIV Encontro Nacional da Anpur. Rio de Janeiro: ANPUR, 2011.

LEFEBVRE, Henri. De lo rural a lo urbano. Barcelona: Ediciones Península, 1969.

LEFEBVRE, Henri. The Production of Space. London: Blackwell, 1991.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Belo Horizonte: [s.n.], 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

LEFEBVRE, Henri. Espaço e política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

LIMONAD, E.; LIMA, I. G. Entre a ordem próxima e a ordem distante: contribuições a partir da obra de Henri Lefebvre. In: LIMONAD, E. (Org.). Entre a Ordem Próxima e a Ordem Distante: contribuições a partir do pensamento de Henri Lefebvre. Niterói: UFF/GECEL, 2003. p. 15-33.

LUCENA, P. Preços dos imóveis em Recife subiram 22,8% em 5 meses. Acerto de Contas, 24 maio 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 set. 2015.

MASCARENAS, G.; BIENENSTEIN, G.; SÁNCHEZ, F. O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

MARICATO. E. O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2011.

MARICATO. E. É a questão urbana, estúpido! In: MARICATO. E. et al. Cidades rebeldes. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013. p. 19-26

MARX, K. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

MENDONÇA, A. S. A importância do debate acerca do cais José Estelita e do Projeto Novo Recife para a gestão pública. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 16., 2015, Belo Horizonte. Anais do XVI Encontro Nacional da Anpur. Belo Horizonte: ANPUR, 2015.

MOLOCHT, H. The City as a Growth Machine: toward a political economy of place. The American Journal of Sociology, v. 82, n. 2, p. 309-332, sep. 1976.

MUITAS realidades dentro das mesmas cidades. Diário de Pernambuco, Recife, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

NASCIMENTO, A. S. A difusão de grandes projetos de desenvolvimento urbano como inovações espaciais e seu papel no processo de acumulação e expansão geográfica do capital. In: Anais do XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana. Rio de Janeiro, 2013.

OBSERVATÓRIO DO RECIFE. Indicadores do Recife. Recife: Observatório do Recife, 2015.

OLIVEIRA, F. Noiva da Revolução; Elegia para uma re(li)gião: Sudene, Nordeste, planejamento e conflito de classes. São Paulo: Boitempo, 2008.

PONTUAL, V. Experiências urbanísticas e representações de cidade: o Recife civilizado. In: CARNEIRO, A. R. S.; PONTUAL, V. (Org.). História e paisagem: ensaios urbanísticos do Recife e São Luís. Recife: Bagaço, 2005. p. 23-48.

PREÇO do metro quadrado no Recife sobe 17,8% em 2012, maior variação do país. Diário de Pernambuco, Recife, 4 jan. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 ago. 2015.

RECIFE é a 5ª cidade com maior concentração de favelas do país. Diário de Pernambuco, Recife, 21 dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

REYNALDO, A. et al. A reconfiguração espacial da Região Metropolitana do Recife: processo de fragmentação e integração. Anales del V Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo, Barcelona-Buenos Aires, junio 2013. Barcelona: DUOT, 2013, p. 1433-1440.

ROLNIK, R. Grupos se mobilizam no Recife contra projeto imobiliário no cais José Estelita. Blog da Raquel Rolnik, São Paulo, 19 mar. 2012. Disponível em: . Acesso em: 7 set 2015.

ROLNIK, R. As vozes das ruas: as revoltas de junho e suas interpretações. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013. p. 7-12.

ROLNIK, R. A Copa do Mundo no Brasil: tsunami de capitais aprofunda a desigualdade urbana. In: JENNINGS, A. et al. Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas? São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2014.

SANTOS, M. O Espaço Dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005.

SANTOS, M. Espaço e método. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS - SEBRAE. Cenário econômico das MPEs em Pernambuco. Recife: SEBRAE, 2014.

SIMMEL, G. A Metrópole e a vida mental. In: VELHO, O. G. (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2015v17n3p49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia