Canaã dos Carajás: um laboratório sobre as circunstâncias da urbanização, na periferia global e no alvorecer do século XXI | Canaã dos Carajás: a laboratory study concerning the circumstances of urbanization, on the global periphery at the dawn of the 21st century

Ana Cláudia Duarte Cardoso, Lucas Souto Cândido, Ana Carolina Campos de Melo

Resumo


Este artigo aborda o processo de crescimento urbano de Canaã dos Carajás, jovem cidade amazônica. A análise é estruturada dialeticamente segundo a interpretação lefebvriana de níveis da realidade social. O nível global captura o impacto de atividades capital-intensivas (mineração, pecuária e monocultura) na conexão entre o local de produção e o mercado global; o nível misto explica como a urbanização inspirada em processos globais foi mediada por grupos sociais locais; e o nível local revela como pontos cegos na compreensão dos processos em curso comprometem o fortalecimento da diversidade e levam à exclusão dos grupos sociais que mais dependem da terra e da natureza viva. Conclui-se que é necessário articular formulações contemporâneas sobre urbanização aos estudos sobre urbanização brasileira, a fim de explicitar a forma seletiva como as modernizações acontecem e se constituem em novas formas de colonização, sempre que as oportunidades econômicas elaboram as questões socioambientais de modo conservador. 


Palavras-chave


Urbanização, modernização, impactos da mineração, Amazônia, Canaã dos Carajás.

Referências


ACSELRAD, H. A Duração das Cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

______. Novas articulações em prol da justiça ambiental. Democracia Viva, v. 3, p. 42-47, 2005.

______. Ambientalização das lutas sociais? O caso do movimento de justiça ambiental. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, p. 103-120, 2010a. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142010000100010

______. Cartografia social e dinâmicas territoriais: marcos para o debate? 1. ed. Rio de Janeiro: ETTERN/IPPUR, 2010b.

______. MELLO, C. C. A.; BEZERRA, G. N. O que é Justiça Ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

AUGÉ, M. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 1994.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2001.

______. Capitalismo parasitário: e outros temas contemporâneos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2010.

BECKER, B. K. Geopolítica da Amazônia: A Nova Fronteira de Recursos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1982.

BECKER, B. A Urbe Amazônida. Rio de Janeiro: Garamond, 2013.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 11.952, de 25 de junho de 2009. Dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal; altera as Leis nos 8.666, de 21 de junho de 1993, e 6.015, de 31 de dezembro de 1973; e dá outras providências. Lex: Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

BRENNER, N. Theses on Urbanization. Public Culture, v. 25, n. 1 69, p. 85-114, 2013. http://dx.doi.org/10.1215/08992363-1890477.

______ (Ed.). Implosions/Explosions: Towards a Study of Planetary Urbanization. Berlin: Jovis, 2014.

______; SCHMID, C. Towards a new epistemology of the urban? City, v. 19, n. 2-3, p. 151-182, abr. 2015. http://dx.doi.org/10.1080/13604813.2015.1014712

CARDOSO, A. C. et al. Rios e diversidade sócio espacial na Amazônia Oriental. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPARQ, 4., Porto Alegre, 2016. Anais... Porto Alegre: ANPARQ, 2016. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

CARLOS, A. F. O Espaço Urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: Labur Edições, 2007.

COELHO, T. P. Projeto Grande Carajás: Trinta anos de desenvolvimento frustrado. Rio de Janeiro: Ibase, 2014. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

COSTA, F. A. Trajetórias Tecnológicas como Objeto de Política de Conhecimento para a Amazônia: uma metodologia de delineamento. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1, p. 35-52, jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

DIAGONAL URBANA. Relatório Técnico da Revisão do Plano Diretor Participativo de Canaã dos Carajás (RTPPPCC). Canaã dos Carajás: Diagonal Urbana, 2011.

EMMI, M. F. A Oligarquia do Tocantins e o Domínio dos Castanhais. Belém. UFPA/NAEA, 1999.

FUNDAÇÃO DE AMPARO E DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA – FADESP. Relatório de análise da estrutura espacial da cidade de Canaã dos Carajás: padrão de parcelamento do solo, produção de centralidades, mobilidade, mercado de terras e habitacional. Belém: UFPA, 2016.

FERNANDES, D. et al. A formação das elites na Amazônia: diversidade estrutural e estratégias de desenvolvimento regional no século XX. Relatório de Pesquisa (Projeto Edital Universal 2013), 2016.

FERREIRA, J. S. W. São Paulo: o mito da cidade global. 2003. 336 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HARVEY, D. Limites do Capital. São Paulo: Boitempo, 2013[1982].

HECKENBERGER, M. J. As cidades perdidas da Amazônia: A floresta tropical amazônica não é tão selvagem quanto parece. Scientific American Brasil, n. 90, nov. 2009. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Populacional 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

JACOBS, J. The economy of cities. New York: Random House Inc., 2001.

LE GALÈS, P. Neoliberalism and Urban Change: Stretching a Good Idea Too Far?. Territory, Politics, Governance, v. 4, n. 2, p. 154-172, abr. 2016. http://dx.doi.org/10.1080/21622671.2016.1165143

LEFEBVRE, H. A produção do espaço. Belo Horizonte: [s.n.], 2006. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

______. A Revolução Urbana. 3. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008[1970].

LEITÃO, K. O. A dimensão territorial do Programa de Aceleração do Crescimento: Um estudo sobre o PAC no estado do Pará e o lugar que ele reserva à Amazônia no desenvolvimento do país. 2009. 285 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

LOGAN, J. R.; MOLOTCH, H. L. Urban Fortunes: The Political Economy of Place. Los Angeles: University of California Press, 1987.

MELO, A. C. Modernização e Transformações recentes nos processos intra-urbanos no sudeste do Pará. 2015. 139 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

MONTE-MÓR, R. L. M. Urbanização extensiva e lógicas de povoamento: um olhar ambiental. In: SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L.; SOUZA, M. A. A. Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, ANPUR, 1994. p. 169-181.

______. Urbanização, Sustentabilidade, Desenvolvimento: complexidades e diversidades contemporâneas na produção do espaço urbano: In: COSTA, G. M.; COSTA, H. S. M.; MONTE-MÓR, R. L. M. (Org.). Teorias e Práticas Urbanas: condições para a sociedade urbana. Belo Horizonte: C/Arte, 2015. p. 55-70.

MOURA, R. A dimensão urbano-regional na metropolização contemporânea. EURE, v. 38, n. 115, p. 5-31, set. 2012. https://doi.org/10.4067/s0250-71612012000300001

MUXÍ, Z. Ciudad Global. Barcelona: Gustavo Guili, 2004.

NUNES, E. A Gramática Política do Brasil. Rio de Janeiro, Brasília: Zahar, ENAP, 1997.

PARÁ. Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Balança Comercial: Desempenho do Comércio Exterior Paraense. Belém: Investpará, 2014.

PECK, J. Cities beyond Compare? Regional Studies, v. 49, n. 1, p. 160-182, dez. 2014. http://dx.doi.org/10.1080/00343404.2014.980801

POLANYI, K. A grande transformação: as origens da nossa época. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000[1945].

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANAÃ DOS CARAJÁS - PMCC. Lei n. 557 de 03/12/2012. Plano Diretor Municipal de Canaã dos Carajás.

______. Sistema viário. Shapefile. Canaã dos Carajás: PMCC, 2015.

ROBINSON, J. Cities in a World of Cities: The Comparative Gesture. International Journal of Urban and Regional Research, v. 35, n. 1, p. 1-23, jan. 2011. http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-2427.2010.00982.x

______; PARNELL, S. Traveling Theory: Embracing Post-Neoliberalism through Southern Cities. In: BRIDGE, G.; WATSON, S. (Ed.). The New Blackwell Companion To The City. [S.l.: s.n.], 2012. p. 521-531. http://dx.doi.org/10.1002/9781444395105.ch46

ROY, A. Slumdog Cities: Rethinking Subaltern Urbanism. International Journal of Urban and Regional Research, v. 35, n. 2, p. 223-238, 11 mar. 2011. http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-2427.2011.01051.x

SANTOS, M. O Trabalho do Geógrafo no Terceiro Mundo. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

______. Espaço Dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2008[1979].

SILVA, H., DINIZ, S., FERREIRA, V. Circuitos da Economia Urbana e economia dos setores populares na fronteira amazônica: o cenário atual no sudeste do Pará. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 15, n. 2, p. 61-76, nov. 2013. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2013v15n2p61

SMITH, N. Desenvolvimento Desigual. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

STORPER, M. The Neo-liberal City as Idea and Reality. Territory, Politics, Governance, v. 4, n. 2, p. 241-263, abr. 2016. http://dx.doi.org/10.1080/21622671.2016.1158662

TUAN, Y-F. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.

VALE S. A. Complexo S11D, 2016. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2017.

WATSON, V. ‘The planned city sweeps the poor away…’: Urban planning and 21st century urbanization. Progress in Planning, v. 72, n. 3, p. 151-193, out. 2009. http://dx.doi.org/10.1016/j.progress.2009.06.002




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2018v20n1p121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia