Interações espaciais, transporte público e estruturação do espaço urbano

  • Márcio Rogério Silveira Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina
  • Rodrigo Giraldi Cocco Universidade Estadual Paulista (campus de Presidente Prudente), Presidente Prudente, São Paulo
Palavras-chave: interações espaciais, transporte público, valor-trabalho, estruturação da cidade.

Resumo

Para a construção de uma nova abordagem acerca das interações espaciais, que supere a visão clássica a ela atribuída de simples deslocamento, é necessário relacionar a natureza transformadora e dialética das interações ao espaço geográfico. O contato entre elementos espaciais diferentes, combinados através do transporte, possibilita o surgimento de uma característica nova e superior às formações materiais que interagem, reforçando seu caráter dialético. No capitalismo, estas interações se dão segundo interesses hegemônicos de valorização, conformando desigualdades entre setores econômicos, ramos de atividades e espaços, distorcendo as próprias interações que os alimentam. No espaço da cidade, tais processos se chocam e se combinam, manifestando um conflito de frações de capital incumbidas de estruturar este espaço, valorizando-se retroativamente em alguns momentos e manifestando antagonismos em outros. A relação entre o transporte e a estrutura da cidade é bastante apropriada para dar conteúdo a estas discussões.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAGÃO, J. Modernização, abordagem empírica das empresas frente às exigências do transporte. In: BRASILEIRO, A.; HENRY, E. et al (Orgs.). Viação Ilimitada: ônibus das cidades brasileiras. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.

BRANDÃO, C. Território e desenvolvimento. As múltiplas escalas entre o local e o global. Campinas: Ed. Unicamp, 2007. BRASILEIRO, A. et al. Secretaria de viação, fabricação e promoção do ônibus brasileiro.

In: BRASILEIRO, A.; HENRY, E. et al (Orgs.). Viação Ilimitada: ônibus das cidades brasileiras. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.

CALDEIRA, T. P. R. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Edusp, 2000.

CAMPOS, P. A. A dinâmica imobiliária: Elementos para o entendimento da espacialidade urbana. In: Cadernos IPPUR/UFRJ, Rio de Janeiro, UFRJ, ano III, n. especial, p.4770, dez. 1989.

CANÇADO, V. et al. Capacidade gerencial das empresas de ônibus frente ao órgão gestor em Belo Horizonte. In: BRASILEIRO, A.; HENRY, E. et al (Orgs.). Viação Ilimitada: ônibus das cidades brasileiras. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.

CARCANHOLO, R. A categoria marxista de trabalho produtivo. In: Anais do XII Encontro Nacional da Sociedade Brasileira de Economia Política, São Paulo, 2007.

CHEPTULIN, A. A dialética materialista: leis e categorias da dialética. São Paulo: Alfa-Ômega, 1982. CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CORRÊA, R. L. Interações Espaciais. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Explorações geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997, p.279-314.

FARRET, R. L. Paradigmas da estruturação do espaço residencial intra-urbano. In: O espaço da cidade. Contribuições à análise urbana. Gonzáles, Suely Franco Netto et al. (Orgs.). São Paulo: Projeto, 1985. p.73-90.

HARTSHORNE, R. Propósitos e natureza da Geografia. São Paulo: Hucitec, 1978. HARVEY, D. Los limites del capitalismo y la teoria marxista. México: Fondo de Cultura Económica, 1990.

HENRY, E. et al. Ônibus na metrópole, articulações entre iniciativa privada e intervenção pública em São Paulo. In: BRASILEIRO, A.; HENRY, E. et al (Orgs.). Viação Ilimitada: ônibus das cidades brasileiras. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.

HURD, R. Principles of city land values. New York: The record and Guide, 1903. Disponível em: <http://chestofbooks.com/realestate/PrinciplesCityLandValues/index.html>. Acesso em: 27/07/2009.

LOJKINE, J. O estado capitalista e a questão urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MANDEL, E. O Capitalismo Tardio. São Paulo: Abril, 1982. MARX, K. Elementos fundamentales para la critica de la economia política. Buenos Aires: Siglo Vientiuno, 1971.

MANDEL, E. O Capital: Crítica da Economia Política. São Paulo: Difel, 1983.

MANDEL, E. O Capital: crítica da economia política. 10. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

OLIVEIRA, F. Os direitos do antivalor: a economia política da hegemonia imperfeita. Petrópolis: Vozes, 1998.

REIS, N. G. Notas sobre a urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Vias das Artes, 2006.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1999.

SMOLKA, M. O. O capital incorporador e seus movimentos de valorização. In: Cadernos IPPUR/UFRJ, Rio de Janeiro, UFRJ, ano II, n.1, p.41-78, jan/abr. 1987.

SMOLKA, M. Para uma reflexão sobre o processo de estruturação interna das cidades brasileiras: O caso do Rio de Janeiro. In: Espaço e Debates, ano VII, n. 21. São Paulo: NERU, 1987

SPOSITO, M. E. B. O Chão em pedaços: urbanização, economia e cidades no Estado de São Paulo. Tese de Livre Docência em Geografia. Presidente Prudente: FCT/UNESP, 2004.

SUGIURA, Y. Edward Ullman, a geographer searching for spatial science. Jimbun Chiri Academic Journal, Tóquio, 1999. Disponível em: http://wwwsoc.nii.ac.jp/hgeo/ . Acesso em: 8/05/2009.

TOPALOV, C. La urbanización capitalista: algunos elementos para su análisis. México: Edicol, 1979.

ULLMAN, E. Geography as spatial interaction. In: HURST, M. E. (Org.). Transportation Geography. Londres: Macgraw Hill, 1972, p.29-39.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 2005

Publicado
2010-05-31
Seção
Artigos