O turismo e os ícones urbanos e arquitetônicos

  • Ricardo Alexandre Paiva Universidade Federal do Ceará, Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará
Palavras-chave: ícones urbanos e arquitetônicos, turismo, arquitetura, intervenção urbana, placemarketing, imagem turística.

Resumo

Este artigo analisa teórica e historicamente a relação entre o turismo e os ícones urbanos e arquitetônicos, enfatizando o seu papel no panorama contemporâneo. Enfoca ainda a importância destes artefatos (edifícios e grandes projetos e intervenções urbanas) no contexto da produtividade e competitividade urbanas e, consequentemente, na veiculação da imagem turística dos lugares. Discute-se criticamente como a lógica do consumo reforça a relação entre o turismo, os ícones urbanos e arquitetônicos e a imagem turística, que, condicionada pelas práticas sociais (econômicas, políticas e cultural-ideológicas) da globalização, tem direcionado sobremaneira o planejamento, a gestão, as intervenções urbanas, assim como o processo de espetacularização da arquitetura e valorização da sua carga simbólica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Alexandre Paiva, Universidade Federal do Ceará, Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará

Arquiteto e Urbanista, Doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Professor Adjunto de Projeto Arquitetônico do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Ceará. Coordenador do LOCAU_UFC (Laboratório de Crítica em Arquitetura, Urbanismo e Urbanização - DAU-UFC).

Referências

ARANTES, O. B. F. O lugar da Arquitetura depois dos modernos. 3. ed. São Paulo: EDUSP, 2000.

ARANTES, P. F. Arquitetura na era digital-financeira: desenho, canteiro e renda da forma. São Paulo: Editora 34, 2012.

ARGAN, G. C. Arte Moderna. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

ARGAN, G. C. Sobre a tipologia em Arquitetura. In: NESBITT, K. (Org.). Uma nova agenda para a arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2006. p. 267-273.

BAUDRILLARD, J. A sociedade do consumo. Lisboa: Edições 70, 2008.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, W. Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 165-196. (Obras Escolhidas, v. 1).

CHAUÍ, M. S. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2002.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Ed. Unesp; Estação Liberdade, 2001.

FRANCO, P. S. Cartões-postais: fragmentos de lugares, pessoas e percepções. Métis: história & cultura, Caxias do Sul, v. 5, n. 9, p. 25-62, jan./jun. 2006.

FERRARA, L. D. Os significados urbanos. São Paulo: EDUSP; FAPESP, 2000.

HARVEY, D. A arte como renda: globalização e transformação da cultura em commodities. Desígnio: Revista de História da Arquitetura e do Urbanismo, São Paulo: Annablume, n. 4, p. 27-40, 2005.

HAZAN, V. M. O papel dos ícones da contemporaneidade na revitalização dos grandes centros urbanos. Arquitextos, São Paulo, v.4, n. 041.02, out. 2003. Disponível em: < http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/04.041/645 >. Acesso em: 04 jan. 2014.

JAMESON, F. Pós-Modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

JENCKS, C. The iconic building: the power of enigma. London: Francis Lincoln, 2005.

LYNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MATEO, J. L. (Org.). Iconoclastia: news from a post-iconic world. Barcelona: Ed. ETH - Actar, 2009. (Architectural Papers, v. 4).

MONTANER, J. M. Depois do movimento moderno: arquitetura da segunda metade do século XX. Barcelona: Gustavo Gili, 2001.

MOREIRA, A. Turismo e arquitetura: A produção do atrativo via singularidade / notoriedade do lugar. Arquitextos, São Paulo, v. 8, n. 093.05, fev. 2008. Disponível em:< http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/08.093/169 >. Acesso em: 17 jan. 2014.

OCKMAN, J., La nueva política del espetaculo: Bilbaoy la imaginación global. In: LASANSKY, D. M.; MCLAREN, B. (Org.). Arquitectura y turismo. Percepción, representación y lugar. Barcelona: Gustavo Gili, 2006. p. 261-273.

PAIVA, R. A. A metrópole híbrida: o papel do turismo no processo de urbanização da Região Metropolitana de Fortaleza. 2011. 305 f. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PAIVA, R. A. O turismo e as práticas socioespaciais. Revista Turismo & Desenvolvimento (Online), v. 2, p. 1013-1024, 2012.

SÁNCHEZ, F. A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Argos, 2003.

SANTAELLA, L. O Que é Semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983. (Coleção Primeiros Passos, v. 103).

SKLAIR, L. Iconic architecture and capitalist globalization. City, v. 10, n. 1. p. 21-47, 2006.

SKLAIR, L. Iconic Architecture and the Culture-ideology of Consumerism Theory. Culture & Society, n. 27, p. 135-159, sep. 2010.

VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria. Notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. In: ARANTES, O.; MARICATO, E.; VAINER, C. A cidade do pensamento único. Desmanchando Consensos. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 75-103.

VARGAS, H. C. Turismo Urbano: uma nova indústria motriz. Boletim de Turismo e Administração Hoteleira. São Paulo, v. 5, n. 2, p. 38-46, out. 1996.

VENTURI, R.; BROWN, D. S.; IZENOUR, S. Aprendendo com Las Vegas. São Paulo: Cosac Naify, 2003. (Coleção Face Norte, v. 3).

ZUKIN, S. Aprendendo com Disney World. Espaço & Debates, São Paulo, v. 23, n. 43-44, p. 11-27, jan./dez. 2003.

Publicado
2014-05-31
Seção
Artigos | Articles: Cidade, Espetacularização e os Grandes Projetos