O espetáculo dos espaços públicos: vivências e expressões culturais na Zona Portuária do Rio de Janeiro

  • Flora d’El Rei Lopes Passos Universidade Federal de Viçosa, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Mariana, MG
Palavras-chave: cultura, território, identidade, cidade-espetáculo, gentrificação, espaço público, Zona Portuária do Rio de Janeiro.

Resumo

Frente ao modelo de “cidade-espetáculo” que, recorrentemente, relaciona a cultura à concepção de grandes projetos de entretenimento voltados para o turismo e o consumo, este artigo busca descortinar as múltiplas identidades territoriais e expressões culturais presentes nos espaços públicos da Zona Portuária do Rio de Janeiro, que ressignificam a paisagem urbana e sugerem outras ideias ou projetos de cidade. Investiga-se como se redefinem os campos de gravitação da experiência urbana, relacionada a coletivos culturais, frente às ações de “valorização cultural” do atual projeto de “revitalização” urbana – Porto Maravilha; e como esses coletivos (in)corporam, produzem e reproduzem os espaços públicos, recriando constantemente identidades territoriais. Procura-se contribuir para o debate sobre participação no planejamento das cidades, reconhecendo a troca social e o conflito nas transformações urbanas. A cultura é estudada como campo de ressignificação do território e de debate sobre direitos, como o direito à cidade pensada de forma democrática, coletiva e horizontal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flora d’El Rei Lopes Passos, Universidade Federal de Viçosa, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Mariana, MG
Arquiteta e urbanista, mestre em Gestão e Produção do Espaço Urbano (PPGAU-UFF). Atualmente trabalha no Escritório Técnico de Planejamento Territorial e Regularização Fundiária do Campus Fiocruz Mata Atlântica. Áreas de interesse: planejamento urbano; cultura e território; habitação social; regularização fundiária.

Referências

ARANTES, O. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: ARANTES, O; VAINER, C.; MARICATO, E. (Org.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 11-74.

BASTOS, I. VLT em dose tripla: Maracanã e Marina da Glória podem ganhar sistemas de bondes modernos. O Globo, Rio de Janeiro, 27 out. 2010. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/rio/transito/vlt-em-dose-tripla-maracana-marina-da-gloria-podem-ganhar-sistemas-de-bondes-modernos-2934112>. Acesso em: 30 jul. 2014.

BASTOS, I. Prefeitura inicia obras do Museu do Amanhã no Píer Mauá. Extra, Rio de Janeiro, 01 nov. 2011. Disponível em: < http://extra.globo.com/noticias/rio/prefeitura-inicia-obras-do-museu-do-amanha-no-pier-maua-3021286.html>. Acesso em: 30 jul. 2014.

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989.

COMEÇAM as obras para o Museu do Amanhã, no Rio. Portal G1, Rio de Janeiro, 01 nov. 2011. Disponível em: <http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/11/comecam-obras-para-o-museu-do-amanha-no-rio.html>. Acesso em: 30 jul. 2014.

DEBORD, G. A Sociedade do Espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livro Técnico e Científico, 1989.

GLASS, R. London: aspects of change. London: MacGibbon & Kee, 1964.

HAESBAERT, R. Identidades territoriais: entre a multiterritorialidade e a reclusão territorial (ou: do hibridismo à essencialização das identidades). In: HAESBAERT, R; ARAÚJO, F. Identidade e Territórios: questões e olhares contemporâneos. Rio de Janeiro: Access, 2007, p. 33-56.

HARVEY, D. A condição Pós-moderna.São Paulo: Edições Loyola, 1992.

JACQUES, P. B. Zonas de tensão: em busca de micro-resistências urbanas. In: JACQUES, P. B.; BRITTO, F. (Org.). Corpocidade: debates, ações e articulações. Salvador: EDUFBA, 2010, p. 106-119.

KARA-JOSÉ, B. Políticas culturais e negócios urbanos. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2007.

LE BOSSÉ, M. As questões de identidade em Geografia Cultural – algumas concepções contemporâneas. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Org.). Paisagens, textos e identidade. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2004. p. 157-179.

LEFEBVRE, H. The production of space. Oxford: Blackwell, 1991.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Ed. Moraes, 2008.

MEDINA, A. Uma disputa nada Olímpica. Veja Rio. Rio de Janeiro, 8 set. 2010, p. 16-20.

NOGUEIRA, I. Nem hoje nem amanhã? Folha de São Paulo, São Paulo,

jun. 2011.

RIBEIRO, A. C. T. Acumulação primitiva de capital simbólico: sob a inspiração do Rio de Janeiro. In: JEUDY, H.; JACQUES, P. (Org.). Corpos e cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. Salvador: EDUFBA, 2006, p. 39-50.

RIBEIRO, A. C. T. Dança de Sentidos: na busca de alguns gestos. In: JACQUES, P. B.; BRITTO, F. (Org.). Corpocidade: debates, ações e articulações. Salvador: EDUFBA, 2010, p. 24-41

SÁNCHEZ, F. Cidade Espetáculo: política, planejamento e city marketing. Curitiba: Palavra, 1997.

SENNETT, R. Carne e Pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Record, 1997.

SERPA, A. O Espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto: 2007.

SITTE, C. A Construção das cidades segundo seus princípios artísticos. São Paulo: Ática, 1992.

SMITH, N. A gentrificação generalizada: de uma anomalia local à “regeneração” urbana como estratégia urbana global. In: BIDOU-ZACHARIASEN, C. (Org.) De Volta à Cidade: dos processos de gentrificação às políticas de “revitalização” dos centros urbanos. São Paulo: Annablume, 2006, p. 59-87.

VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria. Notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. In: ARANTES, O; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. p. 75-103.

VELASCO, S. MAR à vista. O Globo, Rio de Janeiro, 30 maio 2010.

VERNANT, J. P. Os gregos inventaram tudo. Folha de São Paulo, São Paulo, 31. out. 1999. Caderno Mais, p. 4-5.

ZUKIN, S. The culture of cities. Oxford: Basil Blackwell, 1995.

Publicado
2014-11-30
Seção
Artigos | Articles: Cidade, Espetacularização e os Grandes Projetos