Território, ditadura e desenvolvimento: perspectivas históricas sobre os programas de regionalização no Brasil

Palavras-chave: Regionalização, ditadura civil-militar, urbanização, planejamento urbano, desenvolvimentismo

Resumo

O artigo pretende agregar contribuições para os estudos sobre regionalização no Brasil com a apresentação de um panorama da institucionalização do programa nacional de desenvolvimento regional, no quadro delimitado pela ditadura civil-militar (1964-85). Para isso, são pormenorizados órgãos e instituições especializadas, publicações de experts, entre outras fontes documentais primárias inéditas. Como principal inferência, assume-se que o projeto nacional-desenvolvimentista, associado ao autoritarismo, encontrou nos projetos de regionalização o seu território de materialização por excelência. Esse traço pode ser observado na caracterização de regiões baseada unicamente em critérios econômicos, nos privilégios legislativos concedidos à instalação de fábricas fora das grandes capitais, em planos e projetos de remoção de bairros residenciais em prol de indústrias e, finalmente, na associação da ideia do conceito de regionalização ao de desenvolvimento

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Heberle Viegas, Unilasalle, Canoas, Rio Grande do Sul, RS, Brasil
Arquiteta-urbanista, mestre e doutora em Filosofia. Doutora em História (PUCRS/Freie Universität Berlin), professora do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais (Universidade Lasalle/Unilasalle), professora dos cursos de História e Arquitetura e Urbanismo (Unilasalle) e pesquisadora do Observatório das Metrópoles (Núcleo Porto Alegre). Colaboradora da rede UEDXX (Urbanism of European Dictatorship during the XXth)

Referências

AMENDOLA, Mônica. Uma avaliação do ordenamento territorial no processo de planejamento governamental: estudo do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. São Paulo, Departamento de Geografia-USP, 2012.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro, IPEA/INPES, 1988.

BOMFIM, Paulo Roberto de Albuquerque. Michel Rochefort e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística na década de 1960. Soc. & Nat., Uberlândia, v. 27, n. 3, pp. 365-378, 2015.

BRANDÃO, Carlos.Território e Desenvolvimento: As múltiplas escalas entre o local e o global. Campinas, UNICAMP, 2012.

CERVO, A.L.; BUENO, C. Inserção internacional: a construção dos conceitos brasileiros. São Paulo, Saraiva, 2008.

DÉAK, Csaba. “O processo de urbanização no Brasil: falas e façanhas”. IN: DÉAK, Csaba; SCHIFFER, Sueli Ramos (orgs.). O processo de urbanização no Brasil. São Paulo, Ed. da USP, 1999.

FARIA, Rodrigo Santos de. O Departamento Nacional de Urbanismo e a institucionalização do setor de urbanismo no Governo Federal Brasileiro: um contínuo processo histórico. Oculum ensaios: Revista de Arquitetura e Urbanismo. Campinas, v.12, n. 2, pp. 311-333, 2015.

FELDMAN, Sarah. Planejamento e Zoneamento: São Paulo, 1947-1972. São Paulo, EDUSP/FAPESP, 2005.

FELDMAN, Sarah.1950: a década de crença no Planejamento Regional no Brasil. In: XIII ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. Anais. Florianópolis, ANPUR/UFSC, pp. 01-23, 2009.

FERNANDES, Ana. “Urbanismo como política (1930-1945): formulações e Experiências”. IN: REZENDE, Vera (org.) Urbanismo na Era Vargas: a transformação das cidades brasileiras. Niterói, UFF/Intertexto, 2012.

FERRARI, Celso. Dicionário de urbanismo. São Paulo, Ed. DISAL, 2004.

LEME, Maria Cristina da Silva. “A formação do pensamento urbanístico no Brasil 1965-1985”. IN: LEME, Maria C. da Silva; SOUZA, C. F. de; ALLII, E. (Org.) Urbanismo no Brasil, 1895-1965. São Paulo, Studio Nobel, 1999.

MARTINS, José de Souza. Subúrbio. São Caetano do Sul, Editora Hucitec, 1992.

SANTANA, Arthur Bernady. A Br-163: “Ocupar Para Não Entregar”: a Política Da Ditadura Militar para a ocupação do “Vazio” Amazônico. IN: ANAIS DO XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA/ANPUH. Fortaleza, 2009.

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo, Ed. da USP, 2013.

SCHMIDT, Benicio. O Estado e a política urbana no Brasil. Porto Alegre, Ed. Da UFRGS/ L&PM, 1983.

SCHMIDT, Benicio. A questão urbana. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1986.

SINGER; Paul. Economia política da urbanização. São Paulo, Brasiliense, 1987.

STEINBERGER, Marília. Planejamento Local Integrado: uma fase necessária ao Desenvolvimento Urbano Planejado. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro, Engenharia da Produção, UFRJ, 1976.

UEDA, Vanda. “O papel das redes técnicas: transportes, energia e telecomunicações”. IN: GERTZ, René (dir.); GOLIN, Tau; BOEIRA, Nelson (coord.) História Geral do Rio Grande do Sul: República: da revolução de 1930 a ditadura militar (1930-1985). Passo Fundo, Méritos, 2007.

VERRI, Fernanda. O planejamento urbano integrado e a atuação do SERFHAU no Rio Grande do Sul (1964-1975). Dissertação de Mestrado. Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano, UFRGS, 2014.

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo, Studio Nobel, 1998.

Publicado
2020-03-23
Seção
Artigos - Cidade, História e Cultura