Comércio, Serviços e Cidade. Subsídios para Gestão Urbana

  • Heliana Comin Vargas FAU USP
Palavras-chave: setor terciário, comércio e serviços, demandas locacionais, gestão urbana, comércio e cidade, politicas públicas.

Resumo

O presente artigo pretende contribuir para o entendimento da complexidade do setor terciário, que implica diferentes demandas locacionais, com vistas a fornecer subsídios para alimentar políticas urbanas mais consistentes. Para tanto, discorre-se, inicialmente, sobre a dificuldade de conceituação e classificação das atividades terciárias, buscando explicitar as diferenças entre manufatura, comércio e serviços. Na sequência, são apresentados e discutidos: a composição do terciário; o domínio público ou privado e sua relação com o consumidor (empresas ou indivíduos), bem como sua organização espontânea ou planejada, além de sua alta capacidade de incorporar mudanças. Essas preferências locacionais, nas sociedades capitalistas, que têm como objetivo a viabilidade dos respectivos negócios, apresentam relação direta com a dinâmica urbana (usos e fluxos) e podem, se bem compreendidas, auxiliar na implementação de políticas públicas de dinamização e requalificação urbana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heliana Comin Vargas, FAU USP

Possui graduação, mestrado e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo; Graduação em Economia pela PUC_SP; e, pós-doc pela Academia Internacional do Meio Ambiente, em Genebra. É professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Referências

APPLEBAUM, W. Guidelines for a Store Location Strategy Study. Journal of Marketing. Vol 30, n4, p. 42-45, Out,1966.

ARAUJO, Cristina P. Arquitetura Hoteleira. Meio, Fim ou imagem?. In: Vargas, H. C.& PAIVA, R. A. Turismo, Arquitetura e Cidade. São Paulo: Manole, 2016. p 389-420.

BERRY, J.L. Brian. Geography of Market Centers and Retail Distribution. New Jersey: Englewood Cliff Prentice Hall, 1967.

BRUNA, Gilda Collet. A problemática do dimensionamento de áreas comerciais para uso no planejamento territorial. Tese de doutorado. São Paulo: FAUUSP, 1972.

DALMASSO, Etienne. Les Activités Tertiaires: Leur rôle dans l'organization de l’espace. Tome II; Systemes urbaines et activités tertiaires. Paris: CDU/SEDES, 1976.

DAVIDSON, William R.; SWEENEY D.J.; STAMPFL W. R. Retailing Management. New York: John Willey & Sons, 1988.

FOURQUIM, Guy. História Econômica do Ocidente medieval. Lisboa: Edições 70, 1979.

GALBRAITH, J. O Pensamento Econômico em Perspectiva: uma História Crítica. São Paulo: Pioneira-EDUSP, 1989.

GARREFA, Fernando. Shopping Centers. De centro de abastecimento a produto de consumo. São Paulo: SENAC. 2010.

HIRSCHMAN, Albert O. As Paixões e os Interesses; Argumentos Políticos para o Capitalismo antes de seu Triunfo. Trad. Lúcia Campello. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

JULIANO, Marcelo A. O zoneamento e o território do terciário na cidade de Campinas. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FAUUSP, 2016.

KON, Anita. A Produção Terciária. O Caso Paulista. São Paulo: Nobel. 1992.

KON, Anita. Sobre as atividades de serviço: revendo conceitos e tipologias. Revista de Economia Política. vol. 19, nº 2 (74), p.64-83, abril-junho. 1999.

MARSHALL, J. N. Services and uneven development. Oxford: Oxford University Press,1988.

MASANO, Tadeu F. Planejamento da localização comercial. Mercado Global. p 54-61. Jul-ago, 1985.

MASANO, Tadeu Francisco. Os Shopping Centers e suas relações físico-territoriais e sócio-negociais no município de são Paulo. Tese de doutorado. São Paulo: FAUUSP. 1993.

MEIRELLES, Dimária Silva. O conceito de serviço. Revista de. Economia. Política. vol.26 no.1 São Paulo p 119-136.Jan./Mar. 2006

MILLER, Daniel. A Theory of shopping. Ithaca, New York: Cornell University Press.1998

NELSON, Richard. The Selection of Retail Location. New York: F.W. Dalge, 1958

NUSBAUMER, Jacques. Les services: nouvelle donne de l'economie. Paris: Economica, 1984

RIDDLE, D.I. Service-Led Growth. The Role of the Service Sector in World Development. Nova York: Praeger Publishers, 1986

ROCHEFORT, M.Les activités terciaire: leur rôle dans l'organization de l'espace. Tome I. Formes de relations entre activités tertiaires e l'organization de l'espace. Paris: CDU/SEDES, 1976.

ROLL, Erich. História do Pensamento econômico. In: Panorama da Ciência Econômica. v. 1 , 2, 3, 4 .Lisboa: Cosmos, 1950.

SASSEN, Saskia. As cidades na economia Global. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

SAY, Jean-Baptiste.Tratado de Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

SILVA, Jéssica C. Ruas Comerciais Especializadas e a Dinâmica da Cidade de São Paulo. Relatório Final de Iniciação de Pesquisa de Iniciação Científica. São Paulo: FAUUSP, 2013

SINGER, H. W. Standardized Accountancy in Germany. Nova York: Garland, 1982.

SINGER, P. Trabalhos Produtivos e Excedentes. Revista de Economia Política. Brasiliense, vol.1, n 1., p101-131, jan-mar, 1981.

TIMOTHY Dallen J. Shopping Tourism, Retailing and Leisure. Clevedon, Bufallo, Toronto: Channel View Publication, 2005.

UNDERHILL, Paco. Why we buy? The science of Shopping. NY: Simon &Schuster paperbacks, 2000.

VARGAS Heliana C. A Importância das Atividades Terciárias no Desenvolvimento Regional. Dissertação de mestrado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1985.

_____________ Atividades Terciárias, Inovações Tecnológicas e Estruturação do Espaço Urbano-Regional. Trabalho Programado 01. Apresentado para qualificação do curso de doutorado. FAUUSP. 1990. disponível em www.labcom.fau.usp.br .

_____________ Comércio: Localização Estratégica ou Estratégia na Localização? São Paulo, 1992. Tese (doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo.

_____________ Da escola de Chicago aos Edifícios certificados: um olhar sobre a produção de escritórios na cidade de São Paulo. 1870-2010. In: VARGAS, H. C.& ARAUJO, C. P. Arquitetura e Mercado Imobiliário. São Paulo: Manole. 2014. p 173-221.

_____________ A localização comercial não se define por decreto. Ensaio.Disponível www.labcom.fau.usp.br , postado em 2015.

_____________. Motivaciones del consumidor en la definición del tempo y espacio de las atividades comerciales y de servicios. In: ZAMPRA, J G. MARTINEZ, P .O. (orgs). Ciudad, Comercio Urbano y Consumo. Experiencias desde latinoamérica y europa. Ciudad del Mexico: Universidad Autónoma de México 7 . Instituto de Investigaciones Económicas, 2017. p.193-210.

VARGAS, H. C.& BORTOLLI, O. Flagship Store: um atrativo turístico de luxo.In: Vargas, H. C.& PAIVA, R. A. Turismo, Arquitetura e Cidade. São Paulo: Manole, 2016. p-421-452

VEBLEN, Thorstein. A teoria da Classe ociosa. São Paulo: Pioneira, 1965.

VICENTIN, Thaisa Nunes. Análise do comércio e serviços nos empreendimentos do programa MCMV. Estudo de caso do residencial vista bela. Londrina PR. Dissertação de mestrado Londrina: UEL, 2015.

VILLAÇA, F. A localização como mercadoria. São Paulo: FAU-USP, 1978.

WALKER, Richard. Is there a service economy?" Science and Society, vol. 49, nº 1: 42-83. 1985.

Publicado
2020-03-24
Seção
Artigos - Espaço, Economia e População