Generificando a pesquisa sobre endividamento imobiliário: primeiros desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202135

Palavras-chave:

Endividamento, Metrópole, Rio de Janeiro, Imobiliário, Gênero

Resumo

Esta pesquisa objetiva refletir sobre a presença do endividamento no cotidiano urbano. Com enfoque no endividamento imobiliário, revela um caminho que envolve pesquisas iniciadas com relação à metrópole de São Paulo e que tiveram continuidade com a Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Um de seus principais propósitos é enfrentar a carência de dados e o silenciamento do debate acerca da presença do endividamento imobiliário e da consequente expulsão silenciada. Como desafio, busca corporificar seus estudos, com centralidade no entrecruzamento dos dados de gênero e classe social e com recorte analítico nos editais de leilões de imóveis da Caixa Econômica Federal, refletindo e revelando uma Geografia do Endividamento. Além disso, dá os passos iniciais para um diálogo crítico sobre o peso da dívida e da casa para a mulher em um contexto de precarização, assimetria de remuneração e significação hierárquica entre trabalho produtivo e reprodutivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Elaine da Silva Martins, Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-graduação em Geografia, Niterói, RJ, Brasil

Arquiteta e urbanista, geógrafa, mestre e doutora em Geografia pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisadora e professora do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora associada do Departamento de Geografia da UFF.

Ana Clara Guedes, Universidade Federal Fluminense, Departamento de Geografia, Niterói, RJ, Brasil

Graduanda em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Pesquisadora bolsista de iniciação científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/UFF).

Referências

AALBERS, M. The variegated financialization of housing. International Journal of Urban and Regional Research, 41: in press, 2017.

ABECIP. Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança. Brasil Brokers tem novo modelo para venda de imóvel usado. Disponível em: https://www.abecip.org.br/imprensa/noticias/brasil-brokers-e-banco-inter-tem-novo-modelo-para-venda-de-imovel-usado. Acesso em: 20 dez. 2020.

BINSZTOK, J.; BARBOSA, J. L. Modernização fracassada. Dossiê Comperj. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

BRASIL. Lei de Alienação Fiduciária. Lei nº 9.514, de 20 de novembro de 1997. Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa imóvel e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF: 21 nov. 1997 (ret. em 24 nov. 1997).

BRASIL. Lei nº 13.465 de 11 de julho de 2017. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=13465&ano=2017&ato=534MTTU5EeZpWT6c4. Acesso em: 27 set. 2021.

BUENO, C. T.; NUNES, D. M. Geografias feministas: relações de gênero patriarcais: uma entrevista com Susana Maria Veleda da Silva. Revista Latino-Americana de Geografia e Gênero, v. 10, n. 1, p. 256-264, 2019.

CHESNAIS, F. A finança mundializada: raízes sociais e políticas, configuração, consequências. São Paulo: Boitempo, 2005.

GAGO, V., CAVALLERO, L. Uma leitura feminista da dívida. Porto Alegre: Criação Humana, 2016.

GAGO, V., CAVALLERO, L. Dívida, moradia e trabalho: uma agenda feminista para o pós-pandemia. Disponível em: https://editoraelefante.com.br/divida-moradia-e-trabalho-uma-agenda-feminista-para-o-pos-pandemia/. Acesso em: 20 dez. 20.

GAGO, V., CAVALLERO, L. La Batalla por la proprieadad em clave feminista. [s.d.]. Disponível em: http://revistaanfibia.com/ensayo/la-batalla-la-propiedad-clave-feminista/. Acesso em: 1º jul. 2021.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 7-41, 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em: 20 dez. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo. Censo Demográfico 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 29 set. 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População ocupada: Cadastro Central de Empresas (Cempre) 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/comercio/9016-estatisticas-do-cadastro-central-de-empresas.html?=&t=o-que-e. Acesso em: 29 set. 2021.

LAPORTA, T. Imóveis tomados pela Caixa por falta de pagamento sobem 53% em 1 ano. 31 maio 2016. G1. Disponível em: http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/05/imoveis-tomados-pela-caixa-por- falta-de-pagamento-sobem-53-em-1-ano.html. Acesso em: 20 dez. 2020.

LEFEBVRE, H. Éléments de Rythmanalyse. Introduction à la conaissance des rythmes. Paris: Editions Syllepse, 1992. 116p.

HABER, C. D. (coord.). Perfil do consumidor superendividado e a atuação da Defensoria Pública na renegociação da dívida. Disponível em: https://defensoria.rj.def.br/uploads/arquivos/b7ca8cbd43c24d7f8aa11fce8483026e.pdf. Acesso em: 27 set. 2021.

LOUREIRO, A. L. A espacialidade aberta e relacional do lar: a arte de conciliar maternidade, trabalho doméstico e remoto na pandemia de Covid-19. Rev. Tamoios, São Gonçalo, ano 16, n. 1, esp. Covid-19, p. 154-166, maio 2020.

MARCUSE, P.; MADDEN, D. In defense of housing, the politics of crisis. London; New York: Verso, 2016.

MARTINS, F. E. S. A (re)produção social da escala metropolitana: um estudo sobre a abertura de capitais nas incorporadoras e sobre o endividamento imobiliário urbano em São Paulo. 2011. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MARTINS, F. E. S. Níveis e dimensões da alienação da habitação: endividamento imobiliário e contextos de expulsão. In: SHIMBO, L.; RUFINO, B. (org.). Financeirização e estudos urbanos na América Latina. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2019. p. 260-288.

MARTINS, F. E. S. Aproximações entre a Ritmanálise e a Geografia Urbana. Recursos teóricos e desafios metodológicos. In: LIMONAD, E.; BARBOSA, J. L. (org.). Geografias, reflexões, leituras, estudos. São Paulo: Max Limonad, 2020. p. 96-120.

MARX, K. El capital: Crítica de la economía política. Livro III, secção sétima. México: Fondo de Cultura Economica, 1985.

PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, 2021. Disponível em: http://www.fecomercio.com.br/pesquisas/indice/peic. Acesso em: 27 set. 2021.

REVOL, C. Prefácio. In: LEFEBVRE, H. Éléments de rythmanalyse et autres essais sur les temporalités. Paris: Eterotopie, 2019.

RODRIGUEZ, G. Sobre o endividamento, as vozes das mulheres. In: RODRIGUEZ, G. (org.). O sistema financeiro e o endividamento das mulheres. Rio de Janeiro: Instituto Equit – Gênero, Economia e Cidadania Global, 2020. Disponível em: https://www.equit.org.br/novo/?p=3172. Acesso em: 2 maio 2021.

ROLNIK, R. Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo, 2015.

RYAN-COLLINS, J.; LLOYD, T.; MACFARLANE, L. Rethinking the economics of land and housing. London: ZED Books, 2017.

SHIMBO. L.; RUFINO, B. (org.). Financeirização e estudos urbanos na América Latina. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2019.

TAVARES, R. B. Práticas sociais de resistência na perspectiva de gênero contra indiferença à diferença: por um planejamento de possibilidades. ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 17., 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Anpur, 2017. p. 1-12.

VOLOCHKO, D. A moradia como negócio e a valorização do espaço urbano metropolitano. A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2015.

Publicado

2021-11-29

Edição

Seção

Dossiê: Território, gênero e interseccionalidades