A política do tempo no desastre: disputas pela reparação no reassentamento da comunidade de Paracatu de Baixo

Autores

  • Raquel Oliveira Santos Teixeira Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Sociologia, Belo Horizonte, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0003-1191-4695
  • Maryellen Milena de Lima Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Ambiente e Território, Montes Claros, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0002-5671-9490

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202201pt

Palavras-chave:

desastre, política do tempo, poder, reparação

Resumo

A literatura especializada destaca a disjunção entre o tempo burocrático das respostas institucionais aos desastres e a duração da crise social instalada. O rompimento da barragem de Fundão em Mariana, Minas Gerais, não escapa a essa dinâmica. Neste artigo, buscamos examinar como o tempo institucional da reparação atua e engendra novas correlações de força. Para tanto, investigamos as tratativas para o reassentamento da comunidade de Paracatu de Baixo. O objetivo é problematizar como opera a “política do tempo” no interior das medidas de reparação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Oliveira Santos Teixeira, Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Sociologia, Belo Horizonte, MG, Brasil

Doutora em sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestre em sociologia e bacharel em ciências sociais pela mesma instituição. Subcoordenadora do Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais (GESTA/UFMG), professora do Departamento de Sociologia e do mestrado Associado em Sociedade, Ambiente e Território da UFMG/Unimontes. Professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFMG.

Maryellen Milena de Lima, Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Ambiente e Território, Montes Claros, MG, Brasil

Graduada em Ciências Socioambientais pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestranda em Sociedade, Ambiente e Território pela UFMG/Unimontes e bolsista de Desenvolvimento em Ciência, Tecnologia e Inovação (FAPEMIG) no Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais (GESTA/UFMG).

Referências

ALMEIDA, A. W. B. Terras de Preto, Terras de Santo, Terras de índio: uso comum conflito. In: ALMEIDA, A. W. B. Terras de Quilombo, Terras Indígenas, ‘Babaçuais Livres’, ‘Castanhais do Povo’, Faxinais e Fundos de Pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Coleção Tradição e Ordenamento Jurídico, v. 2. Manaus: Fundação Ford, PPGSCA/UFAM, 2006, p. 101-132.

AUYERO, J. Pacientes del Estado. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Eudeba, 2016.

BOURDIEU, P. Marginalia: algumas notas adicionais sobre o dom. Mana, v. 2, n. 2, 1996, p. 7-20.

BOURDIEU. P. O Ser Social, o Tempo e o Sentido da Existência. Meditações Pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001, p. 253-300.

DURKHEIM, E.; MAUSS, M. Algumas Formas Primitivas de Classificação: contribuição para o estudo das representações coletivas. In: MAUSS, M. Ensaios de Sociologia. São Paulo: Perspectiva, 1999, p. 399-455.

ELIAS, N. Sobre o Tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

EVANS-PRITCHARD, E. E. Tempo e Espaço. In: EVANS-PRITCHARD, E. E. Os Nuer: uma descrição do modo de subsistência e das instituições políticas de um povo nilota. São Paulo: Perspectiva, 2007, p. 107-150.

JARAMILLO, P. Deuda, Desesperación y Reparaciones Inconclusas en la Guajira, Colombia. Antípoda – Revista de Antropología y Arqueología, n. 14, 2012, p. 41-65.

KIRSCH, S. New Politics of Time. Mining Capitalism: the relationship between corporations and their critics. University of California Press, 2014, p. 188-223.

LAS CASAS, L. de. Moradores lutam por nova vida após tragédias em Mariana e Brumadinho: Afetados por rompimento de barragens enfrentam a dor da perda e atrasos na reparação dos danos. Jornal Folha de São Paulo, 3 de nov. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2019/11/moradores-lutam-por-nova-vida-apos-tragedias-em-mariana-e-brumadinho.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwa. Acesso em: fev. de 2020

MARTINS, B. S. Revisitando o Desastre de Bhopal: os tempos da violência e as latitudes da memória. Sociologias, v. 18, n. 43, 2016, p. 116-148.

NADER, L. Harmonia coerciva: a economia política dos modelos jurídicos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 9, n. 26, 1994, p. 18-29.

OSBORNE, P. The Politics of Time. Radical Philosophy, v. 68, 1994, p. 3-9.

PETRYNA, A. Chernobyl’s survivors: Paralyzed by fatalism or overlooked by science? Bulletin of the Atomic Scientists, v. 67, n. 2, 2011, pp. 30-37.

QUEIROZ, L; GERALDA M.; GERALDO, R. Para não esquecer. Paracatu que fica. Moradia: vai reassentar Paracatu, mas como? Jornal A Sirene. Edição 25, 23 de abril de 2018. https://jornalasirene.com.br/moradia/2018/04/23/vai-reassentar-paracatu-mas-como. Acesso em: 10 dez. 2021.

RAMBOLL. Relatório Monitoramento Quadrimestral: compilado de dossiês de questões críticas. 2019. (Jul./2019). Disponível em: http://www.mpf.mp.br/grandes-casos/caso-samarco/documentos/relatorios-ramboll/Relatorio_Quadri_Dossies_Julho19_Vfinal_20-08_19_com_anexos.pdf. Acesso em: 27 out. 2020.

RODRÍGUEZ, H.; QUARANTELLI, E.; DYNES, R. Handbook of Disaster Research. New York, Springer, 2007.

SCOTT, P. Negociações e Resistências Persistentes: Agricultores e a barragem de Itaparica num contexto de descaso planejado. Recife: Editora Universitária UFPE, 2009, p. 137-154.

SILVA, T. C. Desastre como processo: saberes, vulnerabilidade e sofrimento social no caso de Goiânia. In: LEIBING, A. (Org.) Tecnologias do Corpo: uma antropologia das medicinas no Brasil. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2004, p. 201-225.

SYNERGIA SOCIOAMBIENTAL; FUNDAÇÃO RENOVA. Programa de Levantamento e de Cadastramento dos Impactados. (Versão de Julho de 2016). Disponível em: https://www.fundacaorenova.org/wp-content/uploads/2016/11/paper-renova-programa-cadastro_211016.pdf.

VALENCIO, N. Vivência de um Desastre: uma análise sociológica das dimensões políticas e psicossociais envolvidas no colapso de barragens. In: VALENCIO, N.; SIENA, M.; MARCHEZINI, V.; GONÇALVES, J. (Orgs.). Sociologia dos Desastres: construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: RiMA Editora, 2009.

VALENCIO, N. Desastre como Prática Sociopolítica de Solapamento da Segurança Humana. In: DO CARMO, R.; VALENCIO, N. Segurança Humana no Contexto dos Desastres. São Carlos: Editora RiMA, 2014, p. 15-44.

VERDERY, K. The ‘Etatization’ of Time in Ceauşescu’s Romania. In: VERDERY, K. What was Socialism and What Comes Next? Princeton University Press, 1996. Disponível em: https://muse.jhu.edu/chapter/1396972/pdf. Acesso em: 15 abr. 2020.

ZHOURI, A.; OLIVEIRA, R. S. TEIXEIRA; ZUCARELLI, M. C.; MAGALHAES, M. V. The Rio Doce Mining Disaster in Brazil: between policies of reparation and the politics of affectations. Vibrant, v.14, 2017, p. 81-101.

ZUCARELLI, M., C. A matemática da gestão e a alma lameada: Os conflitos da governança no licenciamento do projeto de mineração Minas-Rio e no desastre da Samarco. Tese. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.

WOORTMANN, E. Herdeiros, Parentes e Cumpadres: colonos do Sul e sitiantes do Nordeste. São Paulo, Brasília: HUCITEC, Edunb, 1995.

Publicado

2022-03-14

Edição

Seção

Artigos - Ambiente, Gestão e Desenvolvimento