“A gente está no centro deles”: mineração e produção de desastres

Autores

  • Maria Cecília Rocha Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Arquitetura, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0002-9391-7656
  • Ana Paula Baltazar Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Arquitetura, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3738-889X

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202410pt

Palavras-chave:

Mineração, Desastre, Neoextrativismo, Grupo Sócio-espacial, Navegação Social, Expropriação, Nova Lima

Resumo

O artigo recorre à história do Mingú, bairro situado no centro das atividades de uma longeva empresa de mineração, em Nova Lima, Minas Gerais, para discutir a inter-relação entre a produção dos desastres ao longo do tempo e a formação de um grupo sócio-espacial. A narrativa é informada por fragmentos do cotidiano, buscando evidenciar tendências e conjuntos de processos mais amplos, indo além da singularidade do contexto apresentado. Assim, são analisados três momentos da história do Mingú, revelando a continuidade entre extrativismo e neoextrativismo e a noção de que os desastres não se restringem a eventos naturais, isolados no tempo e no espaço. Nesse processo histórico, a constituição do grupo é entendida pela forma como suas práticas cotidianas se inserem num contexto instável, permeado pela expropriação e pela dificuldade de consciência sócio-espacial e autonomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cecília Rocha, Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Arquitetura, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, MG, Brasil

Arquiteta e urbanista, mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Integra os grupos de pesquisa Morar de Outras Maneiras (MOM) e Laboratório Gráfico para Experimentação Arquitetônica (Lagear) na Escola de Arquitetura da UFMG.

Ana Paula Baltazar, Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Arquitetura, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, MG, Brasil

Arquiteta e urbanista, mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutora pela Bartlett School of Architecture, University College London. É professora da Escola de Arquitetura, Departamento de Projetos e Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (NPGAU) da UFMG, membro da coordenação colegiada do Grupo de Pesquisa Morar de Outras Maneiras (MOM) e co-coordenadora do Lagear (Laboratório Gráfico para Experimentação Arquitetônica) na Escola de Arquitetura da UFMG.

Referências

ACOSTA, A. Extrativismo e neoextrativismo: Duas faces da mesma maldição. In: DILGER, G.; LANG, M.; FILHO, J. P. (eds.). Descolonizar o imaginário: Debates sobre o pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. Tradução: Igor Ojeda. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2016. p. 46-85.

ANGLOGOLD ASHANTI. Mineração de Ouro. Home. Disponível em: https://www.anglogoldashanti.com.br. Acesso em: 23 jan. 2023.

ANTONELLI, M. A. Megaminería transnacional y invención del mundo cantera. Nueva Sociedad, n. 252, p. 72-86, ago. 2014.

AS MINAS de Morro Velho. Jornal do Commercio (RJ), v. 64, n. 323, p. 1, 1886. Acervo da Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional.

BANKOFF, G. In the eye of the storm: The social construction of the forces of nature and the climatic and seismic construction of God in the Philippines. Journal of Southeast Asian Studies, v. 35, n. 1, p. 91-111, fev. 2004.

BARRIOS, R. E. What does catastrophe reveal for whom? The anthropology of crisis and disasters at the onset of the anthropocene. Annual Review of Anthropology, v. 46, p. 151-166, 2017.

BURTON, R. Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho. Brasília: Senado Federal, [1869] 2001. 530 p.

DESASTRE no Morro Velho. Diário de Notícias, v. 2, n. 526, p. 1, 1886. Acervo da Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional.

DESLIZAMENTO faz Morro Velho fechar sua velha mina de ouro. Jornal do Brasil, p. 12, 21 fev. 1987. Acervo da Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional.

FEDERICI, S. Acumulação primitiva, globalização e reprodução. In: FEDERICI, S. Reencantando o mundo: feminismo e a política dos comuns. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2022. pp. 46-61.

FERRAND, P. O ouro em Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1998. 350 p.

FRASER, N. Contradições entre capital e cuidado. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 27, n. 53, p. 261-288, [2016] 2020.

GROSSI, Y. Mina de Morro Velho: a extração do homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. 265 p.

GUDYNAS, E. Extractivismos: Ecología, economía y política de un modo de entender el desarrollo y la naturaleza. Cochabamba: CEDIB/CLAES, 2015. 453 p.

GUDYNAS, E. Extractivismos en América del Sur: conceptos y sus efectos derrame. In: ZHOURI, A.; BOLADOS, P.; CASTRO, E. (eds.). Mineração na América do Sul: Neoextrativismo e Lutas Territoriais. São Paulo: Annablume, 2016. p. 24-46.

HEWITT, K. The idea of calamity in a technocratic age. In: HEWITT, K. (ed.). Interpretations of calamity from the viewpoint of human ecology. Boston: Allen & Unwin, 1983. p. 3-32.

KAPP, S. Grupos sócio-espaciais [2018]. In: KAPP, S.; BALTAZAR, A. (eds.). Moradia e outras margens. Volume 1. Belo Horizonte: MOM, 2021. p. 151-170.

KAPP, S.; BALTAZAR, A. P. O paradoxo da participação [2012]. In: KAPP, S.; BALTAZAR, A. (eds.). Moradia e outras margens. Volume 1. Belo Horizonte: MOM, 2021. p. 437-458.

KIRSCH, S. Lost Worlds: Environmental Disaster, “Culture Loss”, and the Law. Current Anthropology, v. 42, n. 2, p. 167-178, 2001.

LASCHEFSKI, K. A. Rompimento de barragens em Mariana e Brumadinho (MG): Desastres como meio de acumulação por despossessão. AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, v. 2, n. 1, p. 98, 22 jun. 2020.

LEFEBVRE, H. A re-produção das relações de produção. Porto: Publicações Escorpião, 1976.

LEFEBVRE, H. The Production of Space. Oxford & Cambridge: Blackwell, 1991. 454 p.

LIBBY, D. C. Trabalho escravo e capital estrangeiro no Brasil: O caso de Morro Velho. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1984. 158 p.

LIMA, A. Um município de ouro: memória histórica. Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1901. v. 6. p. 319-364.

MACHADO ARÁOZ, H. Mineração, genealogia do desastre: O extrativismo na América Latina como origem da modernidade. São Paulo: Elefante, 2020. 324 p.

MÉSZÁROS, I. Consciência de classe necessária e consciência de classe contingente [1971]. In: MÉSZÁROS, I. Filosofia, ideologia e ciência social: ensaios de negação e afirmação. São Paulo: Ensaio, 1993, pp. 75-119.

MINERAÇÃO MORRO VELHO S.A. Para a Morro Velho, segurança vale mais que ouro. Jornal do Brasil, p. 5, 22 mar. 1987. Acervo da Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional.

MISOCZKY, M. C.; OLIVEIRA, C. M. DE; FLORES, R. K. Henri Lefebvre – marxista e humanista: traços de sua apropriação no planejamento urbano e nos estudos organizacionais. In: SARAIVA, L. A. S.; ENOQUE, A. G. (eds.). Cidades e Estudos Organizacionais: Um Debate Necessário. Ituiutaba: Barlavento, 2019. p. 381-421.

O’KEEFE, P.; WESTGATE, K.; WISNER, B. Taking the naturalness out of natural disasters. Nature, v. 260, n. 5552, p. 566-567, 1976.

OLIVER-SMITH, A. Peru’s five-hundred-year earthquake: vulnerability in historical context [1999]. In: OLIVER-SMITH, A.; HOFFMAN, S. M. (eds.). The Angry Earth. New York: Routledge, 2019a. p. 29-44.

OLIVER-SMITH, A. What is a disaster?: Anthropological Perspectives on a Persistent Question [1999]. In: OLIVER-SMITH, A.; HOFFMAN, S. M. (eds.). The Angry Earth. New York: Routledge, 2019b. p. 29-44.

PIONEIRA a companhia de Morro Velho em assistência social: Benefícios aos trabalhadores e suas famílias, amparo a organizações beneficentes e contribuições para Institutos. Correio da Manhã, p. 8, 15 mar. 1956. Acervo da Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional.

PIRES, C. T. P. Evolução do processo de ocupação urbana do município de Nova Lima: um enfoque sobre a estrutura fundiária e a produção de loteamentos. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA. A história da cidade. Disponível em: https://novalima.mg.gov.br/historia-da-cidade. Acesso em: 19 jul. 2023.

QUARANTELLI, E. L. What is disaster? The need for clarification in definition and conceptualization in research. In: SOWDER, B. (Ed.). Disasters and Mental Health Selected Contemporary Perspectives. Washington D.C.: U.S. Government Printing Office, 1985. p. 41-73.

ROBBINS, P. Political versus Apolitical Ecologies. In: ROBBINS, P. Political Ecology: A Critical Introduction. Chichester, West Sussex; Malden, MA: Wiley Blackwell, 2012. p. 11-24.

SANTOS PIRES, A. O. dos. Cata-Branca. In: OZZORI, M. (Ed.). Almanack administrativo, mercantil, industrial, scientifico e litterario do Município de Ouro Preto. Belo Horizonte: Mazza, 1890. p. 137–141.

SOUZA, M. L. DE. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SUN, L.; FAAS, A. J. Social production of disasters and disaster social constructs: An exercise in disambiguation and reframing. Disaster Prevention and Management: An International Journal, v. 27, n. 5, p. 623-635, 2018.

SVAMPA, M. Commodities consensus: Neoextractivism and enclosure of the commons in Latin America. South Atlantic Quarterly, v. 114, n. 1, p. 65–82, 2015.

TIERNEY, K. J. The social roots of risk: producing disasters, promoting resilience. Stanford, California: Stanford business books, 2014.

TRINER, G. D. Property Rights, Kinship Groups, and Business Partnership in Nineteenth and Twentieth Century Brazil: The Case of the St. John d’El Rey Mining Company, 1834-1960. Business and Economic History online, v. 2, 2004.

VALENCIO, N. Elementos constitutivos de um desastre catastrófico: os problemas científicos por detrás dos contextos críticos. Ciência e Cultura, v. 68, n. 3, p. 41–45, set. 2016.

VALENCIO, N. et al. A produção social do desastre: dimensões territoriais e político-institucionais da vulnerabilidade das cidades brasileiras frente às chuvas. Revista Teoria & Pesquisa, v. 44-45, p. 67-114, 1 jan. 2004.

VIGH, H. Motion squared: A second look at the concept of social navigation. Anthropological Theory, v. 9, n. 4, p. 419-438, dez. 2009.

VIGH, H. Youth Mobilisation as Social Navigation. Reflections on the concept of dubriagem. Cadernos de Estudos Africanos, n. 18/19, p. 140-164, jun. 2010.

WELKER, M. A. “Corporate Security Begins in the Community”: Mining, the Corporate Social Responsibility Industry, and Environmental Advocacy in Indonesia. Cultural Anthropology, v. 24, n. 1, p. 142-179, 2009.

ZHOURI, A. Desregulação ambiental e desastres da mineração no Brasil: uma perspectiva da Ecologia Política. In: CASTRO, E. M. R. DE; CARMO, E. do (eds.). Dossiê desastres e crimes da mineração em Barcarena, Mariana e Brumadinho. Belém: NAEA Editora, 2019. p. 43-52.

ZHOURI, A. et al. O desastre da Samarco e a política das afetações: classificações e ações que produzem o sofrimento social. Ciência e Cultura, v. 68, n. 3, p. 36-40, 2016.

ZHOURI, A.; OLIVEIRA, R. Quando o lugar resiste ao espaço: colonialidade, modernidade e processos de territorialização. In: ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. (Eds.). Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p. 439-462.

Publicado

2024-03-02

Como Citar

Rocha, M. C., & Baltazar, A. P. (2024). “A gente está no centro deles”: mineração e produção de desastres. Revista Brasileira De Estudos Urbanos E Regionais, 26(1). https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202410pt

Edição

Seção

Dossiê Neoextrativismo e autoritarismo