Os instrumentos da Reforma Urbana e o ideal de cidadania: as contradições em curso

Luciana Correa do Lago

Resumo


O ensaio busca confrontar o projeto de cidadania, contido no ideário da Reforma Urbana, com os rumos da política urbana brasileira, local e nacional, direcionada para a ampliação dos direitos de acesso à cidade. A análise tem como foco as políticas de regularização e urbanização de assentamentos populares, tendo em vista o lugar central que ocupa, hoje, a ilegalidade da moradia na formulação da questão urbana brasileira e nas ações públicas daí decorrentes. Trata-se de uma avaliação dos princípios das políticas em curso e de seus efeitos no campo valorativo do ideal igualitário. Parte-se da idéia de que os instrumentos legais acionados nos assentamentos, particularmente a Zeis, carregam princípios contraditórios. Questiona-se em que medida as normas e os padrões específicos instituídos nesses territórios institucionalizam duas classes de cidadãos, ou seja, duas referências de bem-estar, de direito social e de direito de propriedade; ambas legais e legítimas. Busca-se contribuir com o debate sobre as possibilidades de “convivência” entre igualdade e diferença, ou mesmo entre igualdade e liberdade, numa sociedade hierarquizada e profundamente desigual, onde a diferença é a expressão da inferioridade dos pobres.

 


Palavras-chave


cidadania; política urbana; habitação.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ALFONSÍN, B. M. Direito à moradia: instrumentos e experiências de regularização fundiária nas cidades brasileiras. FASE-GTZ-IPPUR/UFRJ-Observatório, 1997.

ALFONSÍN, B. M.; FERNANDES, E. Da igualdade e da diferença. Texto encaminhado para a Rede de Regularização: regularizacao@cidades.gov.br, 2004.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social. Uma crônica do salário. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

CHAUÍ, M. Considerações sobre a democracia e alguns dos obstáculos à sua concretização. Trabalho apresentado no Seminário “Os sentidos da Democracia e da Participação”, ABONG e outros, São Paulo, julho de 2004.

DE SOTTO, H. O mistério do capital. Rio de Janeiro: Record, 2001.

DUARTE, L. F. et al. Vicissitudes e limites da conversão à cidadania nas classes populares brasileiras. RCBS, n.22, p.5-19, junho de 1993.

INSTITUTO PÓLIS (Coord.) Regularização da terra e da moradia: o que é e como implementar. 2002.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Planejamento territorial urbano e política fundiária. Brasília, Cadernos M Cidades, n.3, 2004.

MIRANDA, L.; MORAES, D. “O Plano de Regularização das Zonas Especiais de Interesse Social (PREZEIS) do Recife: democratização da gestão e planejamento participativo”. Pesquisa Rede Habitat: Rede Nacional da Avaliação e Disseminação de Experiências Alternativas em Habitação Popular. Relatório, 2003.

NUNES, E. “Carências urbanas e modos de vida”. São Paulo em Perspectiva, v.4, n.2, p.2-7, 1990.

PIQUET, R. Cidade-empresa: presença na paisagem urbana brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2004v6n2p27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia