Desigualdades socioespaciais nas cidades do agronegócio

Denise Elias, Renato Pequeno

Resumo


No Brasil, a territorialização do capital e a oligopolização do espaço agrário têm promovido profundos impactos socioespaciais, tanto no campo como nas cidades. Isto explica em parte a reestruturação do território e a organização de um novo sistema urbano, muito mais complexo – resultado da difusão da agricultura científica e do agronegócio globalizados – e que têm poder de impor especializações produtivas ao território. Neste artigo, defende-se a tese de que é possível identificar no Brasil agrícola moderno vários municípios cuja urbanização se deve diretamente à consecução e expansão do agronegócio, formando-se cidades cuja função principal claramente se associa às demandas produtivas dos setores associados à modernização da agricultura – sendo que nestas cidades se realiza a materialização das condições gerais de reprodução do capital do agronegócio. Para tanto, são apresentados alguns pressupostos que explicariam este tipo de cidade, que denominamos de cidade do agronegócio. Da mesma forma, considerando que a difusão do agronegócio se dá de forma social e espacialmente excludentes, promovendo o acirramento das desigualdades, buscamos mostrar algumas das formas como elas se reproduzem nas cidades do agronegócio. A moradia é a principal variável de análise destas desigualdades.

 


Palavras-chave


agricultura científica; agronegócio; reestruturação urbana; cidades do agronegócio; desigualdades socioespaciais.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


CAMPOS, C. M. Cidades Brasileiras: seu controle ou o caos. São Paulo: Nobel, 1992.

CARLOS, A. F. A. O Espaço Urbano. São Paulo: Contexto, 2004.

CARVALHO, O. Nordeste: a falta que o planejamento faz. In: GONÇALVES, M. F. (Org.). Regiões e Cidades, cidades nas regiões. São Paulo: Unesp, Anpur, 2003.

ELIAS, D. Globalização e Agricultura. São Paulo: Edusp, 2003.

ELIAS, D.; PEQUENO, R. Difusão do agronegócio e novas dinâmicas sócio-espaciais. Fortaleza: BNB, 2006. 484p.

MARICATO, E. Brasil, Cidades. Petrópolis: Vozes, 2001.

PASTERNAK, S. Favelas e Cortiços no Brasil. São Paulo: LAP, 1997.

SANTOS, M. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1985. SANTOS, M. Os circuitos espaciais da produção. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A. de (Orgs.). A Construção do Espaço. São Paulo: Nobel, 1986a.

SANTOS, M. A região concentrada e os circuitos produtivos. Relatório de pesquisa O centro nacional: Crise mundial e redefinição da região polarizada. São Paulo: Depto de Geografia USP, 1986b (datilografado).

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SANTOS, M. A Urbanização Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, M. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SANTOS FILHO, M; FERNANDES, A. A Modernização do campo nos cerrados baianos. Espaço e Debates, ano VIII, 1988, n. 25 (63:75).

VILLAÇA, F. Espaço Intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2007v9n1p25

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia