O papel das tecnologias de comunicação e informação (TIC) no urbano do século XXI e na emergência dos novos movimentos sociais: reflexões a partir de experiências na Megacidade de São Paulo | The role of the Information and Communication Technologies (ICT) in the urban 21st century and in the emergence of new social movements: reflections on experiences in the São Paulo megacity

Juliana Barbosa Zuquer Giaretta, Gabriela Marques Di Giulio

Resumo


A emergência das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) tem alterado os modos de vida e as relações entre os indivíduos no espaço urbano. Experiências registradas no mundo têm mostrado que os indivíduos, ao se organizarem em grupos e trocarem informações em rede, agindo como actantes, experienciam novos movimentos sociais urbanos, difundem práticas de interação colaborativas e criativas e provocam uma participação mais ativa, que busca superar os limites da esfera opinativa e consultiva. Na megacidade de São Paulo, essas iniciativas também ganham repercussão. Neste artigo são analisadas algumas dessas experiências, buscando refletir a respeito de como as TIC têm sido apropriadas na reivindicação do direito à cidade por meio da mobilização de recursos e estratégias de organização e ação dos cidadãos inseridos nesses novos movimentos.


Palavras-chave


Movimentos sociais, espaços públicos urbanos, direito à cidade, tecnologias de comunicação e informação, megacidade de São Paulo.

Referências


AKRICH, M.; CALLON, M.; LATOUR, B. Sociologie de la traduction: textes fondateurs. Paris: Ecole dês Mines de Paris, 2006.

ALONSO, A. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova,São Paulo, n.76, p. 49-86, 2009.doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452009000100003

ANTONUCCI, M.C.; FIORENZA, A. Democraziadalbasso: cittadiniorganizzati a Roma e nel Lazio. Roma: Gangemi, 2016.

ATKINSON, R.; FLINT, J. Accessing hidden and hard-to-reach populations: snowball research strategies. Social Research Update, Guildford, n. 33, 2001. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

BARBER, B. Strong democracy: participatory politic for a new age. Berkley: UniversityofCalifornia Press, 1984.

BAUMAN, Z. Babel: entre a incerteza e a esperança. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

BECK, U. La sociedad del riesgo global. Madrid: Siglo XXI España, 2002.

______. A política na sociedade de risco. Revista Ideias, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 229-252, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

BECK, U.; GIDDENS, A.; LASH, S. Réplicas e críticas. In: ______. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp, 1996. p. 207-254.

BOURDIEU, P. The forms of capital. In: RICHARDSON, J. (Comp.). Handbook of theory and research for the sociology of education. New York: Greenwood, 1985. p. 241-258.

CARLOS, A.F. A. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo:FFLCH, 2007.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação, economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

______.Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

______. O poder da comunicação. Paz e Terra: Rio de Janeiro, 2015.

COLDING, J.; BARTHEL, S. The potential of ‘Urban Green Commons’ in the resilience building of cities. EcologicalEconomics,Amsterdam, v. 86, p. 156-166, fev. 2013. doi: https://doi.org/10.1016/j.ecolecon.2012.10.016

DAGNINO, E.; OLIVEIRA, A.J. Para uma outra leitura da disputa pela construção democrática na América Latina. In: DAGNINO, E.; OLIVEIRA, A. J.;PANFICHI, A. (Org.). A disputa pela construção democrática na América Latina.São Paulo: Paz e Terra, 2006. p. 13-96.

DANN, G. E.;HADDOW, N. Just doing business, or doing just business: Google, Microsoft, Yahoo!, and the business of censoring China’s Internet. Journal of Business Ethics, New York,v. 79, n. 3, p. 219-234, maio2008.doi: https://doi.org/10.1007/s10551-007-9373-9

DI FELICE, M. Paisagens pós-urbanas: o fim da experiência urbana e as formas conunicativas do habitar. São Paulo:Annablume, 2009.

______.Net-ativismo e ecologia da ação em contextos reticulares. Contemporanea: Revista de Comunicação e Cultura, Salvador, v. 11, n. 2, p. 267-283, maio/ago. 2013a. Disponívelem: . Acesso em: 26 jul. 2017.

______. Ser redes: o formismo digital dos movimentos net-ativistas. MATRIZes, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 49-71, jul./dez. 2013b.doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v7i2p49-71

DI FELICE, M.; TORRES, J. C.; YANAZE, L. K. H. Redes digitais e sustentabilidade: as interações com o meio ambiente na era da informação. São Paulo: Annablume, 2012.

DI GIULIO, G.M. et al. Mudanças climáticas, riscos e adaptação na megacidade de São Paulo: sustentabilidade em debate, 2017 (no prelo).

GARRETT, K. Protest in an information society: A review of literature on social movements and new ICTs. Information, Communication and Society, Abingdon, v. 9, n. 2, p. 202-224, 2006.doi: https://doi.org/10.1080/13691180600630773

GAUDIN, J. P. A governança moderna, ontem e hoje: alguns esclarecimentos a partir das políticas públicas francesas. In: Curso de Gestão Urbana das Cidades. 14 a 26 de maio de 2001. Belo Horizonte/MG: EG/FJP, WBI, LILP, ESAF, IPEA.

GIDDENS, A. Risk and responsibility. Modern Law Review, Hoboken,v. 62, n.1, p. 1-10, 1999.doi: https://doi.org/10.1111/1468-2230.00188

______. Sociologia. Porto Alegre: Artmed, 2005.

GOHN, M. G. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 47, p. 333-361, maio/ago., 2011. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782011000200005

______. Sociologia dos movimentos sociais. São Paulo: Cortez, 2014.

GUIMARÃES, N.A.; MARTIN, S. (Org.) Competitividade e desenvolvimento:atores e instituições locais. São Paulo: Senac, 2001.

HARVEY, D. The right to the city. New Left Review, London, n. 53, p. 23-40,set./out. 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

______.Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

JAEGER, P.T.; MATTESON, M. E-government and technology acceptance: the implementation of Section 508 guidelines for e-government websites. ElectronicJournalof E-Government, Reading, v. 7, n. 1, p. 87-98, 2009. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

KARAMAGIOLI, E. et al. Environmental democracy via ICT: public participation via ICT towards a sustainable environmental. In: EASTERN EUROPEAN EGOV DAYS, 8., 2010, Praga. Proceedings…Praga, 2010.

LATOUR, B. On actor-network theory: afew clarifications plus more than afewcomplications. SozialeWelt, Berlin, v. 47, p. 369-381, 1996.

LEFEBVRE, H. Da cidade à sociedade urbana. In: ______. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. p. 15-32.

______.Dissolving city, planetary metamorphosis. Environment and Planning D: Society and Space, Thousand Oaks, v. 32, n. 2, p. 203-205, 2014. doi: https://doi.org/10.1068/d3202tra

LEITE, C. São Paulo, megacidade e redesenvolvimento sustentável: uma estratégia propositiva.URBE: Revista Brasileira de Gestão Urbana, São Carlos, v. 2, n. 1, p. 117-126, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

LEMOS, A.A comunicação das coisas:teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

LEMOS, A.; LÉVY, P. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

LIRA, J.; FERNANDES, A.C. Editorial. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais,Recife, v. 17, n. 3, p. 7-13,set./dez. 2015. doi: https://doi.org/10.22296/2317-1529.2015v17n3p7

MATIAS, E.F.P. A humanidade contra as cordas: a luta da sociedade global pela sustentabilidade. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2004.

MOON, M. J. The evolution of e-government among municipalities: Rhetoric or reality? Public Administration Review, Hoboken, v. 62, n. 4,p. 424-433, 2002.doi: https://doi.org/10.1111/0033-3352.00196

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2001.

MOVIMENTO BOA PRAÇA. Quem somos. s.d. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

OLIVEIRA, R.G.; SANTOS, L.F.P Internet como alternativa para o engajamento cívico: reflexões sobre o caso das ONGs. Animus, Santa Maria, v. 12, n. 23, p. 189-203, 2013.doi: http://dx.doi.org/10.5902/217549773720

ONU-HABITAT. World cities report 2016. Nairobi: UN Habitat, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

PEREIRA, M.A. Internet e mobilização política: os movimentos sociais na era digital. In: ENCONTRO DA COMPOLÍTICA, 4., 2011, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: UERJ, 2011. p. 1-26. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

QUAN-HAASE, A.; WELLMAN, B. How does the internet affect social capital. In: HUYSMAN, M.; WULF, V. (Org.). Social capital and information technology. Cambridge: MIT Press, 2004. p. 113-132.

RENN, O. The social arena concept of risk debates. In: KRIMSKY, S. (Ed.). Social theories of risk. Westport: GreenwoodPublishingGroup, 1992. p. 179-196.

SANTAELLA, L.; LEMOS, R. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTOS JUNIOR, O.A. Urban common space, heterotopia and the right to the city: reflections on the ideas of Henri Lefebvre and David Harvey. URBE: Revista Brasileira de Gestão Urbana, São Carlos, v. 6, n. 2, p. 146-157, maio/ago. 2014. doi: https://doi.org/10.7213/urbe.06.002.se02

SÃO PAULO (Município). Lei nº 16.212, de 10 de junho de 2015. Dispõe sobre a gestão participativa das praças do município de São Paulo, e dá outras providências. Diário Oficial da Cidade de São Paulo, 11 jun. 2015, p. 1.

SASSEN, S. Espaços urbanos. 2017. Filme (3:54 min). Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

SCHERER-WARREN, I. Metodologia de redes no estudo das ações coletivas e movimentos sociais. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 6., 1995, Brasília. Anais… Brasília: ANPUR, 1995. p. 1045-1052.

SETO, K.C.; SÁNCHEZ-RODRÍGUEZ, R.; FRAGKIAS, M. The new geography of contemporary urbanization and the environment. Annual Review of Environment and Resources, Palo Alto, v. 35, p. 167-194, 2010.doi: https://doi.org/10.1146/annurev-environ-100809-125336

SMITH, G.Power beyond the ballot: 57 democratic innovations from around the word. London: Power Inquiry, 2005.

SOUZA, M.L. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. São Paulo: Bertrand Brasil, 2008.

TILLY, C. From mobilization to revolution. Londres: Addison-Wesley, 1978.

TORRES, J.C. Cyborgracia: entre a gestão digital dos territórios e as redes sociais digitais. In: DI FELICE, M. (Org.). Do público para as redes: a comunicação digital e as novas formas de participação social. São Caetano do Sul: Difusão, 2008. p. 227-285.

VALCOUR, P. M.; HUNTER, L. W.Technology, organizations, and work-life integration. In:KOSSEK. E. E.; LAMBERT, S. J. (Ed.).Work and life integration: organizational, cultural, and individual perspectives. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 2005. p. 61-84.

VON WALDENBERG, W. Electronic government and development. European Journal of Development Research, New York, v. 16, n. 2, p. 417-432, 2004.Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2018v20n1p161

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                               


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia