De vila operária a cidade-companhia: as aglomerações criadas por empresas no vocabulário especializado e vernacular

Telma de Barros Correia

Resumo


A criação, por empresas, de aglomerações para abrigar seus funcionários é um capítulo importante e pouco conhecido da urbanização brasileira. Vila operária, fazenda, usina, bairro proletário, núcleo urbano, núcleo industrial, núcleo residencial, núcleo fabril, cidade operária, cidade-companhia, cidade-empresa e cidade nova são algumas das designações que esses lugares têm recebido no Brasil, dependendo de suas características quanto a tamanho, forma, localização e condição político administrativa, do tipo de atividade à qual estão ligadas e do momento em que surgem. Este trabalho discute essas diferentes denominações, investigando quando são introduzidas e o contexto em que são utilizadas. Tal abordagem não visa apenas fazer um mapeamento do vocabulário empregado para designar esses lugares, mas partir das diversas denominações para investigar o estatuto dessas aglomerações na urbanização brasileira.

 


Palavras-chave


cidade; habitação; empresa; vocabulário especializado e vernacular.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


AÇOMINAS. “A usina, a cidade”. Belo Horizonte: Açominas, 1940.

ÁLBUM DE PERNAMBUCO – OBRA DE PROPAGANDA GERAL. Editor Proprietário: José Coelho. Rio de Janeiro: Pimenta de Mello & Comp., 1919.

ANTUNES, D. P. Documentário Histórico do Município de Caxias do Sul. São Leopoldo: Artegráfica Comércio e Indústria, 1950.

COMPANHIA INDUSTRIAL PERNAMBUCANA. Boletim da Companhia Industrial Pernambucana para a Exposição Nacional de 1908. Rio de Janeiro: Papelaria União, 1908.

COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL. “Ergue-se cidade operária ao lado da mineração”. O Lingote, Rio de Janeiro, Cia. Siderúrgica Nacional, Ano IV, n. 87, 25/10/1956.

COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL. “Programa social modifica o cenário de Casa de Pedra (1956)”. O Lingote, Rio de Janeiro, Cia. Siderúrgica Nacional, Ano IV, n 91, 25/12/1956.

COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL. “CSN está erguendo em Casa de Pedra uma bela cidade operária (1955)”. O Lingote, Rio de Janeiro, Cia. Siderúrgica Nacional, Ano III, n. 58, 10/8/1955.

COMPANHIA VALE DO RIO DOCE. Companhia Vale do Rio Doce: 50 Anos de História. Rio de Janeiro: CVRD, 1992. COMPANHIA VALENÇA INDUSTRIAL. Cidade Mauricéa. Anno III, n.16. Recife, março de 1940.

CONTINENTINO, L. “Plano de urbanização da cidade operária de Monlevade”. Revista da Directoria de Engenharia, 5(3): set. 1936.

CORREIA, T. de B. “Núcleo fabril X cidade livre: os projetos urbanos da Klabin do Paraná”. V Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Campinas, PUC Campinas, outubro de 1998.

CORREIA, T. de B. Pedra: plano e cotidiano operário no sertão. Campinas: Papirus, 1998.

COSTA, A. R. O Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ed.Globo, 1922.

COSTA, L. “Ante-projeto para a Villa de Monlevade. Memorial Descriptivo”. Revista da Directoria de Engenharia, 3(3): mai. 1936.

COSTA, R. C. A cortina de ouro: (Morro Velho). Belo Horizonte: Gráfica Santa Maria, 1955.

CRAWFORD. M. Buildind the workingman’s paradise. The design of american company towns. Londres/Nova York: Verso, 1995.

CUSANO, A. “Companhia Nacional de Tecido de Juta. Uma organização social ideal. Il Brasile… gl’Italiani e la guerra. Sudamericana Imprensa di Propaganda e Publicitá, Roma – Buenos Aires – São Paulo. In: Idéias Sociais de Jorge Street. Cronologia, introdução, notas bibliográficas e textos selecionados (1980). Ação e Pensamento da República. Brasilia: Senado Federal; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, p.453-468. Bibliografia incompreensível.

FÁBRICA DE TECIDOS BRAZIL INDUSTRIAL. O Auxiliador da Industria Nacional. Rio de Janeiro, V. LIV, n.1, jan., 1886.

FARAH, F.; FARAH; M. F. S. Vilas de mineração e barragens no Brasil: retrato de uma época. São Paulo: IPT, 1993.

FERNANDES, H. V. Monte Alegre, cidade papel. Curitiba: Símbolo, 1974.

GAZETA DE NOTÍCIAS. “Exposição Industrial: Fábricas de Tecidos”, 20 de novembro de 1895.

INDÚSTRIAS KLABIN. Histórico das Indústrias Klabin do Paraná. Monte Alegre: Klabin, 1953.

IBGE. Enciclopédia dos Municípios (1959). Rio de Janeiro: IBGE, 1992.

INDICADOR GERAL DO ESTADO DE ALAGOAS. Maceió, Typ. Commercial, 1903.

LEITE LOPES, J. S. A Tecelagem dos conflitos de classe na cidade das “chaminés”. São Paulo: Marco Zero; Brasília: UnB/MCT-CNPq, 1988.

LIMA, A. C. “Plano da cidade operária da F.N.M”. Arquitetura, Rio de Janeiro, n. 14, agosto de 1963.

MASCARENHAS, G. M. Centenário da Fábrica do Cedro 1872-1972. Belo Horizonte: Cia. de Fiação e Tecidos Cedro e Cachoeira, 1972.

MELLO, J. O. de A. Arqueologia industrial e imaginário social em Rio Tinto. João Pessoa, 1988 (mimeo.).

MELLO, J. W. T. Santanense: revolução filosófica e industrial em Sant’Anna do São João Acima. Belo Horizonte: Rumos Editorial, 1991.

MELO, A. C. M. Gerência Industrial Unidade II. Pedro Leopoldo, 1994 (mimeo.).

MELO, C. “Um município em luta contra o poder econômico”. Municípios Brasileiros. Ano I, Recife, abr. 1961.

MINERAÇÃO MORRO VELHO. Morro Velho – História, fatos e feitos. Nova Lima: Mineração Morro Velho, 1995.

MURGEL, A. A. “Projecto da Cidade Operária de Monlevade”. Revista da Directoria de Engenharia, 5(3): set. 1936.

O Algodão. Cidade Mauricéa. Anno II, n.15. Recife, julho de 1939.

Obras Sociais, Os 75 anos da indústria têxtil Cia Hering. Separata Revista Paulista de Indústria, n.34, 1955.

OLIVEIRA, C. M. C. Itabira: Desenvolvimento e Dependência. Itabira: Gráfica Dom Bosco, 1992.

OLIVEIRA, F. B. “Bairro proletário modelo da Companhia Industrial Mineira – Juiz de Fora”. Revista Municipal de Engenharia, Rio de Janeiro, 1938. p. 23-30, 1938.

OLIVEIRA, F. B. Notas Urbanísticas. Rio de Janeiro: Oficinas de O Globo, 1939.

POMPÉIA, J. “O problema da siderurgia brasileira e o projeto Farquhar”. Boletim do Instituto de Engenharia. v. V, n. 23.

REIS, J. A. “Casas para proletários”. Segundo Congresso Católico. Recife, 1908.

“Usina integrada dobra a produção de aço”. O Dirigente Industrial, n. 12, São Paulo, 1962. Quem escreve? É alguma indústria?

VALVERDE, O. “Excursão à região colonial antiga do Rio Grande do Sul”. Revista Brasileira de Geografia, Ano X, n. 4, out./dez. 1948.

VIEIRA, M. C.; AZEVEDO, L. G. “Aspectos da fazenda Amália e da Organização Agroindustrial Amália S/A. Revista Brasileira de Geografia, Ano XXI, n. 3, jul./set. 1959.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2001n4p83

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia