O urbanismo no Recife: entre idéias e representações

  • Virgínia Pitta Pontual Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco
Palavras-chave: história, modernização, saber, urbanismo, representações.

Resumo

A pretensão é polemizar sobre o entendimento de modernização como processo cumulativo e complementar de idéias e afirmar o de atualização e diferenciação das regras e preceitos urbanísticos, de modo a assegurar o ordenamento citadino, assim como discutir a permanência dessas regras na atualidade; ou melhor, o paradoxo entre continuar afirmando o saber urbanístico, fundado nas teorias da modernidade, e prescindir desse saber, dada a inexistência de um outro modo de promover o ordenamento e o controle da cidade. O caminho adotado foi o de reconstituir as idéias dos urbanistas, objetivadas nos planos urbanísticos elaborados nos anos 30 e 50 no Recife. Nos anos 30, os planos urbanísticos introduziram, principalmente, os preceitos dos Ciams, cujos autores foram Domingos Ferreira (1927), Nestor de Figueiredo (1932), Atílio Corrêa Lima (1936) e Ulhôa Cintra (1943). Nos anos 50, as idéias propugnadas traduziram, entre outros, os preceitos do Movimento de Economia e Humanismo, apresentados no estudo de Lebret (1954) e nas diretrizes de Baltar (1951). A escrita de tal narrativa compara esses planos explicitando as diferentes concepções e representações do Recife e coloca em discussão a permanência desses saberes em relação à emergência de outros na atualidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AC/GATEPAC – 1931-1937. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, S.A.

ALVES SOBRINHO, A. Desenvolvimento em 78 rotações: a indústria fonográfica Rozenblit — 1953-1964. Recife: Pimes/Dep. de História da UFPE, 1993.

ARANTES, O. Urbanismo em fim de linha e outros estudos sobre o colapso da modernização arquitetônica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

ARAÚJO, L. S. L. C. de. A crônica de cinema no Recife dos anos 50. São Paulo, 1994. Tese — Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Universidade de São Paulo.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BALTAR, A. B. Diretrizes de um Plano Regional para o Recife. Recife, 1951. Tese de concurso para o provimento da cadeira de urbanismo e arquitetura paisagística na escola de Belas Artes da Universidade do Recife.

BALTAR, A. B. Por uma economia humana. Recife: Imprensa Oficial, 1950.

BALTAR, A. B. “Universidade, economia e humanismo”. Revista de Engenharia, Recife, ano VI, n.7, jan./dez. 1953.

BALTAR, A. B. “Da localização de indústrias e dos problemas correlatos de urbanismo”. In: BALTAR, A., SILVEIRA, P., SOUZA, B. Teses e conferências sobre problemas de urbanismo e área metropolitana. Recife: Codepe, 1954.

BALTAR, A. B. “Progresso técnico e níveis de vida”. Boletim Técnico da SVOP, Recife, ano XVII, v.XXXIX e XL, jul./dez. 1955.

BENEVOLO, L. História da arquitetura moderna. São Paulo: Perspectiva, 1981.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia de Letras, 1994.

BRESCIANI, M. S. M. Londres e Paris no século XIX: o espetáculo da pobreza. 8.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CARTA DE SALVAÇÃO DO NORDESTE. In: SOARES, J. A. A frente do Recife e o governo do Arraes: nacionalismo em crise — 1955-1964. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CÉLESTIN, G. “Lebret et l’aménagement du territoire”. Revue Économie et Humanisme, Lyon, n. spécial, Octobre, 1986.

CHARTIER, R. A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil/Difel, 1990.

COMISSÃO CENSITÁRIA DOS MOCAMBOS DO RECIFE. Observações Estatísticas sobre os Mocambos do Recife. Recife: Imprensa Oficial, 1939.

ESTELITA, J. “Urbanismo e sanitarismo”. Boletim da Cidade e do Porto do Recife, Recife, n.2, out./dez. 1941.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 10.ed. Petrópoles: Vozes, 1993.

FREYRE, G. Manifesto regionalista de 1926. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1955.

GUNN, P. “As querelas do urbanismo nos anos vinte e trinta”. In: Anpur. Anais do VI Encontro Nacional. Brasília: Anpur, 1995.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1990.

HORA, A. da. “Depoimento”. In: Memorial do Movimento da Cultura Popular. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1986.

KOOP, A. Quando o moderno não era um estilo e sim uma causa. São Paulo: Nobel/Editora da Universidade de São Paulo, 1990.

LAMPARELLI, C. M. “Louis-Joseph Lebret e a pesquisa urbano-regional no Brasil: crônicas tardias ou história prematura”. Espaço & Debates, São Paulo, ano XIV, n.37, 1994.

LAMPARELLI, C. M. “O ideário do urbanismo em São Paulo em meados do século XX. O Pe. Lebret: continuidades, rupturas e sobreposições”. São Carlos. Conferência proferida no 3º Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, 1994a.

LEBRET, L. J. Estudo sobre desenvolvimento e implantação de indústrias, interessando a Pernambuco e ao Nordeste. 2.ed. Recife: Condepe, 1974.

LIRA, J. T. C. de. “A romantização e a erradicação do mocambo, ou de como a casa popular ganha nome. Recife, década de 30”. Espaço & Debates, São Paulo, ano XIV, n.37, 1994.

LIRA, J. T. C. Mocambo e cidade: regionalismo na arquitetura e na ordenação do espaço habitado. São Paulo: FAU/USP, 1996.

MENEZES, J. L. M. “A ocupação do Recife numa perspectiva histórica”. In: Plano Diretor de Desenvolvimento da Cidade do Recife. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife/Secretaria de Planejamento Urbano/Consórcio Procenge/Urbana/AcquaPlan, 1990.

MONTENEGRO, A. T., SIQUEIRA, A. J., AGUIAR, A. C. M. de (Orgs.). Engenheiros do tempo: história da vida dos professores. Recife: UFPE, 1995.

MOREIRA, F. D. A construção de uma cidade moderna: Recife (1909-1926). Recife, 1994. Dissertação Mestrado — Universidade Federal de Pernambuco.

OUTTES, J. O Recife pregado à cruz das grandes avenidas, 1927-1945.Recife, 1991. Dissertação Mestrado — Universidade Fedral de Pernambuco.

PONTUAL, V. O saber urbanístico no governo da cidade: uma narrativa do Recife das décadas de 1930 a 1950. São Paulo: 1998. Tese (Doutorado) — Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

PONTUAL, V. “A utopia de um novo tempo: reformas sociais e planejamento”. In: Anais do IV Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Rio de Janeiro: Anpur/ UFRJ/FAU/Propur, 1997.

REZENDE, A. P. Desencantos modernos: histórias da cidade do Recife na década de XIX. Recife: Fundarpe, 1997a.

SOARES, J. A. A frente do Recife e o governo do Arraes: nacionalismo em crise — 1955/1964. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

SOUZA BARROS, M. A década de 20 em Pernambuco: uma interpretação. Rio de Janeiro: Gráfica Editora Acadêmica, 1972.

ULHÔA CINTRA, J. F. de. “Sugestões para orientação do estudo de um plano geral de remodelação e expansão da cidade do Recife”. Revista Arquivos, Recife, ano 2, n.111, dez. 1943.

VAZ, R. Arquitetura moderna em Pernambuco: Luiz Nunes, 1934-1937. São Paulo, 1988. Dissertação Mestrado — Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

VERRI, G. M. W. Os templários da ausência: experiência das bibliotecas populares no Recife. Recife: Pimes/UFPE, 1990.

VEYNE, P. Como se escreve a história; Foucault revoluciona a história. 3.ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995.

Publicado
2000-03-31
Seção
Artigos