Dispersão urbana e empresas urbanizadoras na cidade industrial: a atuação da Compañia Madrileña de Urbanización, da Garden City Pioneer Company, da First Garden City Ltda. e da Cia City

Palavras-chave: dispersão, história do urbanismo, empresas urbanizadoras, Compañia Madrileña de Urbanización, Garden City Pioneer Company, First Garden City Ltd, Cia. City

Resumo

Este artigo tem como objetivo problematizar o fenômeno contemporâneo da dispersão urbana dentro do campo da história do Urbanismo. Este exercício historiográfico foi construído com base em uma análise crítica da atuação de empresas urbanizadoras de reconhecida importância na historiografia do Urbanismo: a Compañia Madrileña de Urbanización, empresa urbanizadora fundada pelo madrilenho Arturo Soria y Mata para implementar sua ideia de ciudad lineal; as empresas Garden City Pioneer Company e First Garden City Ltd, fundadas, respectivamente, para levantar fundos e gerenciar a construção de Letchworth, na Inglaterra, primeira cidade-jardim construída, cujo esquema teórico Ebenezer Howard havia concebido em 1898; e a empresa City of São Paulo Improvements and Freehold Company Ltd, que implementou os primeiros bairros-jardim de São Paulo. Na narrativa sobre cada empresa, destacam-se os dois conceitos urbanísticos propagados por essas empresas, relacionados com a ideia de urbanização dispersa e com as estratégias empresariais desenvolvidas para viabilizar empreendimentos ligados à dispersão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Pescatori, Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Brasília, DF, Brasil

Professora do Departamento de Projeto, Expressão e Representação e do Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília. Arquiteta e urbanista pela UnB, mestre em Arquitetura da Paisagem pela Pennsylvania State University (EUA) e doutora em Teoria e História da Cidade e do Urbanismo pelo PPG-FAU/UnB. É líder do grupo de pesquisa Topos – Paisagem, Projeto, Planejamento e pesquisadora do Grupo de Pesquisa em História do Urbanismo e da Cidade (GPHUC/CNPq-UnB).

Rodrigo de Faria, Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Brasília, DF, Brasil

Professor do Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo e do Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília. Líder do Grupo de Pesquisa em História do Urbanismo e da Cidade (GPHUC/CNPq). Pesquisador da Rede Urbanismo no Brasil (CNPq). Pesquisador do Centro Interdisciplinar de Estudos da Cidade (Ciec) do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Pesquisador do Grupo de Pesquisa Cultura, Arquitetura e Cidade (Cacal) – FAU/USP-CNPq. Membro fundador do Instituto Iberoamericano de Derecho Local y Municipal, criado por ocasião do XXVIII Congresso Iberoamericano de Municípios, ocorrido em Lima-Peru, 2010. Membro fundador da Associação Ibero-americana de História Urbana (Aihu), criada em Brasília, 2013. Pós-doutorado em Planejamento Urbano pela FAU-USP/Fapesp (2008). Pós-doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela ETSAM/Universidad Politécnica de Madrid/Capes (2014). Bolsista de Produtividade CNPq/2 desde 2014.

Referências

ACKEL, L.; CAMPOS FILHO, C. M. Antecedentes: a modernização de São Paulo. In: SOMEKH, N.; CAMPOS FILHO, C. M. (orgs.). A cidade que não pode parar: planos urbanísticos de São Paulo no século XX. São Paulo: Mackpesquisa, 2002a.

ACKEL, L.; CAMPOS FILHO, C. M. Freire e Bouvard: a cidade europeia. In: SOMEKH, N.; CAMPOS FILHO, C. M. (orgs.). A cidade que não pode parar: planos urbanísticos de São Paulo no século XX. São Paulo: Mackpesquisa, 2002b.

ANDRADE, C. R. M. de. Barry Parker: um arquiteto inglês na cidade de São Paulo. 1998. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

CALABI, D. História do urbanismo europeu. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CERDÀ, I. Teoría General de la Urbanización y aplicación de sus principios y doctrinas a la reforma y ensanche de Barcelona. Madrid: Imprenta Española, 1867. Disponível em: http://www.anycerda.org/web/es/arxiu-cerda. Acesso em: 15 abr. 2015.

CHOAY, F. El reindo de lo urbano y la muerte de la ciudad. In: RAMOS, À. M. (org.). Lo Urbano em 20 autores contemporáneos. Barcelona: ETSAB, UPC, 2004.

CHOAY, F. O urbanismo utopias e realidades, uma antologia. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CIA CITY. História da Cia. City. Disponível em: http://ciacity.com.br. Acesso em: 10 jul. 2016.

COLLINS, G. R. Lo Sviluppo della Pianificazione Lineare. In: SORIA Y MATA, A. La Città Lineare. Milano: Alberto Mondadori, 1968. p. 13-85.

COMPANHIA CITY DE DESENVOLVIMENTO. História da Companhia City. São Paulo: City, 1980.

COSTA, L. A. M. Victor da Silva Freire: a vida, as ideias e as ações de um urbanista paulistano de primeira hora – 1869 – 1951. Cadernos de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, v. 11, n. 2, p. 1-30, 2011.

DEMATTEIS, G. Suburbanización y periurbanización: ciudades anglosajonas y ciudades latinas. In: MONCLÚS, J. (org.). La ciudad dispersa: suburbanización y nuevas periferias. Barcelona: CCCB, 1998.

ESTEVE, G. A. del. Teoría de la Ciudad: ideas fundamentales para un urbanismo humanista. Madrid: Instituto de Estudios de Administración Local, 1948.

FELDMAN, S. Planejamento e zoneamento: São Paulo 1947-1972. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2005.

FISHMAN, R. Urban Utopias in the Twentieth Century: Ebenezer Howard, Frank Lloyd Wright, and Le Corbusier. Cambridge, Mass.: MIT Press, 1982.

HOWARD, E. To-morrow: a Peaceful Path to Real Reform. London: Swan Sonnenschein & CO. Ltd., 1898.

HOWARD, E. Garden Cities of To-morrow (being the second edition of “To-morrow: a Peaceful Path to Real Reform”). London: Swan Sonnenschein & CO. Ltd., 1902.

HOWARD, E. Cidades-jardim do amanhã. São Paulo: Hucitec, 1996.

LEME, M. C. da S. Urbanismo no Brasil, 1895-1965. São Paulo: Studio Nobel; FAU-USP; Fupam, 1999.

MACEDO, J. Maringá: a British Garden City in the Tropics. Cities, n. 28, p. 347-359, 2011. DOI: 10.1016/j.cities.2010.11.003.

MONCLÚS, J. La ciudad dispersa. In: MONCLÚS, J. (org.). La ciudad dispersa: suburbanización y nuevas periferias. Barcelona: CCBB, 1998.

MONTE MÓR, R. L. Urbanização extensiva e a produção do espaço social contemporâneo. In: REIS FILHO, N. G.; TANAKA, M. M. S.; SPOSITO, M. E. B. (orgs.). Brasil: estudos sobre dispersão urbana. São Paulo: FAU-USP, 2007. p. 241-251.

OTTONI, D. A. B. Cidade-jardim: formação e percurso de uma ideia. In: HOWARD, E. Cidades-jardins do amanhã. São Paulo: Hucitec, 1996.

PALACIO, P. N. La Ciudad Lineal de Arturo Soria. Villa de Madrid, v. 1, n. 28, p. 49-58, 1969.

PEIXOTO-MEHRTENS, C. Urban Space and National Identity in Early Twentieth Century São Paulo, Brazil: Crafting Modernity. New York: Palgrave Macmillan, 2010.

REIS FILHO, N. G. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes, 2006.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. Construcciones. Revista La Ciudad Lineal, v. IV, n. 87, p. 1-4, 1900.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. Plano general de la primera barriada de la Ciudad Lineal y sus inmediaciones. Revista La Ciudad Lineal, v. V, n. 103, p.1-3,1901.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. Casos prácticos de la vida en la Ciudad Lineal. Revista La Ciudad Lineal, v. VI, n. 134, p. 1-12, 1902.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. Construcciones en la “Ciudad Lineal”. Revista La Ciudad Lineal, v. VII, n. 183, p. 1-20, 1903.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. Seccion Transversal de la Calle Principal de la Ciudad Lineal. Revista La Ciudad Lineal, v. VIII, n. 186, p. 1-20, 1904.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. Construcciones en la “Ciudad Lineal”. Revista La Ciudad Lineal, v. VIII, n. 188, p. 1-20, 1904.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. Red Ferroviaria de la Compañía de Urbanización. Revista La Ciudad Lineal, v. VIII, n. 206, p. 1-20, 1904.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. La Ciudad Lineal. Revista La Ciudad Lineal, v. X, n. 257, p. 1-14, 1906.

REVISTA LA CIUDAD LINEAL. La Ciudad Lineal es la fórmula de la arquitectura racional de las ciudades. Revista La Ciudad Lineal, v. XXIX, n. 763, p. 1-43, 1925.

RODRÍGUEZ, A. L. La singladura de La Compañía Madrileña de Urbanización: a la muerte de su fundador. Espacio, Tiempo y Forma – Serie V Historia Contemporánea, n. 29, p. 329-351, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5944/etfv.29.2017.18858.

ROHE, W. M. From Local to Global: One Hundred Years of Neighborhood Planning, Journal of the American Planning Association, 75:2, p. 209-230, 2009. DOI: 10.1080/01944360902751077.

SALAS, J. F. La Ciudad Lineal del centenario: Los cien años de la utopía lineal. Revista de Urbanismo, n. 20, Departamento de Urbanismo, FAU de la Universidad de Chile, p. 1-13, jun. 2009.

SAMBRICIO, C. Ciudad Lineal, un ejemplo de urbanismo liberal. Madrid, 1996. Disponível em: http://oa.upm.es/1628/1/MONO_SAMBRICIO_1996_01.pdf. Acesso em: 11 nov. 2015.

SAMBRICIO, C. Madrid, vivienda y urbanismo 1900-1960: de la “normalización de lo vernáculo” al Plan Regional. Madrid: Akal, 2004.

SPOSITO, M. E. B. Novas formas de produção do espaço urbano no estado de São Paulo. In: REIS FILHO, N. G.; TANAKA, M. M. S.; SPOSITO, M. E. B. (orgs.). Brasil: estudos sobre dispersão urbana. São Paulo: FAU-USP, 2007. p. 7-28.

SORIA Y MATA, A. La Città Lineare. Milano: Alberto Mondadori, 1968 [1882-1883].

SORIA Y PUIG, A. Profilo di Arturo Soria y Mata. In: SORIA Y MATA, A. La Città Lineare. Milano: Alberto Mondadori, 1968.

SOUZA, M. C. P. de. O capital imobiliário e a produção do espaço urbano: o caso da Companhia City. 1988. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 1988.

TREVISAN, R. Introdução ao ideário cidade-jardim no Brasil. In: PEIXOTO, E. R.; DERNTL, M. F. (org.). Arquitetura, Estética e Urbanismo: questões da modernidade. Brasília: Editora FAU/UnB, 2014. v. 1, p. 204-219.

UNWIN, R. Nothing Gained by Overcrowding! How the Garden City Type of Development May Benefit Both Owner and Occupier. Westminster: P. S. King & Son, 1912.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história e Foucault revoluciona a história. Brasília: Ed. da UnB, 2014 [1971].

Publicado
2020-07-05
Seção
Artigos - Cidade, História e Cultura