Empresariamento urbano, turismo e megaeventos: um estudo de caso em Lyon (França)

Palavras-chave: Empresariamento urbano, Megaeventos, Turismo, Lyon

Resumo

No contexto de empresariamento das cidades, novas atividades econômicas são estimuladas, incluindo aquelas relacionadas ao mercado financeiro, ao setor imobiliário, ao de serviços em geral e ao setor turístico. Com o objetivo de analisar de que forma o desenvolvimento da atividade turística contribui para o empresariamento urbano, esta pesquisa teve como foco a política local de captação de megaeventos, em que o objeto do estudo de caso foi a cidade francesa de Lyon. Trata-se de uma pesquisa de natureza descritiva e explicativa, com uma abordagem qualitativa na coleta e no tratamento dos dados. Foram realizadas entrevistas com gestores municipais de Lyon, além de pesquisa documental e de observações in loco durante 2015 e 2017. Como resultado, verificou-se que a captação de megaeventos é considerada uma questão estratégica da agenda urbana lyonnaise, e é uma das principais vias escolhidas para afirmação da metrópole no cenário internacional. O turismo é um dos principais argumentos que justificam esse tipo de decisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathália Körössy, Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Hotelaria e Turismo, Recife, PE, Brasil

Turismóloga pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela mesma instituição. Mestre em Geografia pela Universidade de Lisboa. Doutora em Desenvolvimento Urbano pela UFPE. Professora do Departamento de Hotelaria e Turismo e do Programa de Pós-graduação em Hotelaria e Turismo da UFPE.

Suely Maria Ribeiro Leal, Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano, Recife, PE, Brasil

Arquiteta e urbanista pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Doutora em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pós-doutorado pelo Institut d’Urbanisme de Paris – Université Paris-Ést Créteil Val-de-Marne/Paris XII). Professora titular aposentada do Departamento de Arquitetura e Urbanismo e professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU) da UFPE. Bolsista de Produtividade PQ nível 1D. Coordenadora do Núcleo de Gestão Urbana e Políticas Públicas (Nugepp-UFPE).

Itamar José Dias e Cordeiro, Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Recife, PE, Brasil

Turismólogo pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Geografia pela mesma instituição. Mestre em Ordenamento do Território e Planeamento Ambiental pela Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela UFPE. Doutor em Geografia pela UFPE. Professor do Departamento de Hotelaria e Turismo e do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da UFPE.

Referências

ARANTES, O. Cultura da cidade: animação sem frase. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 24, p. 229-240, 1996.

BENKO, G. Marketing et territoire. In: FONTAN, J.-M.; KLEIN, J.-L.; TREMBLAY, D.-G.. Entre la métropolisation et le village global. Québec: Presses de l’Université du Québec, 1999. p. 78-122.

BORJA, J. As cidades e o planejamento estratégico: uma reflexão europeia e latino-americana. In: FISCHER, T. (org.). Gestão contemporânea, cidades estratégicas e organizações locais. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getulio Vargas, 1997. p. 79-99.

BOYLE, M.; HUGHES, G. The politics of urban entrepreneurialism in Glasgow. Geoforum, v. 25, n. 4, p. 453-470, 1994.

BRAUN, E. City marketing: towards an integrated approach. Rotterdam: Erasmus Research Institute of Management (Erim), 2008.

CAMPOS, N. Copa 2014: cidades-sede e as oportunidades para o desenvolvimento urbano. In: EGUINO, H.; RIBEIRO, P.; VERCILLO, M. H. (org.). Grandes eventos esportivos e planejamento de desenvolvimiento urbano: documentos de referência e discussão. Rio de Janeiro: Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2013. p. 167-186.

CAPEL, H. El modelo Barcelona: un examen crítico. Barcelona: Ediciones del Serbal, 2005.

CASTELLS, M.; BORJA, J. As cidades como atores políticos. Novos Estudos Cebrap, n. 45, p. 152-166, jul. 1996.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do discurso. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

COB. COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO. Dossiê de candidatura para os Jogos 2016. Rio de Janeiro: Comitê Rio 2016, 2009. v. 1.

CUENYA, B.; CORRAL, M. Empresarialismo, economía del suelo y grandes proyectos urbanos: el modelo de Puerto Madero en Buenos Aires. EURE, v.. 37, n. 111, p. 25-45, 2011.

DOSSIÊ de candidatura do Rio de Janeiro a sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. Disponível em: https://www.rio2016.com/sites/default/files/parceiros/dossie_de_candidatura_v1.pdf. Acesso em: 10 nov. 2016.

DOUCET, B. Variations of the entrepreneurial city: goals, roles and visions in Rotterdam’s Kop van Zuid and the Glasgow harbour megaprojects. International Journal of Urban and Regional Research, v. 37, n. 6, p. 2035-2051, 2013.

GRAND LYON. Programme de développement économique 2016-2021. Lyon: Grand Lyon La Métropole, 2016.

GRAND LYON MAGAZINE. Lyon: Grand Lyon La Métropole, n. 25, set. 2008.

GRAVARI-BARBAS, M.; JACQUOT, S. L’événement, outil de légitimation de projets urbains: l’instrumentalisation des espaces et des temporalités événementiels à Lille et Gênes. Géocarrefour, v. 82, n. 3, p. 1-20, 2007.

HARVEY, D. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço & Debates – Revista de Estudos Regionais e Urbanos, n. 39, p. 48-64, 1996.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HATEM, F. Le marketing territorial – Principes, méthodes et pratiques. Colombelles: Éditions EMS, 2007.

JAKOB, D. The eventification of place: urban development and experience consumption in Berlin and New York City. European Urban and Regional Studies, v. 20, n. 4, p. 447-459, 2012.

JESSOP, B.; SUM, N.-L. An entrepreneurial city in action: Hong Kong’s emerging strategies in and for (inter)urban competition. Urban Studies, v. 37, n. 12, p. 2287-2313, 2000.

KANAI, J. M. Whither queer world cities? Homo-entrepreneurialism and beyond. Geoforum, v. 56, p.1-5, 2014.

KOTLER, P. et al. Marketing places: attracting investment, industry, and tourism to cities, states and nations. New York: The Free Press, 1993.

KRIEG-PLANQUE, A. Analyser les discours institutionnels. Paris: Armand Colin, 2014.

LE GALÈS, P. Politique urbaine et développement local: une comparaison franco-britannique. Paris: L’Harmattan, 1993.

LINOSSIER, R.. La territorialisation de la régulation économique dans l’agglomération lyonnaise (1950-2005). Politiques, acteurs, territoires. 2006. Tese (Doctorat en Géographie, Aménagement et Urbanisme) – Université Lumière Lyon II, Lyon, 2006.

LYON CANDIDATURE FRANCE. Uefa Euro 2016 – Une nature de gagnant. Lyon: Grand Lyon La Métropole, 2010. p. 3.

LYON CITOYEN. Lyon: Ville de Lyon, dez. 2006.

LYON CITOYEN. Lyon: Ville de Lyon, jul.-ago. 2008.

MAZUE, E. Quand la Cité devient internationale… La politique d’internationalisation de Lyon à travers l’exemple de la Cité Internationale de Lyon (1983-2008). 2009. Monografia. Institut d’Etudes Politiques de Lyon – Université Lumière Lyon 2, Lyon, 2009.

OCDE. ORGANISATION DE COOPÉRATION ET DE DÉVELOPPEMENT ÉCONOMIQUES. Villes et compétitivité – Un nouveau paradigme entrepreneurial pour l’aménagement du territoire. Paris: OCDE, 2007.

OWEN, K. A. The Sydney 2000 Olympics and urban entrepreneurialism: local variations in urban governance. Australian Geographical Studies, v. 40, n. 3, p. 323-336, 2002.

PATTERSON, M. The role of the public institution in iconic architectural development. Urban Studies, v. 49, n. 15, p. 3289-3305, 2012.

PAYRE, R. Le projet et la necessite, l’internationalisation de Lyon comme enjeu politique. In: PAYRE, R. (org.). Lyon Ville Internationale – La Métropole lyonnaise à l’assaut de la scène Internationale, 1914-2013. Lyon: Editions Libel, p. 168-185, 2013.

RIBEIRO, L. C. Q.; SANTOS JÚNIOR, O. A. dos. Governança empreendedorista e megaeventos esportivos: reflexões em torno da experiência brasileira. O Social em Questão, ano XVI, n. 29, p. 23-42, 2013.

ROBERTSON, M.; GUERRIER, Y. Eventos como vitrines empresariais – Sevilha, Barcelona e Madri. In: DUNCAN, T. et al. (org.). Gestão de turismo municipal. 2. ed. São Paulo: Futura, 2003. p. 291-308.

SÁNCHEZ, F. A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Argos, 2010.

SANTOS JÚNIOR, O. A. dos. Metropolização e megaeventos: proposições gerais em torno da Copa do Mundo 2014 e das Olimpíadas 2016 no Brasil. In: SANTOS JÚNIOR, O. A. dos et al. Brasil: os impactos da Copa do Mundo 2014 e das Olimpíadas 2016. Rio de Janeiro: E-papers, 2015. p. 21-40.

SILVA, W. C. D. Sentidos e significados dos Jogos Olímpicos Rio 2016. 2016. Tese (Doutorado em Turismo) – Universitat de Girona, Girona, 2016.

SU, X. Urban entrepreneurialism and the commodification of heritage in China. Urban Studies, v. 52, n. 15, p. 1-14, abr. 2014.

TOTA, B. Métropole européenne, économiquement dynamique et agréable à vivre cherche investisseurs, entrepreneurs, universitaires ou visiteurs pour assurer son développement. 2007. Monografia – Université Lumière Lyon 2 – Institut d’Etude Politiques de Lyon, Lyon, 2007.

UNWTO. UNITED NATIONS WORLD TOURISM ORGANIZATION. UNWTO World Tourism Barometer, Madrid, v. 18(1), 2020.

VAGGIONE, P. A experiência da cidade de Barcelona (Espanha) na incorporação de iniciativas de sustentabilidade e na implementação de grandes eventos esportivos. In: EGUINO, H.; RIBEIRO, P.; VERCILLO, M. H. (org.). Grandes eventos esportivos e planejamento de desenvolvimiento urbano: documentos de referência e discussão. Rio de Janeiro: Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2013. p. 83-106.

WAITT, G. Playing games with Sydney: marketing Sydney for the 2000 Olympics. Urban Studies, v. 36, n. 7, p. 1055-1077, 1999.

Publicado
2020-10-16
Seção
Artigos - Planejamento e Políticas Públicas