América Latina em perspectiva: o pensamento cepalino e decolonial

Autores

  • Antônio Carlos Mazzetti Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6402-2159
  • Josiane Carine Wedig Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4569-6956
  • Miguel Angelo Perondi Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4382-4571
  • Marlize Rubin-Oliveira Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3234-7562

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202111

Palavras-chave:

América Latina, Desenvolvimento, Cepal, Perspectiva Decolonial, Centro x Periferia

Resumo

A América Latina, como lugar geográfico e epistêmico de características múltiplas, tem produzido tensionamentos à modernidade/colonialidade. A partir desse lugar, este ensaio tem por objetivo compreender as relações existentes entre a Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal) e a perspectiva decolonial. Duas abordagens originadas na América Latina que têm como foco questões sociais, políticas, econômicas e ambientais. Para tanto, o caminho percorrido busca, por meio de um olhar sócio-histórico, compreender tais perspectivas com base em seus principais intelectuais, contextos e propostas. Por fim, conclui-se que se trata de perspectivas que, apesar dos caminhos diversos e distintos, têm objetivos que se entrecruzam e dialogam. Compreender aproximações e relações entre elas possibilitou destacar aspectos importantes na busca por alternativas à racionalidade hegemônica de exclusões e dependências impostas e perpetuadas desde a colonização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos Mazzetti, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil

Graduado em Letras pela Universidade Estadual de Mato Grosso (UEMS), mestre em Desenvolvimento Regional e doutorando no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Membro do Grupo de Estudos sobre Universidade (GEU/UTFPR). Servidor técnico administrativo da UTFPR.

Josiane Carine Wedig, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil

Licenciada e bacharela em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), mestre em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutora em Ciências Sociais, na área de Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Professora do Departamento de Ciências Humanas e da Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Líder do grupo de pesquisa Gênero, Juventude e Cartografias da Diferença.

Miguel Angelo Perondi, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil

Graduado em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), mestre em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) e doutor em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor do Departamento de Agronomia e da Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Marlize Rubin-Oliveira, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Pato Branco, PR, Brasil

Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e mestre em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Professora associada do Departamento de Ciências Humanas e do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional Sustentável da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Líder do grupo de estudos sobre Universidade (GEU/UTFPR). Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora visitante no Department of Lifelong Education, Administration, and Policy da University of Georgia (2017-2018).

Referências

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, DF, n. 11, p. 89-117, 2013.

BÁRCENA, A. 70 años de contribución al desarrollo sostenible de América Latina y el Caribe. In: CEPAL. Reflexiones sobre el desarrollo en América Latina y el Caribe: Conferencias magestrales 2016-2018. Santiago: LC/PUB.2018/14, [2018]. p. 57-67.

BIELSCHOWSKY, R. Evolución de las ideas de la Cepal. Revista de la Cepal, Santiago, n. esp., p. 21-45, 1998.

CAVALCANTE, L. R. M. T. Produção teórica em economia regional: uma proposta de sistematização. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 9-32, 2008.

CEPAL. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. Sobre a Cepal. 2019. Disponível em: https://www.cepal.org/pt-br/cepal-0. Acesso em: 1º dez. 2019.

CLÍMACO, D. A. Prólogo. In: QUIJANO, A. Selección de Danilo Assis Clímaco. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Clacso, 2014, p. 13-53.

COLISTETE, R. P. O desenvolvimentismo cepalino: problemas teóricos e influências no Brasil. Estudos Avançados, v. 15, n. 41, p. 21-34, 2001.

DIEGUES, A. C. S. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis: da crítica dos modelos aos novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 6, n. 1-2, p. 22-29, 1992.

DUSSEL, E. 1492: o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade: Conferências de Frankfurt. Tradução: J. A. Clasen. Petrópolis: Vozes, 1993.

DUSSEL, E. The invention of the Americas: eclipse of “the other” and the myth of modernity. Tradução: M. D. Barber. New York: Continuum, 1995.

ESCOBAR, A. Mundos y conocimientos de otro modo: El programa de investigación de modernidad/colonialidad latinoamericano. Tabula Rasa, Bogotá, n. 1, p. 51-86, 2003.

ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 133-168. (Coleccíon Sur).

ESCOBAR, A. La invención del Tercer Mundo: Construcción y deconstrucción del desarrollo. Caracas: Fundación Editorial el perro y la rana, 2007.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977.

FURTADO, C. Globalização das estruturas econômicas e identidade nacional. Estudos Avançados, São Paulo, v. 6, n. 16, p. 55-64, 1992.

GRACIARENA, J. Poder y estilos de desarrollo. Una perspectiva heterodoxa. Revista de la Cepal, n. 1, p. 173-193, 1976.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, 2008.

GROSFOGUEL, R. Desenvolvimento, modernidade e teoria da dependência na América Latina. Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais, v. 3, n. 2, p. 26-55, 2013.

GUDYNAS, E. Buen vivir: germinando alternativas al desarrollo. América Latina en Movimiento, Quito, n. 462, p. 1-20, 2011.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 8-23. (Coleccíon Sur).

LITTLE, P. E. Etnodesenvolvimento local: autonomia cultural na era do neoliberalismo global. Tellus, Campo Grande, ano 2, n. 3, p. 33-52, 2002.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MIGNOLO, W. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu, n. 1, p. 12-32, 2017.

ONU. Organização das Nações Unidas. Cepal: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. 2019. Disponível em: https://nacoesunidas.org/agencia/cepal/. Acesso em: 9 dez. 2019.

PENNA, C. Paulo Freire no pensamento decolonial: um olhar pedagógico sobre a teoria pós-colonial latino-americana. Revista de Estudos & Pesquisas sobre as Américas, v. 8, n. 2, p. 182-199, 2014.

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas principais. In: CEPAL. Boletín Económico de América Latina, Santiago do Chile, v. VII, n. 1, 1962. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/handle/11362/1611. Acesso em: 12 abr. 2020.

PREBISCH, R. Notas sobre el desarrollo del capitalismo periférico. Estudios Internacionales, ano 11, n. 43, p. 3-25, 1978.

PREBISCH, R. Por uma dinâmica do desenvolvimento latino-americano. In: BIELSCHOWSKY, R. (org.). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record, 2000. v. 1.

QUIJANO, A. A colonialidade do poder: eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 117-142.

QUIJANO, A. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Selección de Danilo Assis Clímaco. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Clacso, 2014.

RADOMSKY, G. F. W. Desenvolvimento, pós-estruturalismo e pós-desenvolvimento: a crítica da modernidade e a emergência de “modernidades” alternativas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 26, n. 75, p. 149-162, 2011.

RIBEIRO, A. M. O pensamento crítico acerca da universidade na América Latina: de Darcy Ribeiro à “modernidade-colonialidade”. Revista de Estudos & Pesquisas sobre as Américas, v. 8, n. 2, p. 149-163, 2014.

RODRÍGUEZ, O. O pensamento da Cepal: síntese e crítica. Novos Estudos, São Paulo, n. 16, p. 8-28, dez. 1986.

RODRÍGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Tradução: Maria Alzira Brum Lemos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

STAVENHAGEN, R. Etnodesenvolvimento: uma dimensão ignorada no pensamento desenvolvimentista. Anuário Antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

TAVARES, M. C. Transformações do modelo de desenvolvimento na América Latina. In: MELO, H. P. (org.). Maria da Conceição Tavares: vida, ideias, teorias e políticas. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2019a.

TAVARES, M. C. Estagnação ou crise? In: MELO, H. P. (org.). Maria da Conceição Tavares: vida, ideias, teorias e políticas. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2019b.

WALLERSTEIN, I. Impensar las ciencias sociales: límites de los paradigmas decimonónicos. Ciudad de México: Siglo XXI Editores, 1998.

WALLERSTEIN, I. Capitalismo histórico e civilização capitalista. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

WOLFE, M. Enfoques del desarrollo: ¿De quién y hacia qué? Revista de la Cepal, n. 1, p. 129-172, 1976.

Publicado

2021-04-28

Edição

Seção

Artigos - Espaço, Economia e População