A guerra dos homens e a vida das mulheres. As interfaces entre planejamento urbano, violência contra a mulher e segurança pública no Rio de Janeiro, Brasil

Autores

  • Poliana Gonçalves Monteiro Universidade Federal Fluminense, Escola de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Niterói, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0823-7630

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202131

Palavras-chave:

Segurança Pública, Violência contra Mulher, Patriarcado, Violência Urbana, Planejamento Urbano, Machismo Institucional

Resumo

O presente artigo objetiva discutir a invisibilidade da violência contra as mulheres na agenda da segurança pública e os efeitos da violência urbana com base em sua interface com o planejamento urbano. Nesse sentido, busca-se demonstrar os efeitos da violência urbana na vida das mulheres, evidenciando o padrão territorial desigual em que a violência contra a mulher se expressa na cidade do Rio de Janeiro e o modo como essa seletividade é estruturada e estruturante pelo/do patriarcado em sua interseccionalidade com raça e classe. Além disso, é parte fundamental da análise observar a territorialização da violência contra a mulher em relação à implementação de outras políticas públicas, aqui com o enfoque voltado à política de segurança pública. A reflexão desenvolvida neste texto fundamenta-se nos dados sobre morte violenta de mulheres na cidade do Rio de Janeiro disponibilizados pelo Instituto de Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro (ISP).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Poliana Gonçalves Monteiro, Universidade Federal Fluminense, Escola de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Niterói, RJ, Brasil

Arquiteta popular e urbanista pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e mestra em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR/UFRJ). Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal Fluminense (PPGAU/UFF). Pesquisadora no Laboratório Estado, Trabalho, Território e Natureza (ETTERN/IPPUR/UFRJ) e participante do grupo Grandes Projetos de Desenvolvimento Urbano (GPDU/UFF). Atua como assessora técnica de favelas ameaçadas por processo de remoção e em movimentos sociais de luta pela moradia. É colaboradora do curso Promotoras Legais Populares da Faculdade Nacional de Direito da UFRJ. Atualmente é professora no Programa de Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento Regional e Sustentabilidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ-Pinheiral), além de assessora parlamentar no mandato da vereadora Monica Benicio.

Referências

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Polén, 2019.

BEAUVOIR, S. de. O segundo sexo: a experiência vivida. Tradução: Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980. [1949]

BIRMAN, P.; MACHADO, C. A violência dos justos: evangélicos, mídia e periferias da metrópole. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, Anpocs, v. 17, n. 80, 2012.

BRASIL. Decreto nº 8.086, de 30 de agosto de 2013. Institui o Programa Mulher: viver sem violência e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 30 ago. 2013.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Agenda de segurança cidadã: por um novo paradigma. Relator: Paulo Teixeira. Brasília, DF: Câmara dos Deputados: Edições Câmara, 2018. Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/35519. Acesso em: 13 fev. 2019.

COLLINS, P. H. Se perdeu na tradução: feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Revista Parágrafo, v. 5, n. 1, p. 6-17, jan.-jun. 2017.

CUNHA, N. V.; MELLO, M. A. da S. Novos conflitos na cidade: o processo de urbanização na favela. Dilemas – Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 4, n. 3, 2011.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. Tradução: Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

FARIAS, J. Da capa de revista ao laudo cadavérico: pesquisando casos de violência institucional em favelas cariocas. In: BIRMAN, P.; LEITE, M.; MACHADO, C.; CARNEIRO, S. de S. Dispositivos urbanos e trama dos viventes. Ordens e resistências. Rio de Janeiro: FGV: Faperj, 2015.

FAULHABER, L.; AZEVEDO, L. SMH 2016: remoções no Rio de Janeiro Olímpico. Rio de Janeiro: Mórula, 2015.

HIRATA, D. et al. A expansão das milícias no Rio de Janeiro: uso da força estatal, mercado imobiliário e grupos armados. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

LAGARDE, M. Por la vida y la libertad de las mujeres: Fin al feminicidio. Juárez, México: Comisión Especial Del Feminicidio (LIX Legislatura), 2004. Disponível em: http://www.cimacnoticias.com.mx/especiales/comision/diavlagarde.htm. Acesso em: 30 maio 2018.

LEITE, M. P. Da “metáfora da guerra” ao “projeto de pacificação”: favelas e segurança pública no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 6, n. 12, 2012a.

LEITE, M. P. A faxina étnica: preconceito racial e racismo institucional no Brasil. Le Monde Diplomatique, Rio de Janeiro, n. 60, jul. 2012b. Disponível em: https://diplomatique.org.br/preconceito-racial-e-racismo-institucional-no-brasil/. Acesso em: 18 out. 2018.

MACHADO DA SILVA, L. A. Violência urbana, segurança pública e favelas – o caso do Rio de Janeiro atual. Cadernos CRH, v. 23, n. 9, 2010.

MAROULI, C. Women resisting (in) the city: struggles, gender, class and space in Athens. International Journal of Urban and Regional Research, 19(4), p. 534-548, 1995.

MONTEIRO, P. O gênero da habitação: a diretriz de titulação feminina no marco do Programa Minha Casa Minha Vida. 2015. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

MONTEIRO, P.; MEDEIROS, M.; NASCIUTTI, L. Insurgência feminina: a ética do cuidado e a luta contra a remoção. ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL, 17., 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Anpur, 2017, Tema: Desenvolvimento, crise e resistência: Quais os caminhos do Planejamento Urbano e Regional? Disponível em: http://anpur.org.br/xviienanpur/principal/publicacoes/XVII.ENANPUR_Anais/ST_Sessoes_Tematicas/ST%209/ST%209.3/ST%209.3-03.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

PATEMAN, C. Críticas feministas à dicotomia público/privado. In: MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. (org.). Teoria política feminista: textos centrais. Vinhedo: Horizonte, 2013. p. 55-80.

PERRY, K.-K. Black women and state-sanctioned violence in the Brazilian city. Spotlight on race, justice, and the city. International Journal of Urban and Regional Research, 2017. Disponível em: https://www.ijurr.org/spotlight-on/race-justice-and-the-city/black-women-and-state-sanctioned-violence-in-the-brazilian-city/. Acesso em: 25 set. 2020.

SAFFIOTI, H. I. B. Quem tem medo dos esquemas patriarcais de pensamento? Dossiê Crítica Marxista, n. 11, Campinas: Unicamp, p. 71-75, 2000. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4300345/mod_resource/content/1/SAFFIOTI%2C%20Heleieth.%20Quem%20tem%20medo%20dos%20sistemas%20patriarcais%20de%20pensamento.pdf. Acesso em: 19 jan. 2015.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. 2. reimp. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2011. (Coleção Brasil Urgente).

SAFFIOTI, H. I. B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3. ed. 1. reimp. São Paulo: Expressão Popular, 2014.

SILVA, J. M. Gênero e sexualidade na análise do espaço urbano. Revista Geosul, Florianópolis, UFSC, v. 22, p. 117-134, 2007.

Publicado

2021-11-29

Edição

Seção

Dossiê: Território, gênero e interseccionalidades