Deslocamento para trabalho e diferenciais salariais na Região Metropolitana de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202238

Palavras-chave:

Movimento Pendular, Prêmio Salarial, Modelo Quantílico, Modelo Hierárquico, Região Metropolitana de São Paulo

Resumo

O objetivo deste estudo é investigar o diferencial salarial associado à pendularidade na Região Metropolitana de São Paulo com base nos dados do Censo Demográfico de 2010. O foco é averiguar a existência de prêmio salarial para trabalhadores cujos municípios de residência e atividades laborais são distintos, utilizando como controle características individuais, ocupacionais e do município de residência, vis-à-vis trabalhadores que não pendulam e desconsiderando trabalhadores cujos deslocamentos são circunscritos a um mesmo município. Para alcançar esse objetivo, foram usados modelos quantílicos e hierárquicos. Os principais resultados revelam a importância da raça, da instrução e da posição na ocupação para explicar os rendimentos dos trabalhadores ao longo das distribuições de salário de homens e de mulheres. As evidências empíricas sugerem, ainda, uma relação positiva entre deslocamento pendular e rendimento-hora no trabalho principal dos trabalhadores de ambos os sexos. Diferenciais de custo de vida municipais também foram associados com os rendimentos de trabalhadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verônica de Castro Lameira, LCA Consultores, São Paulo, SP, Brasil

Doutora em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 2018. Possui experiência em Economia Aplicada, com ênfase em Planejamento Urbano e Regional, Demografia Econômica, Economia do Trabalho e Economia da Ciência e Tecnologia. Atualmente, atua como economista na LCA Consultores.

André Braz Golgher, Universidade Federal de Minas Gerais, Economia, Belo Horizonte, MG, Brasil

Professor associado do Cedeplar e Face da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Tem experiência na área de Economia Matemática, Economia Social e Economia Regional, atuando principalmente nos seguintes temas: econometria espacial, economia matemática, educação, migração, pobreza, exclusão social e dinâmica demográfica.

Referências

ALBOUY, D. Are big cities really bad places to live? Improving quality-of-life estimates across cities. Cambridge, MA: NBER, 2008. (Working paper, n. 14.472).

ANDERSSON, M.; KLAESSON, J.; LARSSON, J. The sources of the urban wage premium by worker skills: Spatial sorting or agglomeration economies? Papers in Regional Science, v. 93, n. 4, p. 727-748, 2013.

AZZONI, C.; SERVO, L. Education, cost of living and regional wage inequality in Brazil. Papers in Regional Science, v. 81, n. 2, p. 157-175, 2002.

BARROS, R.; CARVALHO, M.; FRANCO, S.; MENDONÇA, R. A queda recente da desigualdade de renda no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2007. (Texto para discussão, n. 1258).

BATISTA, N.; CACCIAMAL, M. Wage differences between men and women according to condition of migration. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 26, n. 1, p. 97-115, 2009.

BERGER, M. C.; BLOMQUIST, G. L.; PETER, K. S. Compensating differentials in emerging labor and housing markets: Estimates of quality of life in Russian cities. Journal of Urban Economics, v. 63, n. 1, p. 25-55, 2007.

BOJE, A.; OTT, I.; STILLER, S. Development perspectives for the city of Hamburg: migration, commuting, and specialization. HWWI Policy Paper, 2010.

BORJAS, G. Labor Economics. New York: The McGraw-Hill Companies, 1996.

BRITO, D.; SILVA, M.; HERMETO, A. Mobilidade pendular na Região Metropolitana de Belo Horizonte: uma investigação dos diferenciais de rendimento do trabalho. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 12, n. 4, p. 477-503, 2008.

BRUECKNER, J. Lectures on urban economics. London: MIT Press, 2011.

CAMPOLINA DINIZ, C.; CAMPOLINA, B. A Região Metropolitana de São Paulo: reestruturação, reespacialização e novas funções. EURE (Santiago), v. 33, n. 98, p. 27-43, 2007.

CARVALHO, A.; NÉRI, M.; SILVA, D. Diferenciais de salários por raça e gênero no Brasil: Aplicação dos procedimentos de Oaxaca e Heckman em pesquisas amostrais complexas. Ensaios Econômicos da EPGE, n. 638, 2006.

COELHO, A.; CORSEUIL, C. Diferenciais salariais no Brasil: um breve panorama. In: CORSEUIL, C. (ed.). Estrutura salarial: aspectos conceituais e novos resultados para o Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

DESCHAMPS, M.; CINTRA, A. Movimento pendular para trabalho na Região Metropolitana de Curitiba: uma análise das características de quem sai e quem fica. Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 16., 2008, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Abep, 2008. Tema: As desigualdades sociodemográficas e os Direitos Humanos no Brasil.

ELIASSON, K.; LINDGREN, U.; ESTERLUND, O. Geographical labour mobility: migration or commuting? Regional Studies, v. 37, n. 8, p. 827-837, 2003.

EVANS, A. The assumption of equilibrium in the analysis of migration and interregional differences: a review of some recent research. Journal of Regional Science, v. 30, n. 4, p. 515-531, 1990.

FONTES, G.; SIMÕES, R.; HERMETO, A. Urban attributes and wage disparities in Brazil: a multilevel hierarchical model. Regional Studies, v. 44, p. 595-607, 2010.

FROST, M.; LINNEKER, B.; SPENCE, N. Excess or wasteful commuting in a selection of British cities. Transportation Research Part A: Policy and Practice, v. 32, n. 7, p. 529-538, 1998.

GIUBERTI, A.; MENEZES-FILHO, N. Discriminação de rendimentos por gênero: uma comparação entre o Brasil e os Estados Unidos. Economia Aplicada, v. 9, n. 3, p. 369-384, 2005.

GUTIÉRREZ, E.; VAN OMMEREN, J. Labour supply and commuting. Journal of Urban Economics, v. 68, p. 82-89, 2010.

HAZANS, M. Does commuting reduce wage disparities? Growth and Change, v. 35, p. 360-390, 2004.

HUBER, P. Are commuters in the EU better educated than non-commuters but worse than migrants? Urban Studies, v. 51, n. 3, p. 509-525, 2011.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

KASSOUF, A. The wage rate estimation using the Heckman procedure. Revista de Econometria, v. 14, n. 1, p. 89-107, 1994.

KILLEWALD, A.; GOUGH, M. Does specialization explain marriage penalties and premiums? American Sociological Review, v. 78, n. 3, p. 477-502, 2013.

LAMEIRA, V.; GOLGHER, A. Mobilidade para trabalho na Região Metropolitana de São Paulo a partir dos dados do Censo Demográfico de 2010. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, v. 28, p. 1-27, 2021.

LANGONI, C. Distribuição da renda e desenvolvimento econômico do Brasil: uma reafirmação. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Economia da FGV, 1973.

MACHADO, A.; HERMETO, A.; ANTIGO, M. Evolução do diferencial de rendimentos entre setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas. Revista de Economia Contemporânea, v. 12, n. 2, p. 355-388, 2008.

MACHADO, L.; SCORZAFAVE, L. Distribuição de salários de professores e outras ocupações: uma análise para graduados em carreiras tipicamente ligadas à docência. Revista Brasileira de Economia, v. 70, n. 2, p. 203-220, 2016.

MANNING, A. The real thin theory: monopsony in modern labour markets. Labour Economics, v. 10, n. 2, p. 105-131, 2003.

MATOS, R.; MACHADO, A. Diferencial de rendimentos por cor e sexo no Brasil (1987-2001). Econômica, v. 8, n. 1, p. 5-27, 2006.

MENEZES-FILHO, N.; MENDES, M.; ALMEIDA, E. O diferencial de salários formal: informal – segmentação ou viés de seleção? Revista Brasileira de Economia, v. 58, n. 2, p. 235-248, 2004.

MENEZES-FILHO, N.; SANTOS JÚNIOR, E.; FERREIRA, P. Migração, seleção e diferenças regionais de renda no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 35, n. 3, p. 299-332, 2005.

MINCER, J. Schooling, experience, and earnings. New York: National Bureau of Economic Research, 1974.

MOLHO, I. Local pay determination. Journal of Economic Surveys, v. 6, n. 2, p. 155-194, 2002.

MULALIC, I; VAN OMMEREN, J.; PILEGAARD, N. Wages and commuting: Quasi-natural experiments’ evidence from firms that relocate. The Economic Journal, v. 124, n. 579, p. 1086-1105, 2014.

OLIVEIRA, A.; RIOS-NETO, E. Tendências da desigualdade salarial para coortes de mulheres brancas e negras no Brasil. Estudos econômicos, v. 36, n. 2, p. 205-236, 2006.

PEREIRA, R. H. M.; SCHWANEN, T. Tempo de deslocamento casa-trabalho no Brasil (1992-2009): diferenças entre regiões metropolitanas, níveis de renda e sexo. Rio de Janeiro: IPEA, 2013. (Texto para discussão, n. 1813).

PERO, V.; MIHESSEN, V. Mobilidade urbana e pobreza no Rio de Janeiro. Econômica, v. 15, n. 2, 2013.

PERO, V.; STEFANELLI, V. A questão da mobilidade urbana nas metrópoles brasileiras. Revista de Economia Contemporânea, v. 19, n. 3, p. 366-402, 2015.

RAUDENBUSH, S.; BRYK, A. Hierarchical linear models: applications and data analysis methods. 2. ed. London; New Dehli: Sage, 2002.

ROBERTS, J.; HODGSON, R.; DOLAN, P. It’s driving her mad: Gender differences in the effects of commuting on psychological health. Journal of Health Economics, v. 30, p. 1064-1076, 2011.

SANDOW, E.; WESTIN, K. The persevering commuter – Duration of long-distance commuting. Transportation Research Part A: Policy and Practice, v. 44, n. 6, p. 433-445, 2010.

SAVEDOFF, W. Wage dynamics in urban Brazil: evidence of regional segmentation or national markets. Revista de econometria, v. 11, n. 2, p. 161-184, 1991.

SILVA, E. T. Estrutura urbana e mobilidade espacial nas metrópoles. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013.

SO, K. S.; ORAZEM, P. F.; OTTO, D. M. The effects of housing prices, wages, and commuting time on joint residential and job location choices. American Journal of Agricultural Economics, v. 83, n. 4, p. 1036-1048, 2001.

SOREK, G. Migration costs, commuting costs and intercity population sorting. Regional Science and Urban Economics, v. 66, p. 335-357, 2009.

TIMOTHY, D.; WHEATON, W. Intra-urban wage variation, employment location, and commuting times. Journal of Urban Economics, v. 50, n. 2, p. 338-366, 2001.

VAN OMMEREN, J.; FOSGERAU, M. Workers’ marginal costs of commuting. Journal of Urban Economics, v. 65, p. 38-47, 2009.

VAN OMMEREN, J.; RIETVELD, P. The commuting time paradox. Journal of Urban Economics, v. 58, n.3, p. 437-454, 2007.

VAN OMMEREN, J; VAN DEN, G.; GORTER, S. Estimating the marginal willingness to pay for commuting. Journal of Regional Science, v. 40, n. 3, p. 541-563, 2000.

VIANNA, G. S. B.; MACHADO, D. C. Uma análise dos custos da mobilidade urbana no Brasil: perdas do PIB com deslocamentos. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 11, n. 2, p. 152-172, 2017.

ZAX, J. Compensation for commutes in labor and housing markets. Journal of Urban Economics, v. 30, p. 92-107, 1991.

ZENOU, Y. Urban labor economics. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

Publicado

2022-12-27

Como Citar

Lameira, V. de C. ., & Golgher, A. B. . (2022). Deslocamento para trabalho e diferenciais salariais na Região Metropolitana de São Paulo. Revista Brasileira De Estudos Urbanos E Regionais, 24(1). https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202238

Edição

Seção

Artigos - Espaço, Economia e População