DNOS: uma instituição mítica da República Brasileira

Arthur Soffiati

Resumo


Tomando por base o conceito de mito histórico, amplamente estudado por Raoul Girardet e José Murilo de Carvalho, pretende-se, neste artigo, examinar a trajetória do Departamento Nacional de Obras e Saneamento (DNOS) – principalmente na Baixada dos Goytacazes (RJ), onde sua atuação foi mais intensa que em outras partes do país –, em consonância com os fundamentos teóricos dos autores citados. Assim, são identificadas quatro fases no mito do DNOS: tempo do apelo e da espera, tempo da presença, tempo da crise e tempo da lembrança. Para concluir, aborda-se o período posterior à extinção ao órgão, em plena fase do neoliberalismo.

 


Palavras-chave


mito histórico; Departamento Nacional de Obras e Saneamento; saneamento.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ARAÚJO, D. S. D. de; MACIEL, N. C. Análise do material relativo ao Projeto do DNOS na Baixada Campista. Rio de Janeiro: Fundação Estadual de Engenharia e Meio Ambiente, 29 de outubro de 1979.

BANDEIRA DE MELLO, H. S. Parecer conjunto das assessorias da presidência da FEEMA sobre as obras de Macrodrenagem no Norte-Fluminense. Rio de Janeiro: Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente, 6 de março de 1978.

CAMPOS, A. Parecer apresentado ao Diretor Geral do DNOS. Rio de janeiro, 22 de junho de 1976, p. 4.

CAMPOS, A. Relatório ao diretor geral do DNOS. Rio de Janeiro: Departamento Nacional de Obras e Saneamento, 15 de abril de 1980.

FBCN. Ofício nº 488/77, 1 de julho de 1977, Rio de Janeiro: Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza, 1977.

FBCN. Ofício nº 526/77,11 de julho de 1977. Rio de Janeiro: Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza, 1977.

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS. O parecer da Comissão Especial para estudar a invasão de terras nas margens da Lagoa Feia. Campos: Câmara Municipal, 17/01/80

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS. Parecer em separado do Vereador Hélio de Freitas Coelho. Campos: Câmara Municipal, 18/01/80.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Procedimento Administrativo nº 81202. 000023/96-10.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Procedimento Administrativo nº 81201.000036/95-72.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Procedimento Administrativo nº 81202.000025/96-45.

JUSTIÇA ESTADUAL. Processo nº 1.092/94.

JUSTIÇA FEDERAL. Processo nº 2001.5103000390-0.

STRANG, H. E. Ofício nº 200 do Departamento de Recursos Naturais Renováveis. Rio de Janeiro: 18 de maio de 1976.

FONTES IMPRESSAS

A epidemia de paludismo. Folha do Commercio, Campos, 24.1.1935.

A Notícia, Campos, 19.8.1978.

AMORIN, C.; SOARES, M. Plano do DNOS ameaça equilíbrio ecológico no norte-fluminense. O Globo. Rio de Janeiro, 15.5.1977.

BALBI, A. de G. O monstro da lagoa Feia. Monitor Campista. Campos, 10.9.1978.

Socorramos os distritos – a zona do Muriaé dizimada pela febre palustre. Folha do Commercio, Campos, 8.1.1935.

Contradições do desenvolvimento. Folha da Manhã, Campos, 20.1.1980.

DNOS diz que não tem culpa pelo estado da Lagoa Feia. O Globo. Rio de Janeiro, 22.6.1978.

DNOS: prioridade para o norte-fluminense. Correio Brasiliense. Brasília, 22.10.1981.

FARIA, C. Campista ameaça a baixada. Folha da Manhã. Campos, 17.11.1991.

Folha da Manhã, Campos, 19.8.1978. Inversão da ordem.

Folha da Manhã, Campos, 28.10.1979.

O Fluminense, Niterói, 20-21.8.1978.

O homem e a natureza. Folha da Manhã, Campos, 28.8.1979.

OLIVEIRA, F. F. de. Invasão e equilíbrio biológico. Folha da Manhã, Campos, 16.11.1979.

OLIVEIRA, F. F. Preservar para usufruir. Folha da Manhã. Campos, 26.5.1981.

Ponto de equilíbrio. Folha da Manhã, Campos, 5.6.1981.

Tarefa de todos. Folha da Manhã, Campos, 7.5.1981.

BIBLIOGRAFIA

BARRETO, J. A zona açucareira. In: Estado do Rio do Janeiro – Aspectos políticos e econômicos: o Sr. Nilo Peçanha. Rio de Janeiro: Tip. Jornal do Comercio, 1917.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BORGES, E. W. B.; ANDRADE, M. A. de; SALLES, V. A. C. de. Lagoa Feia do Itabapoana (RJ) – Um prévio diagnóstico ambiental. Centro Federal de Educação de Campos – CEFET. Campos dos Goytacases, 2005 (monografia de especialização).

BRITO, F. S. R. de. Saneamento de Campos. Campos: Typographia de Silva, Carneiro e Cia., 1903.

CAMIS, N. Departamento Nacional de Obras e Saneamento: uma contribuição ao desenvolvimento de Campos. In: A Cidade/Folha do Comércio. Campos, novembro de 1978.

CARNEIRO, P. R. F. Dos pântanos à escassez: uso de água e conflito na Baixada dos Goytacazes. São Paulo: Annablume, 2003.

CARVALHO, J. M. de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ELIADE, M. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Lisboa: Livros do Brasil, s. d.

ELIADE, M. Aspectos do mito. Lisboa: Edições 70, 1986.

GIRARDET, R. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GÓES, H. de A. Saneamento da Baixada Fluminense.Rio de Janeiro: Comissão de Saneamento da Baixada Fluminense, 1934.

LAMEGO, A. R. O homem e o brejo. 2.ed. Rio de Janeiro: Lidador, 1974.

LÉVI-STRAUSS, C. Como morrem os mitos. In: Antropologia estrutural Dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1976.

LUSTOSA, C. Preservação da bacia hidrográfica. Revista da Procuradoria Geral do Estado, Porto Alegre: Instituto de Informática Jurídica – RS, v.9, 1979.

PEÇANHA, N. Discurso proferido no Senado da República em 19/9/13. In: BARRETO, J. Estado do Rio do Janeiro – Aspectos políticos e econômicos: o Sr. Nilo Peçanha. Rio de Janeiro: Tip. Jornal do Comercio, 1917. p. 256.

RIBEYROLLES, C. Brasil pitoresco. Belo Horizonte; São Paulo: Itatiaia; Edusp, 1980. v.2.

SAINT-HILAIRE, A. de. Viagem pelo Distrito de Diamantes e Litoral do Brasil. Belo Horizonte; São Paulo: Itatiaia; Edusp, 1974.

SIMÕES, D. F. Norte-fluminense – uma opção ecológica. Saneamento, Rio de Janeiro, v.51, n.3 e 4, jul./dez. de 1977.

SOFFIATI, A. Saturnino de Brito e o saneamento da Baixada dos Goitacases. In: Anais do Seminário Saturnino de Brito: 100 Anos do Projeto de Saneamento de Campos. Campos dos Goytacases: Universidade Estadual do Norte Fluminense, 2003. p.78-89.

SOFFIATI, A. A Lagoa Feia do Itabapoana e seu conflitos sociais. In: ACSELRAD, H. (Org.) Conflito social e meio ambiente no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

SOFFIATI, A. As Lagoas do Norte Fluminense: Contribuição à História de uma Luta (artigos e entrevistas). No prelo.

SOFFIATI NETO, A. A. A agonia das lagoas do norte fluminense. Ciência e Cultura, São Paulo, v.37, n.10, p.1627-38, out.1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2005v7n2p61

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia