Circuitos da economia urbana e economia dos setores populares na fronteira amazônica: o cenário atual no sudeste do Pará

Harley Silva, Sibelle Diniz, Vanessa Ferreira

Resumo


Embora a expansão do mercado trabalho formal seja uma tendência sustentada no Brasil nos últimos anos, a persistência de formas de ocupação ligadas ao circuito inferior da economia é uma realidade ampla e mal compreendida. Isso é particularmente verdade para as diversas fronteiras da Amazônia brasileira, onde a economia informal, popular, solidária e familiar persiste, a despeito dos grandes investimentos destinados ao circuito superior. Esse trabalho investiga a situação vigente no sudeste paraense, onde a economia formal de alguns municípios tem crescido a “taxas chinesas” e ao mesmo tempo há a presença massiva de formas alternativas de inserção econômica da população, particularmente a de baixa renda.

Palavras-chave: economia dos setores populares; economia informal; circuito inferior; fronteira amazônica; sudeste paraense.

 


Palavras-chave


informal economy; lower circuit; Amazon frontier; southeast of Pará.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


BECKER, B. K. Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro: Ed. Garamond, 2004.

BECKER, B. K. Articulando o complexo urbano e o complexo verde na Amazônia. In: Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. Brasília: CGEE, 2009.

BECKER, B. K. Dinâmica Urbana na Amazônia. In: Diniz, C. C.; Lemos, M. B. (Org.). Economia e Território. Belo Horizonte: CEDEPLAR, 2005.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS (CGEE). Soerguimento tecnológico e econômico do extrativismo na Amazônia. Brasília: CGEE, 2011.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS (CGEE). Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. Brasília: CGEE, 2009.

COSTA, F. de A. Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais – As Possibilidades do Conceito na Constituição de um Sistema de Planejamento para a Amazônia. Revista Brasileira de Inovação, 5(1), jan./jun. 2006.

COSTA, F. de A. Formação Agropecuária da Amazônia: os desafios do desenvolvimento sustentável. Belém: NAEA, 2012a.

COSTA, F. de A. Formação rural extravista na Amazônia: os desafios do desenvolvimento capitalista (1720 - 1970). Belém: NAEA, 2012b. (Coleção Economia Política da Amazônia).

COSTA, F. de A. Grande Capital e Agricultura na Amazônia: O projeto Ford no Tapajós. Belém: NAEA, 2012c. (Coleção Economia Política da Amazônia).

COSTA, F. de A. Questão Agrária e Macropolíticas na Amazônia: novos momentos, grandes desafios. Revista do Centro de Estudos Avançados, 53, jan./mar. 2005.

COSTA. F. de A. Trajetórias Tecnológicas como Objeto de Política de Conhecimento para a Amazônia: uma metodologia de delineamento. Revista Brasileira de Inovação, 8(1), jan./ jun. 2009.

CRAICE, C.; SOUZA, M. F. S. Entre minérios e rios: notas sobre urbanização, migração e consumo no sudeste do Pará. Anais do XV Encontro da Associação Nacional de Planejamento Urbano e Regional. Recife, 2013.

FURTADO, C. Economia do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Centro Celso Furtado; Editora Contraponto, 2009.

HOMMA, A. K. O. Agricultura familiar na Amazônia: a modernização da agricultura itinerante. In: SOUSA, I. S. F. (Ed.). Agricultura familiar na dinâmica da pesquisa agropecuária. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2006.

HOMMA, A. K. O. Amazônia: como aproveitar os benefícios da destruição? Estudos Avançados, 19 (54), 2005.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Projeto UrbisAmazônia: Qual a Natureza do Urbano na Amazônia Contemporânea? O Urbano Extensivo e os Circuitos da Economia: O Papel das Redes na Construção dos Lugares e na Configuração Multi-escala do Urbano Amazônico. Apontamentos para um Diálogo com as Políticas Públicas Climáticas e Ambientais para a Região. São José dos Campos: INPE, 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Projeto UrbisAmazônia: Qual a Natureza do Urbano na Amazônia Contemporânea? O Urbano Extensivo e os Circuitos da Economia: O Papel das Redes na Construção dos Lugares e na Configuração Multi-escala do Urbano Amazônico. 1º Relatório de Acompanhamento de Projeto. Período:01/01/2012 a 30/09/2012. São José dos Campos: INPE, 2012.

JACOBS, J. The economy of cities. New York: Random House Inc., 1970.

LEFEBVRE, H. Espaço e política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

MONTE-MÓR, R. L. M. Urbanização extensiva e novas lógicas de povoamento: um olhar ambiental. In: SANTOS, M. et al. (Eds.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1994.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

RISÉRIO, A. A cidade no Brasil. Rio de Janeiro: Editora 34, 2012.

RODRÍGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: F. Alves, 1979.

SANTOS, M. O trabalho do geógrafo no terceiro mundo. São Paulo: Edusp, 2009




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2013v15n2p61

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia