Games and insurgencies: towards agonistic participation in the production of space | Jogos e insurgências: por uma participação agonística na produção do espaço

Ana Paula Silva de Assis

Resumo


By relating games and insurgencies, the intention of this article is to establish a conceptual basis for proposing agonistic participatory tools, with the aim of recovering the emancipatory sense of social participation when producing city space. Through post-political theory and post-democratic criticism we will argue that the institutionalization of participatory processes stands in contradiction to emancipatory ideals, which provide support for social participation as a tool for promoting spatial justice. The concept of open game as formulated by Vilén Flusser will be adopted as a critical, theoretical tool so as to envisage participatory processes that accommodate dissent. Within this context, we will present three game experiences, all of which concern spatial issues. Games, understood as agency, enable insurgent imagery for the city to emerge, facilitate translations and coexistence, and encourage the occupation of public spaces as a possibility for recovering the public sphere.

 


Palavras-chave


dissension; social participation; insurgencies; open game; social emancipation; agonistic participation.

Texto completo:

PDF (ENGLISH)

Referências


ARENDT, H. A Condição Humana. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

AWAN, N.; SCHNEIDER, T.; TILL, J. Spatial Agency: Other Ways of Doing Architecture. London: Routledge, 2011.

BRASIL. Estatuto da Cidade: guia para implementação pelos municípios e cidadãos. Brasília: Câmara dos Deputados, 2002 [online]. Available at: . Accessed on: 4th Feb. 2015.

CAILLOIS, R. Man, play and games. Chicago: University of Illinois Press, 2001.

CHAVIER, J., MIGLIANO, M. Baixo Bahia: O futebol como tática de apreensão da cidade. Redobra, Salvador, n. 11, ano 4, p. 113-119, abr. 2013.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ERREJÓN I., MOUFFE, C. Construir pueblo: hegemonía y radicalización de la democracia. Barcelona: Içaria, 2015.

FLUSSER, V. Nosso programa. In: FLUSSER, V. Pós-História: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Duas Cidades, 1983. p. 25-31.

FLUSSER, V. Filosofia da caixa preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Hucitec, 1985.

FLUSSER, V. Jogos. Unpublished manuscript. Berlin: Vilém Flusser Archiv, (n.d.).

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HARVEY D. Social Justice and the City. London: Edward Arnold, 1973.

HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: A Study of the Play-Element in Culture. Boston: Beacon, 2000.

KAPP, S.; BALTAZAR, A. P. The paradox of participation: a case study on urban planning in favelas and a plea for autonomy. Bulletin of Latin American Research, v. 31, n. 2, 2002.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonía y estrategia socialista: Hacia la radicalización de la democracia. Madrid: Siglo XXI, 1987.

LEFEBVRE, H. The Production of Space. Oxford: Blackwell, 1991.

LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Ed. 34, 1996.

MOUFFE, C. The Democratic Paradox. London: Verso, 2005a.

MOUFFE, C. On the Political. Londres: Routledge, 2005b.

MOUFFE, C. Artistic Activism and Agonistic Spaces. Art & Research, v. 1, n. 2, p. 1-5, 2007. Available at: . Accessed on: 2nd April. 2015

POGREBINSCHI, T. O enigma do político. Marx contra a política Moderna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

RANCIÈRE, J. O desentendimento. São Paulo: Editora 34, 1996a.

RANCIÈRE, J. O dissenso. In: NOVAES, A. (Org.). A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996b. p. 367-382.

RANCIÈRE, J. Ten Theses on Politics. Theory & Event, v. 5, n. 3, n.p., 2001. http://dx.doi.org/10.1353/tae.2001.0028

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. G.; NUNES, J. A. Introdução: Para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo. In: SANTOS, B. S. (Org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 21-122.

SOUZA, M. L. Ação direta e luta institucional: complementaridade ou antítese? Passa Palavra, 27 abr. 2012, n.p. Available at: . Accessed on: 2nd Dec. 2015.

SOUZA, M. L.. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013

SWYNGEDOUW, E. Interrogating post-democratization: Reclaiming egalitarian political spaces. Political Geography, v. XXX, p. 1-11, 2011. http://dx.doi.org/10.1016/j.polgeo.2011.08.001




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2015v17n3p104

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                              


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia