Segregação dinâmica urbana: modelagem e mensuração

  • Vinicius de Moraes Netto Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul
  • Romulo Krafta Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Palavras-chave: segregação social, redes sociais, dinâmica das classes, modelagem.

Resumo

A presente pesquisa oferece uma abordagem alternativa para a visão da segregação como processo de afastamento entre classes sociais pela produção de zonas de habitação segregadas. As rotinas sociais, formadas pela montagem dos percursos e atividades típicas das classes em função de diferentes lógicas e padrões de apropriação, estruturarão redes sociais distintas dentro de um mesmo sistema urbano. A segregação assim é observada na incompatibilidade ou pouca sobreposição das redes sociais constituídas pelas ações dos indivíduos sobre o espaço urbano, conformando-se como fenômeno dinâmico. Esta visão da segregação não como áreas segregadas mas como ação e apropriação dos espaços da cidade possibilita mensurar quanto há de segregação em uma cidade. O modelo mostra a dinâmica das classes sobre o espaço urbano, e o conseqüente panorama da segregação social, visualizado na sobreposição das redes (como um mapa dinâmico da segregação), resultando na propriedade do Nível de Segregação Urbana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

GIDDENS, A. New Rules of Sociological Method. New York: Basic Books, 1976.

HARVEY, D. Social Justice and the City. Londres, Baltimore: John Hopkins University Press; 1973.

HARVEY, D. “Social Justice, Postmodernism and the City”. International Journal of Urban and Regional Research, 16, 1992.

HILLIER , B., HANSON, J. The Social Logic of Space. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

HILLIER, B., PENN, A., HANSON, J., GRAJEWSKI, T., XU, J. “Natural Movement: or Configuration and Attraction on Urban Pedestrian Movement”. Environment and Planning B, v.20, 1993.

KRAFTA, R. “Modelling Intraurban Configurational development”. Environment and Planning B, v.21, 1996.

KRAFTA, R. “Urban Convergence: Morphology and Attraction”. In: TIMMERMANS, H. (Ed.). Decision Support Systems in Urban Planning. Londres: E&FN Spon, 1997.

LEE, C. M., CULHANE, D. P. “A Perimeter-Based Clustering Index for Measuring Spatial Segregation: a Cognitive GIS Approach”. Environment and Planning B, v.25, p.327-43, 1998.

LEFEBVRE, H. La Production de l’Espace. Paris: Anthropos, 1974

SOJA, E. The Political Organization of Space. Washington, DC: Association of American Geographers, 1971.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Nobel/FAPESP/Lincoln Institute, 1998.

WHEATON, W. C. “Urban Spatial Development with Durable but Replaceable Capital”. Journal of Urban Economics, 12 (53-67), 1981.

Publicado
1999-05-31
Seção
Artigos: O melhor do 8º Encontro Nacional da Anpur