Lógica politécnica versus fisiocracia agreste: conflitos em torno da gestão ambiental num ecossistema no litoral fluminense

  • Marco Antonio da Silva Mello Departamento de Antropologia Cultural do IFCS/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ
  • Arno Vogel Laboratório de Estudos da Sociedade Civil e do Estado do CCH/UENF, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro
Palavras-chave: comunidades pesqueiras, pesca lacustre, manejo de ecossistemas lacustres.

Resumo

Este artigo busca descrever e analisar a atividade da pesca artesanal no município de Maricá (RJ), para chegar, finalmente, à discussão dos impactos socioambientais da expansão da Região Metropolitana do Rio de Janeiro sobre suas lagunas e restingas. O registro da evolução histórica da paisagem de Maricá, a partir da literatura dos viajantes – naturalistas e geógrafos–, desde o século XIX, constitui, juntamente com uma ampla discussão da natureza, dinâmica e perspectivas dos ambientes lacustres fluminenses, o cerne da proposta para uma etnografia de seu manejo, pelas comunidades de pescadores e pela engenharia sanitária e urbana, com suas distintas, conflitantes e concorrentes concepções dos mecanismos de seu funcionamento (estagnação versus circulação); nesse caso, analisa-se a relação do conjunto de lagunas como mar, ou seja, a questão das barras oceânicas permanentes versus barras oceânicas sazonais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antonio da Silva Mello, Departamento de Antropologia Cultural do IFCS/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ
Arno Vogel, Laboratório de Estudos da Sociedade Civil e do Estado do CCH/UENF, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro

Referências

BATES, M. A floresta e o mar. Uma análise da economia da natureza e da ecologia do homem. São Paulo: Fundo de Cultura, 1965. 235p.

BRAGA, S. Saneamento da lagoa de Maricá. Rio de Janeiro: Ministério da Viação/ Departamento Nacional de Obras e Saneamento (DNOS), 1947. 61p. (Memória n.62.)

BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Sudepe/Pescart, 1975.

BRITO, S de. Projetos e relatórios: saneamento da lagoa Rodrigo de Freitas. In: Obras Completas de Saturnino de Brito. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro/ MEC, 1944. v.15, p.1-91.

COLAÇO, J. Tempo(s) ecológico(s): um relato das tensões entre pescadores artesanais e Ibama acerca do calendário de pesca na Lagoa Feia-RJ. Niterói, 2007. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense.

DIEGUES, A. C. S. L’Écosystème lagunaireIguape-Cananéia (Brésil):une étude de cas. Mémoire sous la direction d’Ignacy Sachs. Paris: Sécretariat d’État aux Universités/École des Hautes Études en Sciences Sociales, 1976.

GRIAULE, M. et al. La connaissance de l’homme au XXème. siècle.Neuchatel: Éditions de La Baconnière. Rencontres Internationales de Genève, 1952. p.153.

LAMEGO, A. R. O homem e o brejo. Rio de Jameiro: IBGE, 1945. 204p.

LAMEGO, A. R. O homem e a Guanabara. Rio de Jameiro: IBGE, 1964.

LUCCOCK, J. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. São Paulo/Belo Horizonte: Edusp/Itatiaia, 1975. 435p. (Col. Reconquista do Brasil, v.21.)

MARQUES JR., A. N. Ecologia e dinâmica de nutrientes em Dois Brejos de Typha dominguenses pers (Thiphaceae) na laguna de Maricá – RJ. Niterói, 1991. Dissertação (Mestrado) – Curso de Pós-Graduação em Geoquímica da Universidade Federal Fluminense.

MARTINS, F. J. História de descobrimento e povoação da cidade de São João da Barra e dos Campos dos Goytacazes. Rio de Janeiro: Typografia de Quirino & Irmão, 1868.

NAUMANN, E. Limnologische Terminologie. S.l.: s.n., 1931. (Mimeo. , v.9.)

OLIVEIRA, L. de; NASCIMENTO, R.; KRAU, L.; MIRANDA, A. Observações biogeográficas durante a abertura da barra da lagoa de Saquarema. Rio de Janeiro: Instituto Oswaldo Cruz, 1955. (Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, t.53, fasc.2, 3, 4.)

RUYER, R. Les cent prochains siècles. Paris: Fayard, 1977. 210p.

SAINT-HILAIRE, A. de. Segunda viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e São Paulo. São Paulo/Belo Horizonte: Edusp/Itatiaia, 1974. 144 p.

VALPASSOS, C. A. M. Quando a lagoa vira pasto–um estudo sobre as diferentes formas de apropriação e concepção dos espaços marginais da Lagoa Feia, RJ. Niterói, 2006. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense.

Publicado
2006-05-31
Seção
Artigos