Jogo no Rio

  • Tamara Tania Cohen Egler Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (Ippur) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
  • Fabiana Mabel de Oliveira Bolsista de TCT da FAPERJ, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Palavras-chave: globalização, políticas urbanas, grandes eventos esportivos, Jogos Pan–Americanos, redes, Rio de Janeiro.

Resumo

Como, por que e para quem são produzidas as políticas urbanas para os jogos esportivos na cidade do Rio de Janeiro? Os dados apresentados neste trabalho resultam de pesquisa realizada sobre os Jogos Pan-Americanos no Rio de Janeiro, em 2007. O artigo está estruturado em três eixos: discurso oficial; produção e apropriação social dos projetos; cidade democrática. No primeiro eixo, examinamos o que se veiculou como as benesses que os Jogos trariam para a cidade; no segundo, os projetos, a construção e a apropriação social dos equipamentos; e no terceiro, fazemos uma proposta de política pública para o que designamos “uma cidade democrática”. Este encaminhamento analítico tornou possível observar, analisar e apresentar a distância que existe entre o discurso oficial e a realidade dos interesses que compuseram as estratégias para os jogos na cidade do Rio de Janeiro.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, H. A dignidade da política. Rio de Janeiro, Relumé du Mara, 1994.

BAUMAN, Z. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1999.

BOBBIO, N. Quais alternativas para a democracia representativa? Marxismo e o Estado. São Paulo: Graal, 1978.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1998a.

BOURDIEU, P. O neoliberalismo, utopia (em vias de realização) de uma exploração sem limites. Contrafogos, táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998b.

EGLER, T. T. C. Políticas urbanas globais para espaços locais. Economia, Sociedade e Território, v. 5, n. 17, jan.-jun. 2005a.

EGLER, T. T. C. Jogos Pan-Americanos para um Rio global. In: VALENÇA, M. Globalização e marginalidade: transformações urbanas. Natal: EDUFRN, 2007b.

EGLER, T. T. C. Virtual e vital nas redes de políticas urbanas. Comunicação apresentada ao III Simpósio Nacional Tecnologia e Sociedade, Curitiba, 2009c.

HABERMAS, J. Soberania popular como procedimento: um conceito normativo de espaço público. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 26, p.100-13, mar. 1990.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. Rio de Janeiro: Record, 2001.

JOHNSON, S. Emergência. A dinâmica das redes em formigas, cérebros, cidades e software. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

MARX, K. El capital. Critica de la economía política. México: Fondo de Cultura Económica, 1978.

MORIN, E. O método 3: O conhecimento do conhecimento. Trad. Juremir Machado. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NORBERT, E. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

RIBEIRO, A. C. T.; SANTOS, C. A. Impulsos globais e espaço urbano: sobre o novo economicismo. In: RIBEIRO, A. C. T. O rosto urbano da América Latina. Buenos Aires: Clacso, 2003.

SANTOS, B. S.; AVRITZER, L. Para ampliar o cânone democrático. In: SANTOS, B. S. (Org.) Democratizar a democracia. Os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, p.39-82.

SILVA, P. F. O legado do Pan-Americano e a questão do uso social nos grandes empreendimentos. Comunicação apresentada no Encontro Nacional de Geografia, Florianópolis, 2010.

Publicado
2010-11-30
Seção
Artigos